Por meio dos declamadores, os poemas se tornam mensagens que emocionam - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

#Semana Farroupilha 213/09/2019 | 07h50Atualizada em 13/09/2019 | 12h01

 Por meio dos declamadores, os poemas se tornam mensagens que emocionam

A declamação é uma das manifestações culturais incorporadas pelo tradicionalismo

 Por meio dos declamadores, os poemas se tornam mensagens que emocionam Lucas Amorelli/Agencia RBS
Romila Hoffmann do Amaral e Ariel Vareiro Pereira, ambos de 30 anos, dão voz e expressão aos poemas de autores gaúchos Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

É pela voz e gestos que os versos dos poemas deixam as páginas dos livros para emocionar as pessoas na interpretação dos declamadores. Cada entonação, cada expressão facial, cada movimento das mãos atrai e prende o público ao poema. No Rio Grande do Sul, os poemas ganham temática local e a tradição milenar de recitar se torna declamação.

– O poema é muito antigo, recitar é tão antigo quanto. O que temos aqui (no Rio Grande do Sul) é um poema típico local. Surgem poetas que começam a fazer poemas com a temática local, cantando essa terra. E os rodeios incorporam essa manifestação cultural – explana o historiador Manoelito Carlos Savaris.

Leia mais
Tradição dos tropeiros é abraçada pelos italianos
Se aprochega! Pioneiro publica posts comemorativos da Semana Farroupilha 

Os versos tratam de sentimentos, de tradição, mas também das nuances das relações humanas. É por isso, que a tarefa do declamador requer além da técnica. Exige apaixonar-se. Foi assim com Romila Hoffmann do Amaral e Ariel Vareiro Pereira, ambos de 30 anos. Para eles, arte de declamar se mostrou logo cedo. Romila tinha 8 anos quando teve contato com as manifestações culturais do tradicionalismo pela primeira vez, ainda na escola. Começou pela dança, mas logo tomou gosto pelos poemas.

– Eu declamava para as pessoas quando iam em casa ou no CTG (Centro de Tradições Gaúchas). Depois, comecei a participar de concursos. Quando comecei a declamar, já me encontrei. Acredito que seja um dom. Algo que desperta (em nós). A gente entra na história, vive aquilo e o poema acaba nos modificando. Acho que é algo que quando estamos lendo tem que tocar o coração – pondera Romila.

Mais do que a si, para os declamadores, as mensagens dos poemas podem despertar um processo de transformação.

– Acredito que a poesia pode mudar o mundo, pode mudar as pessoas. O poeta escreve e, nós declamadores, levamos esta mensagem para as pessoas. Muitas vezes, já vieram me dizer que estavam passando por um problema e tiveram um 'norte' (ao ouvir a declamação) ou que já tinham passado aquilo com os pais... Isso é gratificante, melhor do que ganhar um prêmio, ter esse carinho das pessoas que de alguma forma conseguimos ajudar – disse Romila.

Ariel nasceu e cresceu em Alegrete, ou como ele diz, "na campanha". Começou a frequentar um CTG da cidade na adolescência também atraído pela dança. Aprendeu sobre declamação e passou a participar de eventos.

– É o poema que escolhe a gente – afirma o declamador.

Para os concursos, ambos aperfeiçoaram técnicas de empostação (projeção) e inflexão (mudança de tom) da voz, dicção e gestualidade, além das expressões faciais. Um dos professores dos dois foi Vilson Araújo, considerado ícone da declamação no Estado.

– Muitos acham que é só subir no palco e falar a letra, mas tem muita preparação por trás disso, muita técnica misturada com a naturalidade – refere Ariel.

– A pontuação é tudo na poesia. Muitas vezes as pessoas acabam passando pela pontuação e atropelando a mensagem, aquilo que o poeta quis dizer – disse Romila.

Depois de muitos anos de participações e premiações em concursos diversos, o esforço dos dois foi coroado no ano passado, com o 3º lugar no Encontro de Artes e Tradição Gaúcha (Enart), para Romila e 1ª colocação para Ariel. Os dois representando o CTG Herdeiros da Tradição de Caxias. O Enart é o mais importante evento dedicado às manifestações culturais do tradicionalismo.

Romila volta ao Enart neste ano, para etapa classificatória que ocorre em um sábado anterior ao domingo da final do festival.

– Na declamação existe um sentimento muito verdadeiro, muito puro. É uma facilidade que algumas pessoas com dom especial têm de conseguir se comunicar com as outras pessoas por meio dos versos. A poesia é realmente muito forte. Conseguir tocar as pessoas com a poesia é maravilhoso. Não abandonamos isso porque ela (poesia) está encravada na nossa raiz. A gente quer que, cada vez mais, isso passe de pai para filho, perpetuando por meio dos nossos jovens. É algo que amo muito. A poesia nos toca tanto que nos apaixonamos por ela – declarou Ariel.

Trecho do poema 'Meu pai e eu', de Antonio Augusto Ferreira:

"Hoje a vida passou, vou cerro
abaixo,
o corpo vai sofrendo seus estragos,
mas me alegra saber que o coração
é pedra doce _ fácil de amoldar,
mas que sofre sozinho nos seus medos
e jamais reparte seus fracassos,
pois não lhe permitiram nunca
o direito de chorar.

É nessas horas
que meu velho volta e me levanta
na palavra:
Assim é a vida, só se vence quem lutar.
Aperta o coração, afirma o braço,
ergue a cabeça e segue em frente.
Lá é teu lugar."

Veja galeria de fotos:

Leia também:
Prefeitura de Bento cria feriado municipal em alusão ao Enoturismo

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros