Advogado recomenda que pessoas lesadas em comércio de criptomoedas busquem garantias na Justiça - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Drama financeiro28/08/2019 | 17h53Atualizada em 29/08/2019 | 09h15

Advogado recomenda que pessoas lesadas em comércio de criptomoedas busquem garantias na Justiça

Em todo o Estado, cerca de 270 processos já foram abertos contra uma empresa investigada

Advogado recomenda que pessoas lesadas em comércio de criptomoedas busquem garantias na Justiça Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Fausto Pinheiro dos Santos cita a importância de guardar documentos e trocas de mensagens Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

O Ministério Público Federal (MPF) informou recentemente que os valores bloqueados das contas da Indeal não são suficientes para quitar o débitos. A instituição também anunciou que trabalha em um inquérito para buscar a devolução de dinheiro dos clientes da empresa, mas não divulgou prazo sobre essa ação. Supõe-se que parte do montante em falta estaria convertida em moedas virtuais, o que não está devidamente esclarecido.

Leia mais
"Estamos apavorados", diz empresário de Caxias que perdeu R$ 600 mil em aplicação de criptomoedas
Clientes de pelo menos quatro empresas ainda não receberam dinheiro aplicado em criptomoedas

É por esse e outros motivos que o advogado Fausto Pinheiro Santos, de Caxias do Sul, cita a importância de buscar garantias, procedimento que deve ser realizado via Justiça comum. Por enquanto, ele representa 20 clientes lesados por atrasos de pagamentos da Indeal, do Bitcoin Banco e da NegocieCoins. 

Apesar de milhares terem feito investimentos e reclamações em redes sociais contra as empresas, poucos formalizaram a intenção na Justiça. Numa pesquisa no Tribunal de Justiça (TJ), a reportagem identificou, por exemplo, 270 ações contra a Indeal em todo o Estado. É um volume considerado baixo, pois seriam 23,2 mil pessoas que aplicaram R$ 1,1 bilhão no negócio, conforme dados da Receita - a empresa alegou, no início de agosto, que tem 15 mil clientes. Somente em Caxias, Bento Gonçalves, Carlos Barbosa e Nova Petrópolis, a Indeal captou R$ 182 milhões, segundo a Receita. 

— No caso da Indeal, estamos oficiando para que o juiz reserve o valor no montante bloqueado pela Justiça Federal. Com a ação rescisória de contrato, a chance de receber aumenta para quem formaliza. Na última vez em que consultei o sistema havia pouco mais de 100 processos que identificamos na Serra, é pouco diante do volume de pessoas. O juiz vem dando liminares a nosso favor, mas ainda não tivemos retorno da Justiça federal — explica Fausto.

Conforme o advogado, o processo é semelhante contra o Bitcoin Banco e a Negocie Coins. Como nesses dois casos não há bloqueio judicial, o objetivo é identificar os recursos disponíveis e exigir a devolução. A 7ª Vara da Justiça Federal, em Porto Alegre, onde tramita o processo contra a Indeal, confirmou à reportagem o recebimento de diversos pedidos de reserva ou transferência de valores da conta da empresa para os clientes. O juiz responsável, porém, está apenas autorizando a reserva de valores no processo principal. 

— A questão da Indeal pode ser resolvida rápida, pode até mesmo ocorrer acordo coletivo para quem tem processos, mas também pode continuar sem uma resolução até o final da ação penal, o que pode levar anos. Quem tiver bloqueio judicial e entrar com ação, vai ter prioridade, é claro — ressalta Fausto.

Leia mais
Justiça aceita denúncia contra 15 pessoas em investigação de fraude envolvendo criptomoedas 
Restituição de dinheiro aplicado em criptomoedas poderá levar meses, segundo Justiça Federal 
Clientes venderam imóveis e fizeram empréstimos para aderir a fundo de criptomoedas em Caxias
"Nunca deixamos de pagar clientes", diz representante de empresa que negociava criptomoedas em Caxias
Moradores de Caxias investiram mais de R$ 120 milhões em empresa investigada por fraude envolvendo criptomoedas

Baixa adesão

São variados os possíveis motivos para o baixo número de pessoas interessadas em reaver valores pelas vias legais. Um deles seria a aplicação de dinheiro não declarado na Receita Federal, o que levanta o medo de uma investigação de tributos por parte do governo. Nesse caso, diversos moradores da região optaram pelo silêncio. Outros mantêm esperança de que os pagamentos serão regularizados administrativamente e temem sofrer represálias, o que seria um equívoco, uma vez que é direito do consumidor rescindir um contrato não cumprido. 

Há situações em Caxias de pessoas que usaram todo o dinheiro de rescisões trabalhistas. Com vergonha, uma moradora da cidade evitou contar o caso para a própria família. Uma técnica de enfermagem passa por situação semelhante. Em maio, aplicou R$ 3,5 mil na Unick. Imaginava que obteria rendimentos extras, mas o dinheiro está trancado e não há uma resposta clara. O último prazo informado pela Unick era para o dia 14,o que não ocorreu.

— Vivem prometendo que vão liberar o pagamento um dia, depois remarcam e adiam de novo. Era a única reserva que eu tinha. Estou muito brava com tudo isso. É um dinheiro meu, da minha rescisão e quero de volta — reclama a técnica de enfermagem, que mostra o extrato da aplicação à reportagem. Ela pede o anonimato.

Como os pagamentos da Indeal e e outras empresas não estão acontecendo, o advogado Fausto sugere o armazenamento das provas das negociações para futuras ações.

— O problema é que muitos têm pouca documentação, sequer tinham impresso seu contrato, por exemplo. Vale reunir conversas de WhatsApp, troca de e-mails, prints das telas com os saldos investidos — sugere o jurista.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros