Reforma no Centro Esportivo sairia pelo mesmo valor de obra em escola de Galópolis - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Polêmica 11/07/2019 | 20h03Atualizada em 11/07/2019 | 20h31

Reforma no Centro Esportivo sairia pelo mesmo valor de obra em escola de Galópolis

Orçamento aponta que recuperação da Arlinda Manfro custaria R$ 32 mil. Smed afirma que não é possível reformar o prédio atual, e por isso, não orçou a obra 

Reforma no Centro Esportivo sairia pelo mesmo valor de obra em escola de Galópolis Porthus Junior/Agencia RBS
Centro de Eventos de Galópolis recebe melhorias para receber alunos da Arlinda Manfro Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

A transferência dos 62 alunos da Escola Municipal Professora Arlinda Lauer Manfro, em São João da 4º Légua, para o Centro de Eventos da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Smel), ao lado do campo de futebol, de Galópolis, segue provocando polêmica em Caxias do Sul. O Conselho Municipal de Educação emitiu parecer contrário à transferência depois de vistoriar o espaço que funcionará como escola. 

Em assembleia, 16 integrantes do conselho votaram contra o remanejamento para o local escolhido pelo município. O documento foi encaminhado ao Ministério Público (MP) na última quarta-feira. Outro ponto que chama à atenção é a informação de que a reforma da escola custaria R$ 32 mil, enquanto o valor investido pelo município para adequar o Centro de Esportes gira em torno de R$ 30 mil. A Comissão de Educação da Câmara de Vereadores também é contrária a escolha do local. 

Leia mais
Ministério Público de Caxias quer informações sobre transferência de estudantes em Galópolis 
Pais de alunos que foram transferidos para estudar em capela mortuária temem fechamento de escola em Caxias
Alunos de escola no interior de Caxias podem estudar em local provisório por até dois anos
Estudantes de escola de Caxias do Sul são transferidos para capela mortuária
Pais reclamam de possibilidade de filhos terem aula em capela mortuária em Caxias do Sul   

O assunto foi tema de novo debate na sessão de quarta-feira. Morador de Galópolis, o vereador Velocino Uez (PDT) foi até o Centro de Eventos acompanhado pelo presidente da Comissão de Educação, Edson da Rosa (MDB). O pedetista requisitou à Smed as razões da escolha do novo local, a previsão de conclusão das obras e do retorno dos alunos. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 11/07/2019. Orçamento aponta que reforma da Escola Municipal da Ensino Fundamental Professora Arlinda Lauer Manfro custaria o mesmo valor que a adequação do Centro Esportivo em campo de futebol de Galópolis. (Porthus Junior/Agência RBS)
Conselho de Educação é contra transferência de alunos da Arlinda Manfro para Centro de Eventos Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Ele questionou  ainda o porquê de a secretaria não atender à sugestão da comunidade de usar o salão paroquial da 4ª Légua para as aulas. Em pronunciamento no legislativo, Uez destacou que as respostas da Smed não chegaram ao seu gabinete de forma completa. Ele acrescenta que os pais contrataram um engenheiro qualificado, pós-graduado em auditoria, avaliações e perícias para vistoriar o prédio da Arlinda Manfro. 

– Com base no laudo ficou claro que a escola poderá receber intervenções e reparos, em 30 dias. Ainda não está claro por parte do município o que será feito na Arlinda – denuncia. 

Um orçamento solicitado pelo MP aos pais aponta que as obras de recuperação da escola sairiam em torno de R$ 32 mil, enquanto a Smed estaria investindo R$ 30 mil para adequar o Centro Esportivo e atender os alunos provisoriamente.  

– Por que não aproveitar as férias e utilizar esses recursos para reformar o prédio que fica na área rural e caso não fique pronta até o retorno das aulas, manter os alunos no salão paroquial de São João da 4ª Légua – questiona Uez.  

“A Smed não escuta a comunidade” 

A promotora Simone Martini ressalta que encaminhou um parecer ao prefeito Daniel Guerra (PRB). Ela recomenda que os alunos não sejam remanejados para o Centro de Eventos. Contudo, a promotora só se manifestará sobre o assunto após o prefeito tomar conhecimento da recomendação. A transferência ocorre por determinação da Secretaria Municipal de Educação (Smed). 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 11/07/2019. Orçamento aponta que reforma da Escola Municipal da Ensino Fundamental Professora Arlinda Lauer Manfro custaria o mesmo valor que a adequação do Centro Esportivo em campo de futebol de Galópolis. (Porthus Junior/Agência RBS)
Centro de Eventos passa por reformas para receber estudantes da escola Arlinda Manfro em Galópolis Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

A justificativa é de que o prédio de madeira está sem condições de uso e uma sala de aula foi interditada em 4 de junho, porque o assoalho está cedendo. O assunto chegou à Promotoria Regional de Educação, vinculada à sede do Ministério Público de Caxias, que solicitou esclarecimento à Smed sobre a reforma e o local para onde as crianças serão transferidas. 

O MP foi procurado pelos pais que estão receosos e insatisfeitos com o remanejamento das crianças da área rural para um ponto mais central de Galópolis, uma vez que há pelos menos dois espaços na comunidade de São João que podem servir como escola provisória: o salão paroquial e a escola Felipe Camarão, fechada em 2017 porque só contava com quatro alunos.

Local precário

A presidente do Conselho, Glaucia Helena Gomes, ressalta que o Centro de Eventos não é o local mais apropriado para receber os alunos: 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 11/07/2019. Orçamento aponta que reforma da Escola Municipal da Ensino Fundamental Professora Arlinda Lauer Manfro custaria o mesmo valor que a adequação do Centro Esportivo em campo de futebol de Galópolis. (Porthus Junior/Agência RBS)
Local não têm condições de abrigar as crianças, mesmo depois de receber as obras, aponta parecer do Conselho Municipal de Educação Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

– O local não têm condições de abrigar as crianças, mesmo depois de receber as obras. O centro fica na encosta de um morro, em um terreno acidentado, e tem uma vertente de água que empoça na parede atrás do prédio, o que provoca umidade. Os alunos terão aula de manhã e o sol só chega no espaço à tarde. A umidade soma-se a pouca luz, o que comprova que não há a mínima condição dos estudantes terem aula neste prédio – justifica. 

O presidente da Comissão de Educação, Edson da Rosa,  questiona  o fato da Smed não ouvir a comunidade. Ele aponta que o MP e o Conselho de Educação são contrários ao local indicado pela secretaria. 

O prédio é usado para confraternizações, junto a um campo de futebol e não tem estrutura apropriada para aulas. Os pais e a comunidade estão à disposição para ajudar. Mas não estão sendo ouvidos pela prefeitura – reclama o presidente da Comissão.

O QUE DIZ A SMED 

De acordo com a secretaria de Educação, apenas uma reforma não atenderia todas as demandas da vigilância sanitária, Conselho Municipal de Educação e bombeiros, e a escola continuaria inadequada, de acordo com a legislação. Por isso a Smed não orçou uma reforma, somente a construção de uma nova escola. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 05/06/2019. Alunos da Escola Municipal Professora Arlinda Lauer Manfro estão tendo aula em capela mortuária  na localidade de São João da 4ª Légua, em Galópolis. A transferência é por causa da necessidade de uma reforma no prédio do colégio. (Porthus Junior/Agência RBS)
De acordo com o município, reforma não atenderia à legislação, por isso, a Smed não orçou reparos, apenas a construção de uma nova escola Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

A secretaria também afirma que não recebeu do Conselho Municipal de Educação nenhum laudo referente à insalubridade realizado por técnico especializado. Ainda conforme a secretária da Educação, Marina Matiello, todas as adequações necessárias no Centro de Esporte já vêm sendo feitas pelo setor técnico da Smed, a fim de qualificar o ambiente. A posição solar é semelhante àquela do atual prédio da escola. 

Entenda o caso 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 05/06/2019. Alunos da Escola Municipal Professora Arlinda Lauer Manfro estão tendo aula em capela mortuária  na localidade de São João da 4ª Légua, em Galópolis. A transferência é por causa da necessidade de uma reforma no prédio do colégio. (Porthus Junior/Agência RBS)
Atualmente, 17 estudantes do 4° e 5° ano estudam , provisoriamente, na capela mortuária, junto à Igreja de São João da 4º LéguaFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

De 5 de junho até o dia 15 de julho, 17 alunos do 4° e 5° ano  estão estudando, provisoriamente, em uma sala onde funcionava a capela mortuária, ao lado da Igreja de São João da 4º Légua. No retorno às aulas, em agosto, os alunos devem passar  a estudar no prédio  do  Centro de Eventos da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Smel), na área central de Galópolis. 

Leia também
Prefeitura de Caxias dá prazo até esta sexta-feira para Visate consertar 65 ônibus
Entenda como funciona o Cadastro Positivo, sistema que afeta todos os consumidores brasileiros
Moradora de São Francisco de Paula é a segunda vítima de morte por Gripe A na Serra neste ano



 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros