Centenas de hectares de trigo e aveia em Lagoa Vermelha são destruídos pelo granizo - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Prejuízo19/10/2019 | 11h52Atualizada em 19/10/2019 | 14h00

Centenas de hectares de trigo e aveia em Lagoa Vermelha são destruídos pelo granizo

Temporal também provocou danos em escolas e atingiu indústrias

Centenas de hectares de trigo e aveia em Lagoa Vermelha são destruídos pelo granizo Vilson Nadin/Emater
Lavouras de aveia atingidas pelo granizo tiveram prejuízo praticamente total em Lagoa Vermelha Foto: Vilson Nadin / Emater

Cerca de 500 hectares de produção de cereais tiveram prejuízo praticamente total com o granizo da tarde de quinta-feira (17) em Lagoa Vermelha, segundo levantamento da Emater. Foram 300 hectares de trigo, 120 de aveia branca e 80 de aveia preta.

— Nessa área do trigo, ninguém vai colher mais nada. No caso da aveia, em que os agricultores iriam colher a semente, o prejuízo foi quase total — relata o técnico agropecuário do escritório da Emater de Lagoa Vermelha, Josmar Freitas Veloso.

A entidade ainda está fazendo o levantamento do prejuízo em reais na agricultura. Segundo Veloso, 87 casas e 60 galpões no interior do município tiveram danos no telhado, em maior ou menor grau. Além disso, três estufas foram atingidas, dois hectares de brócolis, pouco mais de três hectares de uva e um hectare de amora.

Prejuízo com granizo em galpão de Lagoa Vermelha.
Dezenas de galpões na zona rural de Lagoa Vermelha foram destelhadosFoto: Vilson Nadin / Emater

Ao todo, seis comunidades rurais foram atingidas, todas no entorno da área urbana de Lagoa Vermelha, área mais danificada pelo temporal. São as comunidades de Alecrim, Rincão São Francisco, Vinhas, Fraternidade, Pizzamiglio e uma parte do assentamento rural próximo à cidade.

Leia mais
VÍDEO: Chuva de pedra danifica cerca de 500 casas em Lagoa Vermelha
VÍDEO: Temporal causa alagamentos em Caxias do Sul
Sobe para 4 mil número de casas danificadas em Lagoa Vermelha após chuva de granizo 
Defesa Civil já cadastrou 770 famílias prejudicadas pelo granizo em Lagoa Vermelha

O temporal também atingiu três indústrias importantes da cidade, que tiveram alagamentos, sendo duas de móveis e uma de alimentos. Pelo menos uma das fábricas de móveis teve perdas no estoque.

Granizo na zona rural de Lagoa Vermelha.
Área mais atingida no interior de Lagoa Vermelha foi próxima à zona urbana, onde os estragos se concentraramFoto: Josmar Veloso / Emater

Ao todo, cinco escolas tiveram danos no telhado com o temporal e não há garantias de que 1.087 crianças e adolescentes voltem às aulas na segunda-feira (21). Conforme o coordenador da Defesa Civil do município, Admilson Ferreira da Silva, isso depende de laudos de engenheiros, que ele acredita que fiquem prontos até a segunda.

Foram danificadas as escolas municipais Mônica Bonotto, de educação infantil, Léa Beatriz de Quadros Dolzan, de ensino fundamental, e Marcílio José Machado, também de ensino fundamental; e as escolas estaduais Trajano Machado, de ensino médio, e Francisco Argenta - Polivalente, também de ensino médio.

Com isso, também na segunda devem ser encaminhados todos os documentos do relatório do município para buscar a homologação do decreto de emergência pelo Estado e o reconhecimento do Ministério das Cidades. 

— O reconhecimento da União é necessário para que os moradores atingidos possam pedir, junto à Caixa Econômica Federal, a liberação do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para consertar os danos nas casas — explica o coordenador.

Até o momento, 880 famílias já se cadastraram pedindo ajuda à prefeitura. Quatro mil casas foram atingidas, sendo que 1,7 mil delas tiveram mais de 40% do telhado comprometido.

Aos poucos, a Defesa Civil de Lagoa Vermelha dimensiona o tamanho dos estragos deixados pelo temporal de granizo que atingiu a cidade na tarde de quinta-feira. Até a tarde desta sexta-feira (18), 770 famílias se cadastraram para solicitar auxílio. No total, 282 pessoas tiveram que sair de suas casas. Trinta delas foram acolhidas na Escola Municipal Marcílio Dias e o restante buscou abrigo com familiares ou conhecidos.
Mais de 25 mil metros quadrados de lonas foram distribuídos na cidadeFoto: José Franklin / divugalção

O município segue recebendo doações no ginásio Adolfo Stela, no centro. Os itens mais importantes são colchões, alimentos e cobertores. Em relação a roupas, a Defesa Civil diz que o volume de doações já foi muito bom e não é mais necessário.

Segundo Silva, o estoque de telhas acabou em Lagoa Vermelha, o que dificulta os trabalhos de conserto. Mais de 25 mil metros quadrados de lona foram distribuídas. A lona chegou a acabar na sexta-feira (18), e o município precisou comprar uma parte do material para complementar a distribuição. 

Leia também
Mutirão para contribuintes negociarem dívidas com a prefeitura de Bento Gonçalves ocorre neste sábado
Sábado deve ser de chuva fraca e isolada na Serra
Dois idosos morrem em acidente em Carlos Barbosa

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros