Projeto Viver Maria acolhe e encaminha mulheres agredidas em Caxias - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Violência doméstica30/07/2019 | 20h20Atualizada em 30/07/2019 | 20h20

Projeto Viver Maria acolhe e encaminha mulheres agredidas em Caxias

Página na internet já tem mais de 1,4 mil seguidores. É o primeiro serviço privado da cidade

Projeto Viver Maria acolhe e encaminha mulheres agredidas em Caxias Marcelo Casagrande/Agencia RBS
A advogada parceira do projeto, Rosangela Nunes Neto, e a fundadora Elisandra Andréia de Paula Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Criado em 2017, o projeto Viver Maria nasceu da necessidade de um serviço privado, diferenciado e sigiloso, focado nas necessidades das mulheres que sofreram agressões e que precisam de auxílio para resolver seus conflitos. É o primeiro da região. 

Leia mais:
Nove mulheres por dia são agredidas em Caxias do Sul  
Como Maria, agredida por sete anos em Caxias, conseguiu reagir

A fundadora do projeto, Elisandra Andréia de Paula,  trabalhou por 11 anos no Centro de Referência de Atendimento à Mulher, em Caxias, e coordenou o de Gramado por um ano e meio. Dos anos de trabalho trouxe a experiência para fundar o projeto. 

Cerca de 70% das vítimas de violência não entram na Delegacia da Mulher por medo, vergonha ou insegurança. É nessa lacuna que entra o trabalho do Viver Maria.

– Pretendemos alcançar o maior número de “Marias”  e auxiliá-las a romper a barreira da violência sofrida. 

O trabalho não é gratuito, mas assegura todo o acompanhamento para que a vítima se sinta segura e não seja exposta. 

Funciona assim: as mulheres procurar pela página Maria Viver ou pelo telefone e agendar um horário. Podem (ou não) relatar seus conflitos (sociais e jurídicos), para fortalecerem outras mulheres a procurarem ajuda. 

O projeto conta com uma equipe capacitada de profissionais e parceiros, que envolve psicólogos, terapeutas, advogados, assistentes sociais e conciliadores, que assessoram  a vítima, prestando todo suporte necessário do início ao fim de sua demanda. Inclusive para registrar o BO. Tudo no mais completo sigilo. As reuniões acontecem em locais discretos.

– O objetivo do projeto é mostrar que as mulheres não estão sozinhas. Estamos aqui para ajudar – destaca a advogada parceira do projeto,  Rosangela Nunes Neto.

O grupo de trabalho também oferece palestras e rodas de conversa gratuitos. O agendamento pode ser feito pela página Viver Maria ou pelo fone (54) 9 8135.0434.

Leia também:  
Homem é condenado a 18 anos de prisão por matar ex-namorada a marteladas em Caxias do Sul


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros