Leia o artigo "Privatização total é um equívoco", de Jeronimo Molina - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Seção do leitor18/07/2019 | 06h00Atualizada em 18/07/2019 | 07h37

Leia o artigo "Privatização total é um equívoco", de Jeronimo Molina

Texto foi publicado na edição do Pioneiro desta quinta-feira

Leia o artigo "Privatização total é um equívoco", de Jeronimo Molina Luan Zuchi/
Foto: Luan Zuchi

*Jeronimo Molina é especialista em Gestão Pública, Professor de Administração

Nos últimos anos, com o renascimento do pensamento liberal e conservador em nosso país, surgiu o célebre jargão “privatiza tudo”. Por mais que esteja em etimologia tal expressão correta, visto que o Estado brasileiro toma conta de praticamente cada aspecto da vida cotidiana, essa expressão é um pouco exagerada. Existem setores onde seus efeitos sobre a sociedade, quando privados, seriam nefastos.

O economista Milton Friedman em seu livro “Capitalismo e Liberdade”, afirma que existem em setores onde a troca voluntária é impossível ou ocorrem impeditivos técnicos, impossibilitando a ação do mercado. Como solução nesses setores existem três alternativas: monopólios privados, monopólios públicos ou regulação estatal. Vale ressaltar que todas três alternativas são escolhidas pelo crivo do menos pior e não por suas virtudes.

Leia mais
Confira outras publicações do Espaço do Leitor   

Desse modo a pior delas é a regulação estatal, pois determina como as empresas devem operar, regiões de operação e preços a serem praticados, impedindo a concorrência de fato.

Isso deturpa o mercado, pois os consumidores acreditam na possibilidade de uma concorrência que não existe, gerando uma oligarquia.

Como menos ruim, está o monopólio privado, onde existe somente um jogador no mercado, e este pode estabelecer os preços ao bel prazer. Sem regras para impedir seu alcance essa empresa pode influenciar toda a sociedade encarecendo os preços e deturpando a liberdade de escolha, tornado o cliente passa ser um mero usuário, sem poder de barganha.

No final da fila está o monopólio público, onde o Estado presta serviços para a população por meio de compra desses. Segue como menor dos males pois a cobrança existirá, mesmo tratando seus clientes de usuários. Quando ocorrem aumentos abusivos o cidadão pode protestar contra o Poder Público, detentor do monopólio.

De todo modo existem setores onde é possível a troca voluntária. Nestes casos as privatizações não somente são necessárias como imperativas, visto que possibilitam a sociedade atuar no mercado de forma direta, sem intermediários. Entretanto, a privatização irrestrita, sem considerar os prós e contras, de acordo com os princípios da liberdade e as circunstâncias apresentadas, é o pior erro que um gestor público pode cometer.

Leia também
Câmara de Caxias decide nesta quinta se arquiva caso do "corretivo" 
Trabalhadores do comércio na Serra terão salários corrigidos pela inflação
VÍDEO: Polícia intercepta carregamento de maconha que seguia para Canela

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros