Projeto Caxias sem Frestas precisa de voluntários e espaço para armazenar embalagens  - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Ajuda11/10/2019 | 17h18Atualizada em 11/10/2019 | 17h54

Projeto Caxias sem Frestas precisa de voluntários e espaço para armazenar embalagens 

Sem costureira e depósito, projeto que usa caixas de leite para forrar casas precisa de ajuda

Projeto Caxias sem Frestas precisa de voluntários e espaço para armazenar embalagens  Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

O Caxias sem Frestas é um projeto que usa caixas de leite para forrar casas de madeira e impedir que a chuva e o frio atinjam moradores de áreas mais pobres de Caxias do Sul. A embalagem cartonada serve como matéria-prima para forrar as paredes, evitar a entrada da chuva e ser um isolante térmico. 

As caixas são compostas por seis camadas: uma de plástico, uma de papelão, outra de plástico, uma de alumínio e, por fim, mais duas folhas de plástico. Essas características tornam as caixas impermeáveis e fazem delas um ótimo isolante térmico para aquecer no inverno e refrescar no verão. 

A iniciativa, implantada na cidade em agosto do ano passado, passa por dificuldades e precisa de ajuda de voluntários para seguir em frente.  As doações de caixas de leite são suficientes, mas o Caxias sem Frestas precisa de uma costureira ou da doação de uma máquina industrial para costurar as caixas, de um depósito para guardar o material e de voluntários para forrar as casas.

Moradora do bairro Madureira, Simone Emerim, 55 anos, entrou em contato com os voluntários para doar mais de 200 caixas de leite que ela e a família armazenaram nos últimos meses. Foi surpreendida pela informação de que não há espaço para que o material seja armazenado, por isso, não teriam como receber as doações: 

—  Fico chateada em saber que as caixas que nós separamos, cortamos, lavamos e secamos com carinho não vão ser usadas para forrar as casas e ajudar as pessoas. Elas não serão jogadas fora porque serão doadas para reciclagens, mas foram guardadas para um bem maior, que era beneficiar essas famílias, que precisam tanto na nossa cidade. 

Segundo Simone, é triste saber que o Caxias sem Frestas corre risco de não continuar.

— É lastimável saber que o projeto pode não continuar por falta de ajuda. Acredito que este é um projeto que precisa seguir por meio de parcerias com entidades e instituições que possam manter a iniciativa em Caxias. 

"Vendi sapatos para poder  buscar doações",  diz idealizadora 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 11/10/2019Caxias sem frestas: Simone tem 200 caixas de leite no porta-malas do carro.(Lucas Amorelli/Agência RBS)
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Atualmente, 14 mil caixas estão armazenadas em diversos pontos da cidade, cedidos por voluntários. A idealizadora do projeto em Caxias, Sílvia Andreatta, explica que precisam de ajuda para seguir em frente.

— Tinha uma costureira voluntária que costurava as caixas para formar as chapas, mas ela não consegue mais nos ajudar, porque reingressou no mercado de trabalho. Estamos sem costureira há mais de dois meses. Já fiz inúmeros pedidos, mas as pessoas tem receio de estragar a máquina, mesmo que a industrial possa ser usada para costurar as caixas de leite. 

Ela criou uma campanha online para comprar uma máquina, mas até o momento dos R$ 1,5 mil que seriam necessários, apenas R$ 170 foram arrecadados. 

— Precisamos de voluntários comprometidos em se doar, doar tempo e às vezes até mesmo recursos, porque é preciso combustível para atravessar a cidade e buscar as doações. Eu já vendi itens como sapatos para abastecer o carro e buscar grampeadores e caixas de leite. Eu amo esse projeto e não quero que ele morra —  desabafa. 

Sílvia faz um apelo:

— Comecei sozinha, e hoje, mesmo com a ajuda de alguns voluntários ainda passamos por dificuldades. Porque são poucos. Não temos como guardar um estoque grande, porque estamos sem local.  Precisamos de voluntários para cortar, lavar, secar as caixas e costurar. Não adianta, a comunidade doar as caixas, se não conseguimos quem costure e  quem nos ajude a revestir a madeira das casas. Precisamos de ajuda para seguir, sozinhos não conseguiremos tocar em frente — lamenta. 

Como Ajudar

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 11/10/2019Caxias sem Frestas: Silvia Andreatta, guarda as caixas de leite de baixo da escada do seu prédio antes de mandar para a costura.(Lucas Amorelli/Agência RBS)
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

O projeto precisa de uma máquina industrial, costureiras, grampeadores de estofados ou madeira, grampos, tesouras e estiletes e vale combustível, porque nem sempre os voluntários tem como se descolar para buscar as doações ou ir até as casas que precisam ser revestidas.  Os voluntários também recolhem alimentos, agasalhos e cobertores para doar as famílias.

Para doar ou se voluntariar basta entrar no link vakinha.com.br/vaquinha/maquina-de-costura-industrial-para-o-caxias-sem-frestas ou entrar em contato pela página Caxias sem Frestas no Facebook ou pelo telefone (54) 99105-7068. 

 Leia também:
Personagem das paisagens urbanas, Elichat completa sete anos com mostra artística
DJ paulista Erick Jay visita Caxias para show e bate-papo em instituição social
Na Cozinha: aprenda receitas para fazer com os pequenos no Dia das Crianças
Poeta Dinarte Albuquerque Filho dá dica de leitura em especial sobre a Feira do livro de Caxias
Banda Melim cantará seus maiores sucessos nesta sexta, em Caxias 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros