Leia o artigo "Nada substitui a comunidade", de Carlos Ritter - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Seção do leitor29/07/2019 | 06h00Atualizada em 29/07/2019 | 06h00

Leia o artigo "Nada substitui a comunidade", de Carlos Ritter

Texto foi publicado no Pioneiro desta segunda-feira

Leia o artigo "Nada substitui a comunidade", de Carlos Ritter Luan Zuchi/
Foto: Luan Zuchi

* Carlos Ritter é médico

Domingo, sete horas da manhã. Barulhos estranhos, como bombas, estalidos e coisas caindo. A comunidade acorda sobressaltada e pergunta: “O que está acontecendo?”. Logo sabemos, já que moramos a trinta metros do local onde tudo ocorre: o Mercado Camassola está pegando fogo.

As pessoas começam a chegar. Chambres, pantufas, cabelos em desalinho e algo em comum: a expressão. Surpresa, horror e, principalmente, compaixão. Logo veem o dono, a esposa, os familiares e os funcionários que se misturam aos vizinhos, incrédulos, sem nada poder fazer. O fogo é voraz e tudo consome, em minutos, talvez segundos. O que sobra é o olhar, o abraço, as palavras agora vazias, sem sentido e inócuas. Um extintor de incêndio vazio, vermelho como deve ser, permanece a frente do mercado, testemunha que foi do que ocorreu, porém, mudo, como todos que ali estão.

Leia mais
Confira outras publicações do Espaço do Leitor   
"É triste ver assim, vai fazer falta", lamenta cliente de mercado destruído por incêndio em Caxias
Incêndio destrói mercado em Caxias

Os que têm casa ao lado ficam em pânico. Suas casas correm risco de queimar, de desaparecer. Uma sirene é ouvida. Alívio geral, pois pelo menos alguns serão poupados do que poderia ser bem pior, pois chegam os bombeiros. Como um balé, a coreografia começa, com leveza e ensaio perfeito, contrastando com o peso do que está ocorrendo. Assumem o protagonismo do momento fatídico exprimindo que tenhamos fé que eles farão o possível e até o impossível. 

E assim é o roteiro do que foi, sei lá porquê, por Deus estipulado: tudo queimou, as casas ao lado ficaram ilesas e as pessoas, como eu, pensando muito. O que pensei? 

Ora, pensei que nada substitui a comunidade e sua compaixão. Nestes momentos percebemos que não precisamos de pessoas que só pensam em si e em suas vidas. Nem naquelas que tiram vantagens das desgraças que ocorrem com as pessoas. Temos que pensar antes, em prevenção, em cordialidade e harmonia. Depois, o que sobra é a compaixão e a comunidade. O abraço e a memória do extintor jogado na frente do mercado, “ alguém tentou que não fosse assim”. Isso vale ouro e crença de que esta vida vale a pena.

 Compartilhe suas opiniões com o Pioneiro. Você pode enviar cartas com até 200 caracteres ou artigos com até 2.100 caracteres para o e-mail leitor@pioneiro.com. Não esqueça de enviar seu nome completo, profissão, endereço, telefone e número do CPF. Os textos estão sujeitos a edição. 

Leia também
Carlos Barbosa está na lista das 20 cidades mais felizes do Brasil
Acidente na Perimetral interrompe o trânsito, em uma das principais vias de Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros