Com três votos contra e dois parciais a favor do município, caso Magnabosco é adiado mais uma vez no STJ - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Justiça09/10/2019 | 18h09Atualizada em 09/10/2019 | 18h52

Com três votos contra e dois parciais a favor do município, caso Magnabosco é adiado mais uma vez no STJ

Julgamento foi retomado na tarde desta quarta-feira em Brasília

Com três votos contra e dois parciais a favor do município, caso Magnabosco é adiado mais uma vez no STJ Camila Faraco / RBS TV/RBS TV
Caso teve a votação retomada pela 1ª Seção do STJ pouco antes das 17h e interrompida cerca de uma hora depois Foto: Camila Faraco / RBS TV / RBS TV

O julgamento do Caso Magnabosco foi adiado mais uma vez no Superior Tribunal de Justiça (STJ) nesta quarta-feira. A ação rescisória foi movida pelo município de Caxias do Sul na tentativa de não ter de pagar uma indenização milionária para a família Magnabosco. O julgamento já contabilizava três votos contrários ao município e outros dois parcialmente procedentes à ação, quando o ministro Gurgel Faria pediu vista.

Leia mais
Caso Magnabosco estará em pauta pela sexta vez no STJ nesta quarta-feira Tribunal adia pela quinta vez julgamento do Caso Magnabosco Julgamento do Caso Magnabosco será retomado nesta quarta em Brasília Julgamento do Caso Magnabosco de Caxias é adiado mais uma vez no STJ VÍDEO: veja imagens do bairro Primeiro de Maio, alvo de ação do Caso Magnabosco  

A sessão iniciou pouco depois das 14h, mas o julgamento do caso só foi retomado pouco antes das 17h. O primeiro a votar foi o ministro Antonio Herman de Vasconcellos e Benjamin, que havia pedido vista após os votos do relator, Benedito Gonçalves, e da revisora, Assusete Magalhães, ambos contrários ao município, quando o julgamento teve início ainda em março deste ano. Benjamin pediu prorrogação de prazo. E em setembro, não pode proferir o voto porque tinha um compromisso fora do tribunal.

Nesta quarta, o voto dele foi de que a ação é parcialmente procedente. Defendeu que a área foi devolvida à família pelo Executivo municipal e que a prefeitura apenas cumpriu seu dever oferecendo suporte aos ocupantes com redes de água e esgoto. Para ele, à prefeitura cabe a responsabilidade pelas benfeitorias que fez e não o total (cerca de R$ 820 milhões) referente à área de 57 mil metros quadrados, onde, atualmente, é o bairro Primeiro de Maio. O ministro Sérgio Kukina votou com Herman Benjamin.

Já a ministra Regina Helena Costa votou com o relator, ou seja, contra o município. E, em seguida, Gurgel de Faria pediu vista, interrompendo mais uma vez a votação. Com placar de três votos favoráveis à família Magnabosco e dois parcialmente contrários, o voto de Faria será decisivo. Se ele for favorável à ação do município, caberá ao presidente da 1ª Seção do STJ, ministro Mauro Campbell Marques desempatar.

O pedido de vista tem prazo regimental de 30 dias, prorrogável por mais 30. Segundo o advogado da família, Rodrigo Balen, na próxima vez que a votação for retomada será decisiva.

– Vai se prolongar por mais um pouco (o julgamento), mas continuamos com o mesmo otimismo e convicção de que o resultado vai nos ser favorável – disse o advogado.

O prefeito Daniel Guerra (PRB) acompanhou a sessão, mas não quis se manifestar ao final à equipe da RBS TV de Brasília. Se pronunciou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Emílio Andreazza:

– Aguardamos o final desse julgamento, é uma diretriz do nosso prefeito Daniel Guerra que nós usemos todos os recursos disponíveis à cidade de Caxias do Sul para que possamos de alguma maneira mitigar essa indenização que julgamos injusta com a cidade – declarou.


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros