"A percepção é certa, há desânimo", diz ex-presidente de instituto criado para combater o crack  - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Epidemia esquecida 2/2 10/10/2019 | 06h30Atualizada em 10/10/2019 | 06h30

"A percepção é certa, há desânimo", diz ex-presidente de instituto criado para combater o crack 

Magistrado aposentado que atuou em conselhos federal e estadual defende a diversidade de estratégias

"A percepção é certa, há desânimo", diz ex-presidente de instituto criado para combater o crack  Antonio Valiente/Agencia RBS
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Primeiro delegado de Tóxicos no Rio Grande do Sul (final dos anos 1960) e juiz aposentado, Luiz Matias Flach teve a tarefa de encerrar as atividades do Instituto Crack Nem Pensar (ICNP), em 2016, onde atuava como presidente desde 2014. 

A instituição nasceu de uma campanha da RBS e reunia representantes da sete instituições diferentes sem fins lucrativos. Com reconhecimento nacional e internacional, o ICNP promoveu seminários, debates, palestras e outras ações. A entidade considerou que o papel já havia sido cumprido e optou-se pelo fechamento. Flach, que também presidiu os antigos Conselho Federal de Entorpecentes e Conselho Estadual de Entorpecentes, avalia o atual estágio de mobilização contra o crack

Por que o instituto fechou?

Terminou porque eu havia encerrado meu mandato e não havia interessados, logo eu também vislumbrava que poderíamos ter problemas financeiros (em função dos cortes no orçamento do governo e da crise econômica, que afetaram, por exemplo, o programa Crack é Possível Vencer). 

Estamos desmobilizados?

A percepção é certa, há desânimo. O momento é de inércia. Vejo que o Osmar Terra tem um projeto para criar sistema que favorece comunidades terapêuticas. Não sou contra, mas é um sistema pesado, de difícil administração e não muito científico. 

Leia mais sobre a série Epidemia Esquecida
Crack continua estimulando violência, mas já não desperta reações em Caxias do Sul
"Dói tanto em mim que fico imaginando a dor dos outros" , desabafa mãe de rapaz assassinado em Caxias
Como homem que roubava para manter vício em crack mudou a vida de Salete em Caxias do Sul
Ministro Osmar Terra volta a reforçar apoio às comunidades terapêuticas como saída para enfrentar o crack
Moradora da Avenida Júlio, em Caxias, deixou moradia por insegurança na vizinhança
Combinação de cracolândias e tráfico de drogas irradia muita violência, mas não gera comoção em Caxias
Última mobilização organizada contra o crack em Caxias do Sul ocorreu há quatro anos

Como o senhor avalia o atual cenário?

As ideias conservadoras estão no auge no Brasil, sendo que a tendência mundial é o contrário, que é ver a questão das drogas como saúde, como problema socioeconômico, e não ser centrado na guerra às drogas. A posição da ONU e de estudiosos é de que a política centrada na repressão não levou a conquistas interessantes. Até então, havia a controvérsia estabelecida, de que havia como evoluir, que era esse o caminho. Mas no Brasil, no momento, se  aponta quem é a favor da descriminalização das drogas. Hoje, temos encarcerado é os passadores de "baganas", prisões que acho uma tragédia. Veja bem: as mulheres são presas em sua maioria por tráfico, mas você não vê as mulheres no comando do tráfico. É a velha política de culpar o doente pela sua doença.

Há solução? 

Faltam intervenções do Estado. Por ora, se intervém no sentido de prender alguns e espantar os demais. A questão é que as políticas públicas são difíceis de fazer. Fazem desintoxicações ineficazes. O Estado não busca enfrentar o problema. O tráfico seja bagana ou tráfico organizado são punidos tecnicamente pelo mesmo crime. O certo é que o tratamento involuntário não é o melhor caminho porque, pela experiência que se tem, se faz internações breves, no sentido de desintoxicação e logo se caracteriza de novo o quadro anterior. Sem intervenção de saúde, educação, sanitárias as esperanças são diminutas. Precisamos é de diversidade de estratégias.

Leia também
Em fase final de obras, novo asilo de Vacaria precisa de recursos para mobília
Com cadeiras de dentistas estragadas, dois postos de saúde deixam de atender pacientes em Caxias 
Crianças internadas no HG ganham bonecas confeccionadas por clube de mães de Caxias 


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros