Câmara aprova legislação que regula concessão de táxis-lotação em Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Transporte seletivo06/08/2019 | 13h49Atualizada em 06/08/2019 | 13h49

Câmara aprova legislação que regula concessão de táxis-lotação em Caxias do Sul

Nova lei estabelece que até 48 "azuizinhos" devem operar no município

Câmara aprova legislação que regula concessão de táxis-lotação em Caxias do Sul Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Ficou estabelecido que o preço da passagem deve ser de no mínimo 20% acima da modalidade tradicional de transporte Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

A Câmara de Vereadores de Caxias do Sul aprovou, por unanimidade, na sessão ordinária desta terça-feira (6), a nova legislação que regula o serviço de táxi-lotação no município. O projeto revoga a lei anterior e cria novos parâmetros para o lançamento de uma licitação para a operação desta modalidade de transporte.

O projeto de lei foi encaminhado pela prefeitura ao Legislativo em janeiro de 2018. Desde então, passou por alterações por conta do debate entre parlamentares, município e entidades representativas do setor. 

Leia mais
Projeto que regula táxi-lotação em Caxias completou um ano em tramitação
Transporte público de Caxias perde 30% dos passageiros pagantes

Entre os principais pontos que sofreram mudança está a quantidade de ônibus, que não deve ser acima de 15% da frota atual do transporte coletivo tradicional no município. Isso corresponde a um limite máximo de 48 "azuizinhos" - visto que o transporte público tradicional mantido pela Visate dispõe de 320 veículos. Além disso, o projeto prevê que esteja à disposição uma frota reserva correspondente a 10% da quantidade de ônibus em circulação. Cada veículo deve contar com rastreamento por GPS e acessório digital de envio de alarme emergencial (o chamado botão antipânico). Os veículos também devem dispor de 20 lugares e não podem transportar passageiros em pé.

Outro ponto que sofreu mudança em função de debates com entidades e população é  o valor da tarifa. Ficou estabelecido que o preço da passagem deve ser de, no mínimo, 20% acima da modalidade tradicional de transporte.  O valor excedente será aplicado mesmo que o cálculo da tarifa fique inferior a esse percentual. Nesse caso, a diferença deverá ser destinada ao Fundo Municipal de Transporte (Funtran). Pelas novas regras, o valor passaria dos atuais R$ 3,60 para R$5,10. 

O tema foi analisado pela Comissão de Desenvolvimento Urbano, Transporte e Habitação (CDUTH), que encaminhou 23 emendas à proposta inicial. O presidente da comissão, vereador Elói Frizzo (PSB), salienta que a exigência de 20% do valor da passagem chegou a ser modificada nos debates no Legislativo - sem a imposição de um preço acima do praticado no transporte tradicional — mas optou-se por inserir uma exigência de passagem mais cara em função da natureza diferenciada do serviço, o que fazia parte do projeto original enviado pelo Executivo à Câmara.  

— A Câmara entendeu que deve permanecer a proposta original do Executivo, para ter uma diferenciação na tarifa, por conta de que se trata de um transporte seletivo, que não pode competir diretamente com o transporte coletivo. Então, até para evitar disputas judiciais, se entendeu por manter a proposta original — afirma.

A nova lei é o passo fundamental para lançamento da licitação que vai regular as permissões pelo prazo de dez anos. Apesar de o serviço funcionar com licenças provisórias desde 2010, a prefeitura não estabeleceu um prazo para o lançamento da licitação. Para o secretário de Trânsito, Transportes e Mobilidade, Cristiano de Abreu Soares, o tema não é considerado prioridade pela prefeitura, que deve elaborar antes a licitação para o transporte coletivo urbano; esta deve ser lançada antes do final do ano.  

— O foco total da administração é o transporte coletivo urbano. O transporte seletivo vai acontecer certamente e é importante; a gente pretende trabalhar com ambos em paralelo. Mas não tenho prazo (para lançamento de uma nova licitação), porque estamos debruçados no transporte coletivo urbano  — destaca Soares.

Leia também
Restaurado, monumento à Itália aguarda nova placa e cronograma de instalação em Caxias
Homem seminu furta ônibus do transporte coletivo, em Caxias
Justiça homologa afastamento de Osvaldo Voges de administração de metalúrgica

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros