49 pessoas já perderam a vida no trânsito de Caxias em 2019 - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Acidentes08/10/2019 | 13h46Atualizada em 08/10/2019 | 13h46

49 pessoas já perderam a vida no trânsito de Caxias em 2019

Maioria das vítimas estavam a bordo de motos. Motoristas e pedestres completam a lista

49 pessoas já perderam a vida no trânsito de Caxias em 2019 Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

De janeiro até agora, pelo menos 49 pessoas perderam a vida em ruas, avenidas e estradas de Caxias do Sul. Um outro caso aguarda laudo para confirmar se a morte ocorreu por mal súbito ou por acidente, mas tem sido tratada como morte no trânsito. Os 50 casos chamam a atenção não apenas por representarem meia centena de famílias impactadas com a perda de um parente para a violência do trânsito, mas por retratar um aumento expressivo em relação ao ano passado.

Leia mais
Quarta faixa na Rua Os 18 do Forte, em Caxias, será mantida de forma definitiva
Mais de cem motoristas são flagrados usando o celular no trânsito de Caxias
Caxias registra o dobro de mortes no trânsito neste ano em relação ao mesmo período de 2018

Para se ter uma ideia, 23 pessoas morreram no mesmo período de 2018, o que torna o índice 117,3% maior neste ano. Em julho de 2019, por exemplo, a quantidade de mortes já havia chegado a 35, superando as 33 do ano anterior inteiro, segundo o Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

Do total de mortos registrado neste ano, a maior parte deles, 18, estavam em motocicletas, sendo que duas das vítimas estavam na carona. Em segundo lugar, estão os condutores de carro: 16 perderam a vida. Os pedestres vêm em seguida, com 11 atropelamentos fatais, número que iguala o ano de 2018 inteiro.

Acidentes com morte, evidentemente, não são novidade em Caxias. Desde 2007, 684 pessoas morreram no trânsito em Caxias do Sul, 529 homens e 155 mulheres. O pico foi registrado em 2010, com 67 casos, enquanto os 33 de 2018 foram o menor número da série histórica. Porém, um comportamento menos responsável por parte dos motoristas está entre os fatores que aumentam o risco de acidentes neste ano e podem estar contribuindo para o aumento do índice, na visão do gerente da Escola Pública de Trânsito, da Secretaria de Trânsito, Transportes e Mobilidade, Joelson Queiroz.

— Neste ano, estamos percebendo a população um pouco mais agressiva no trânsito, apesar de mantermos a estrutura de fiscalização — observa.

Os números de acidentes atendidos pela fiscalização corroboram a visão do agente. De janeiro a setembro de 2018, a Fiscalização de Trânsito, que atende apenas a acidentes com danos materiais, registrou 3.254 ocorrências. No mesmo período deste ano, foram 3.606.

Para Queiroz, a falta de informação de parte da população pode estar contribuindo para a mudança de postura dos motoristas, especialmente quando se trata de flexibilizações das regras de trânsito, ainda em discussão no Congresso Nacional.

— Muitas vezes, a população recebe notícias falsas ou alguma informação do que pode mudar e já começa a aplicar no dia-a-dia. Em palestras, ao falar da cadeirinha, por exemplo, sempre tem quem diga que não é mais obrigatório — afirma.

Dentro desse comportamento mais agressivo, a incidência de três infrações tem chamado a atenção dos fiscais: o uso do celular, o desrespeito ao sinal vermelho e a não utilização do cinto de segurança. Somados, esses fatores de risco podem estar contribuindo para o aumento das mortes nas ruas e estradas.

— As pessoas estão descumprindo regras muito básicas e estão cometendo as infrações na frente do agente, na cara dura — destaca o secretário de Trânsito, Cristiano de Abreu Soares.

Para tentar melhorar o comportamento nas ruas, desde o fim de setembro, a Fiscalização de Trânsito tem realizado operações específicas para coibir essas três infrações. Até agora, foram oito horas de blitze em diversos horários nos dias 27 de setembro e 1º e 2 de outubro. Nessas ações, foram identificados 310 condutores sem cinto, 285 motoristas utilizando o celular e 241 condutores avançando o sinal vermelho. E ações do tipo devem seguir nas próximas semanas.

— Eu não consigo sequer cogitar uma ação educativa para um motorista não passar no sinal vermelho. Até uma criança sabe — finaliza Soares.

Vítimas do trânsito em 2019

Motociclistas: 18 (2 na carona)
Condutores de veículos: 16
Ciclistas: 1
Passageiro de veículo: 4 (um ainda depende de confirmação de laudo médico)
Atropelamentos: 11
Total: 50

Histórico de mortes em Caxias

2007: 50
2008: 62
2009: 64
2010: 67
2011: 61
2012: 57
2013: 54
2014: 52
2015: 48
2016: 34
2017: 52
2018: 33

Leia também
Colegas de menino que morreu de meningite em Caxias recebem medicamento
Depois de efetuar disparos em bar, homem é detido por porte ilegal de arma em Caxias 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros