Como homem que roubava para manter vício em crack mudou a vida de Salete em Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Epidemia esquecida 3/308/10/2019 | 07h20Atualizada em 08/10/2019 | 07h21

Como homem que roubava para manter vício em crack mudou a vida de Salete em Caxias do Sul

Assaltante matou marido de Salete Fortuna durante ataque a uma lavagem de veículos

Como homem que roubava para manter vício em crack mudou a vida de Salete em Caxias do Sul Antonio Valiente / Agência RBS/Agência RBS
Salete deixou de trabalhar no pequeno negócio que mantinha com Darci Alves de Brito Foto: Antonio Valiente / Agência RBS / Agência RBS

A rotina sem sobressaltos de Salete Fortuna, 58, e Darci Alves de Brito, 68, terminou sobre as britas de uma lavagem de carros, pouco depois do meio-dia de 5 de março, dia de Carnaval, em Caxias do Sul. Tio Brito, como Darci gostava de ser reconhecido, era um homem forte e destemido. Poucas horas antes de embarcar na primeira viagem que faria à praia ao lado da esposa, ele enfrentou um ladrão armado. 

Leia mais
Crack continua estimulando violência, mas já não desperta reações em Caxias do Sul
"Dói tanto em mim que fico imaginando a dor dos outros" , desabafa mãe de rapaz assassinado em Caxias  

O bandido queria roubar a caminhonete que um cliente havia confiado ao Tio Brito e a Salete na lavagem do bairro Salgado Filho. O casal limpava o veículo e o assaltante chegou sorrateiramente. Num gesto rápido, Tio Brito se virou, empurrou o ladrão, mas levou um tiro no peito. Resistente, o trabalhador foi para cima do bandido. Caminhou uns 15 passos e caiu sobre o corpo do assaltante. No chão, o criminoso disparou novamente, desta vez, na cabeça de Tio Brito. 

O horror não sai da memória de Salete, nunca sairá certamente. Tudo mudou para a mulher.

— Teve um tiro que foi para mim, a polícia achou a bala no chão. Acredita que eu não ouvi o barulho desse tiro e nem o primeiro que acertou meu marido? Só último — conta.

Salete jamais havia ficado de frente para um assaltante, tampouco Tio Brito. Nos 19 anos na lavagem, o casal não sofrera furto ou roubo. A polícia descobriu mais tarde que o autor dos tiros e outro comparsa que ficara nas proximidades eram viciados em crack que roubavam veículos às vezes em troca de R$ 5, o preço de uma pedra da droga. Um dos presos já havia sido preso em outras ocasiões por furtos e roubo e invariavelmente alegava ser usuário de crack. Solto novamente, seguiu no vício e no crime. 

Tio Brito quis impedir o prejuízo do cliente e pagou com a vida. A lavagem era o sustento do casal. Salete não quis mais voltar ao trabalho e deixou o pequeno negócio para uma filha e o genro. Ela não buscou terapia para enfrentar a dor como muitas fazem. Tenta o amparo dos filhos.

— Era meu parceiro para tudo. Ele adorava ir em baile, gostava de pilcha. A gente nunca tinha ido a praia juntos. Era a primeira vez, íamos ficar quatro dias e meio em Arroio do Sal. Minha vida mudou para pior. E pensava que esse tal de crack só deixava a pessoa boba, sem reação — diz Salete, ao reconhecer que a epidemia não tinha importância alguma até o dia fatídico.

 Leia também
Colegas de menino que morreu de meningite em Caxias recebem medicamento
Depois de efetuar disparos em bar, homem é detido por porte ilegal de arma em Caxias 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros