Cinco dos seis hospitais de Caxias do Sul passam por adequações no sistema anti-incêndio - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Prevenção18/09/2019 | 17h09Atualizada em 18/09/2019 | 17h23

Cinco dos seis hospitais de Caxias do Sul passam por adequações no sistema anti-incêndio

Hospital da Unimed é o único com alvará contra fogo, segundo os Bombeiros

Cinco dos seis hospitais de Caxias do Sul passam por adequações no sistema anti-incêndio Roni Rigon/Agencia RBS
Foto: Roni Rigon / Agencia RBS

De seis hospitais em funcionamento em Caxias do Sul, cinco passam por adequações no sistema anti-incêndio, segundo o Corpo de Bombeiros. O único que já teve o alvará de proteção contra incêndio emitido pela corporação é o Hospital da Unimed, que tem construção mais recente.

Conforme o comandante do 5º Comando Regional de Bombeiros, tenente-coronel Julimar Fortes Pinheiro, embora não possuam o documento que certifica que o prédio está dentro das normas, os hospitais Pompéia, Geral, Virvi Ramos, Círculo e Saúde possuem Plano de Prevenção e Proteção contra Incêndio (PPCI) válido e aprovado. No entanto, o alvará não foi emitido porque as instituições realizam adequações em sistemas complementares. Tanto que todos, segundo Fortes, já possuíram o documento no passado.

— Isso não quer dizer que não possuam sistemas mínimos necessários para o funcionamento. Uma interdição, por exemplo, só ocorre quando há risco à vida e não é o caso em nenhum deles — afirma.

De acordo com o comandante, as adequações necessárias nos cinco hospitais que não têm alvará estão dentro dos prazos, e documento deve ser emitido tão logo os sistemas sejam concluídos e aprovados em vistoria.

Na semana passada, um incêndio atingiu o Hospital Badim, no Rio de Janeiro, o que chamou a atenção para os sistemas de prevenção.  O incidente causou a morte de 14 pessoas.

O que dizem os hospitais

Hospital Saúde

O prédio principal está em adaptação para obter o alvará de proteção contra incêndio, conforme o superintendente do Hospital Saúde, Eduardo Guedes. Segundo ele, outros dois, onde ficam o refeitório, o setor de Recursos Humanos e o administrativo, já estão com a documentação regularizadas. As obras estão sendo feitas em etapas. Já foi concluída a instalação de extintores, placas de orientação, alarmes e da Brigada de Incêndio, por exemplo. Agora, de acordo com ele, serão colocados corrimões, guarda-corpos e portas corta fogo, entre outros. A intenção, conforme Guedes, é que tudo esteja concluído até o final do ano.

Hospital Virvi Ramos

Por meio da assessoria de imprensa, o Hospital Virvi Ramos informou que obras de adequação solicitadas já foram realizadas. Disse ainda que um pedido de vistoria para liberação do alvará foi feito em 30 de agosto e que, agora, aguarda que o procedimento seja realizado pelo Corpo de Bombeiros. O prédio recebeu portas corta fogo, alarmes de alerta de incêndio e corrimões, entre outras adequações. O investimento foi de R$ 600 mil. 

Hospital Pompéia

O hospital pretende concluir até junho de 2020 todas as adequações solicitadas pelo Corpo de Bombeiros. Conforme o diretor operacional, Walter Henrique Beck, o que falta é a colocação de detectores de fumaça, hidrantes e portas corta fogo em áreas não reformadas recentemente. Segundo ele, as intervenções estão sendo feitas em etapas já que o Pompéia permanece em funcionamento. 

Hospital Geral

Conforme o diretor geral do Hospital Geral, Sandro Junqueira, faltam dois ajustes para que o prédio esteja apto a receber o alvará definitivo. Um deles é a instalação de detectores de fumaça, já comprados e que devem ser colocados em 60 dias. O outro é a instalação da rampas de acesso, o que ainda não tem prazo para ser feito. Junqueira salienta que a instituição tinha alvará válido até a última sexta-feira (13) e que faz treinamentos de evacuação regulares por causa de exigências de controle de qualidade do atendimento, além de contar com uma Brigada de Incêndio.

Hospital do Círculo

De acordo com a diretora do Hospital do Círculo, Jandira Tissot, está em fase final a instalação de sensores de fumaça em todo o prédio. A projeção é que o serviço seja concluído até o final do ano. Segundo ela, esta é a última etapa para a obtenção do alvará de PPCI. A diretora conta ainda que o hospital tem hidrantes em todo o prédio, sistema com extintores e alarme, além de equipamentos para o suporte do trabalho da Brigada de Incêndio que funciona 24 horas por dia. De acordo com Jandira, também há um plano de contingência de todas as áreas e houve realização de simulado de evacuação de áreas. 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros