Leia o artigo "Imparcialidade ao molho pardo", do advogado Marcus Gravina - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Seção do leitor01/08/2019 | 06h00Atualizada em 01/08/2019 | 06h00

Leia o artigo "Imparcialidade ao molho pardo", do advogado Marcus Gravina

Texto foi publicado no Pioneiro desta quinta-feira

Leia o artigo "Imparcialidade ao molho pardo", do advogado Marcus Gravina Luan Zuchi/
Foto: Luan Zuchi

*Marcus Gravina é advogado

Os fatos são quase iguais. Os personagens é que mudam. Em meados de 2017 o encontro foi entre um juiz da mais elevada corte judicial do país com o presidente Temer e dois de seus ministros – Eliseu Padilha e Moreira Franco.

O Correio do Povo publicou: “Temer, Padilha e Moreira Franco foram a um jantar na casa de Ministro do Supremo em agenda secreta. O ministro do STF e presidente do TSE, Gilmar Mendes, manteve um encontro secreto, sem registro na agenda do Palácio do Planalto, com o presidente Michel Temer na noite da última terça-feira, segundo o jornal O Globo”.

Leia mais
Confira outras publicações do Espaço do Leitor   

Houve uma branda polêmica, logo sufocada. O senador Randolfe Rodrigues, diante da sua “bola de cristal”, vislumbrou e disse: “Do mais alto mandatário da Nação, se espera principalmente que ele não utilize o cargo como habeas corpus. Por parte de um ministro do Supremo, se espera que ele se abstenha de qualquer contato com alguém que provavelmente será réu no STF”.

Isso em 30 de junho. Em seguida por uma destas coincidências, li em Zero Hora do dia 6 de julho o artigo de Cezar Miola: “Agendas Sem Segredos - As agendas das autoridades podem nos dizer muito. A falta delas também. Com frequência, tomamos conhecimento de que agentes públicos por vezes se reúnem com diferentes atores em horários ‘atípicos’ ou espaços não usuais. E que tais encontros, quiçá por furtivos, não constam das respectivas agendas oficiais”.

Em 10 do mesmo mês escrevi um artigo. Estava indignado, por isso o título foi: “Apatifaram o TSE” . Tá na cara que as conversas entre ambos já haviam iniciado muito antes. Explico: o TSE, presidido pelo ministro Gilmar Mendes, protelou a entrada em pauta do julgamento da cassação da chapa Dilma-Temer. Apoiou o relator do processo ministro Herman Benjamim na coleta de mais provas e testemunhas. O relator realizou um exaustivo trabalho que ao final revelou as ilegalidades de abuso de poder político e econômico e de ter se beneficiado do caixa 2 de campanha.

Neste meio tempo Temer nomeou outros dois ministros, supostamente amestrados, para o TSE e que foram contrários a aceitação das novas provas trazidas ao processo e contaram com a súbita mudança de entendimento do presidente Gilmar Mendes, que havia apoiado expressamente o ministro Hermann Benjamim. Não satisfeito, ainda o destratou durante o julgamento, dizendo que graças a ele o ministro Benjamim “havia conquistado as manchetes da mídia e uns momentos de glória”. Rematou com toda a sua empáfia mandando a “modéstia às favas”.

E agora, Gilmar, vai julgar os homens, depois de jantares íntimos, secretos e de conhecimento público? O Moro conversou com procuradores da República. Mas, o jantar ao molho pardo foi secreto com quem já vinha respondendo ações em instâncias inferiores, cujos processos estão e outros continuam chegando aos tribunais superiores.

Compartilhe suas opiniões com o Pioneiro. Você pode enviar cartas com até 200 caracteres ou artigos com até 2.100 caracteres para o e-mail leitor@pioneiro.com. Não esqueça de enviar seu nome completo, profissão, endereço, telefone e número do CPF. Os textos estão sujeitos a edição.

Leia também
Caxias ganha franquia da maior rede de chás do país
Operação apura suposto esquema de fraude em entidade filantrópica de Caxias do Sul
Projeto busca obrigar divulgação de proibição do uso de formol em salões de beleza de Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros