"Causa medo, mas não é sentença de morte", afirma caxiense que venceu o câncer de mama - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Uma outra forma de encarar10/10/2019 | 08h00Atualizada em 10/10/2019 | 09h32

"Causa medo, mas não é sentença de morte", afirma caxiense que venceu o câncer de mama

Conheça a primeira história da série de reportagens da RBS Serra que serão veiculadas durante o Outubro Rosa

"Causa medo, mas não é sentença de morte", afirma caxiense que venceu o câncer de mama Lucas Amorelli/Agencia RBS
Madelaine Comerlato Postal, 41, voltou ao trabalho na semana passada após ficar um ano afastada para tratamento de câncer de mama Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Todos os anos, o Outubro Rosa defende a importância do autoexame para detecção precoce do tumor, o que aumenta as chances de cura. Um levantamento da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) aponta que uma em cada 12 mulheres receberá o diagnóstico de um tumor nas mamas até os 90 anos. Diante dessa realidade, o tratamento torna-se um procedimento cada vez mais comum. Abrimos aqui uma série com histórias de mulheres que viram na experiência do tratamento uma oportunidade de ressignificar a vida.

O seguro fornecido pela previdência seria válido até 2020, mas a técnica de enfermagem Madelaine Comerlato Postal, 41, fez questão de cancelar o benefício e retornar ao trabalho tão logo sentiu-se recuperada do tratamento de câncer de mama. Surpreendida por uma homenagem dos colegas, ela voltou à rotina de plantões no Hospital da Unimed na sexta-feira passada, encerrando o ciclo exato de um ano em que ficou afastada da atividade.

Justamente por atuar na área da saúde, Madelaine eventualmente se deparava com pacientes oncológicos e lembra como enxergava a doença, jamais cogitando estar “do outro lado” do atendimento.

— Eu tinha dó e nunca me imaginei assim. A palavra câncer causa muito medo, a gente pensa que é a morte, mas pra mim foi um recomeço — afirma.

De uma hora pra outra Madelaine se viu deixando a equipe de atendimento e tornando-se paciente oncológica. No primeiro dia do mês que, associado à cor rosa tornou-se símbolo da prevenção ao câncer de mama, durante um banho, ela percebeu um caroço em uma das mamas. O diagnóstico se confirmou no dia 5 de outubro e, seis dias depois, ela já passava pela mastectomia (retirada da mama), por se tratar de um tumor mais agressivo.

— Tive dois dias de luto, chorei muito, mas depois, com a rotina de exames, não tive nem tempo de pensar. Foi muito mais tranquilo do que imaginava — conta.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 08/10/2019Madelaine Comerlato Postal, 41 anos, é técnica em enfermagem há 21 anos e acaba de voltar ao trabalho após completar um ano afastada por tratamento de câncer de mama. Moradora do bairro Arcobaleno, contou com o apoio dos pais, do marido e dos filhos, inclusive da caçula Renata Postal dos Santos, 6 anos, para vencer a doença. Ela relata que conviveu com o preconceito e diz que, para muitas pessoas, câncer ainda é visto com sinônimo de morte.(Lucas Amorelli/Agência RBS)
Assim como o restante da família, Renata Postal dos Santos, seis anos, filha de Madelaine, apoiou a mãe durante todo o tratamentoFoto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Vaidosa, a técnica em enfermagem conta que precisou lidar não apenas com as inseguranças geradas pelas mudanças físicas causadas pela quimioterapia, mas também com o preconceito das pessoas. Algumas, chegavam a fazer o sinal da cruz quando a viam. Outras tiravam fotos pelas costas para mostrar a como ela estava.

— As pessoas ainda acham que quem tem um câncer está condenada. Mudar é difícil, eu era uma pessoa preconceituosa, mas entendi que o preconceito é um medo. Vivendo e passando por isso a gente vê que não é tão ruim assim. A quimioterapia realmente é forte, mas é o recomeço, não é o fim — garante.

Para Madelaine, a experiência do tratamento, que se encerrou em março deste ano, resultou em uma transformação radical. Além de mudar hábitos alimentares, aderir a uma rotina de exercícios e parar de fumar, ela mudou a maneira de enxergar o mundo e de se relacionar com as pessoas:

— Quero aproveitar a  família e passei a amar mais o meu trabalho, que é sobre a vida.

Por um tratamento mais seguro e confortável

Cada paciente pode encarar e reagir de diferentes formas ao processo de tratamento do câncer de mama. A psicóloga e psicanalista Suzymara Trintinaglia explica que, em um primeiro momento, a ideia da "sentença de morte" realmente pode vir à tona, potencializando sentimentos relacionados à ansiedade e depressão.

Psicanalista e psicóloga Suzymara Trintinaglia fala sobre o enfrentamento ao tratameno de câncer de mama.
Suzymara Trintinaglia explica que, em um primeiro momento, a ideia da "sentença de morte" realmente pode vir à tonaFoto: Milena Schäfer / Agência RBS

— Estamos falando do feminino, do medo da morte e de deixar as pessoas que a gente ama. É uma avalanche emocional.

Confira algumas orientações da profissional que podem tornar o período de tratamento mais confortável e seguro para quem passa por ele:

:: Criar uma rede de proteção: assim que houver a suspeita do câncer, é importante reunir a família, lembrando que o tratamento existe e que o apoio de todos será fundamental.

:: Buscar apoio psicológico: muitos sentimentos de pensamento de morte podem acontecer e a depressão pode advir, sobretudo se não houver uma rede de proteção com pessoas nas quais se possa confiar.

:: Buscar o prazer: manter atividades prazerosas, autocuidado e rotina de exercícios, na medida do possível e procurar não evitar frequentar lugares públicos, trabalhando sempre a aceitação.

:: Não se comparar: existem diferentes maneiras de reagir ao tratamento. Filtrar comentários maldosos é importante, principalmente porque o preconceito, infelizmente, está por todos os lados.

Leia também
Crianças internadas no HG ganham bonecas confeccionadas por clube de mães de Caxias 



 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros