Ariel Fedrizzi: "uma das profissões mais empáticas" - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Seção do leitor09/07/2019 | 06h00Atualizada em 09/07/2019 | 06h00

Ariel Fedrizzi: "uma das profissões mais empáticas"

Texto foi publicado no Pioneiro desta terça-feira

Uma das profissões que mais chama minha atenção é a do padeiro.

Foto: Luan Zuchi

*Ariel Fedrizzi é professor de inglês.

A figura do homem que acorda antes do mundo para poder preparar o pãozinho fresco é linda. A perspectiva de colocar de lado o próprio sono – que, bem sabemos, jamais será recuperado da mesma forma, porque dormir de dia não proporciona o mesmo descanso – para fazer com que o dia dos outros comece bem é um ato de empatia.

Ver a lua deixar os céus e o sol dar as caras no horizonte, ouvir os primeiros ruídos da manhã, presenciar a humanidade em seu momento mais vulnerável e mais natural, e ainda assim viver com humildade, são coisas que tornam os padeiros pessoas de bem, almas caridosas.

Leia mais
Confira outras publicações do Espaço do Leitor 

Abastecem o mundo em humilde silêncio, sem cobrar fama ou grandes doses de poder.

Assim como o ourives, que lapida a pedra bruta até transformá-la no diamante que tanto vemos na TV, o padeiro dá forma à massa. Seus instrumentos são os olhos, as mãos, o rolo, mas a minúcia com que afofa e estica e dobra é semelhante à do garimpeiro em busca do minério, do cobrador de falta partindo para a bola, do músico compondo sua próxima obra-prima.

O padeiro compõe obras-primas todas as manhãs. Sob a aurora do dia (e desde muito antes dela, na verdade), ele se conecta com seus antepassados e reproduz o que eles um dia fizeram. Através de mágica, o processo de fazer o pão revisita a história.

Depois de terminar sua benevolente missão, o padeiro abre as portas para levar sua invenção para o mundo: abre as portas do forno, abre as portas do carro, abre as portas das padarias. 

E quando as pessoas normais lá chegam, algum tempo depois, com o sol já despontando no alto, são recebidas pelo aroma-frescor do pão. São acordadas repetidas vezes com o cheiro que entra pelas narinas, agraciadas com um despertar de amor.

Então elas compram o pão, levam para suas casas e repassam o carinho de colocá-lo à mesa e dar um beijo úmido na bochecha dos filhos e pais para acordá-los também.

Nunca veem o padeiro, tampouco pensam sobre ele – mas esta é só mais uma peculiaridade de um trabalho tão singular. Os grandes heróis nunca precisaram mostrar nada para ninguém. Salvam a humanidade em silêncio e constantemente, e muitas vezes precisam ouvir dos próprios defendidos que nunca houve risco.

De certa forma, é mais ou menos o que acontece.

Leia também
Circuito Dandô apresenta sucessos da viola caipira nesta terça, em Caxias do Sul
O retorno público de Jaime Andreazza após acidente em obra de seu novo supermercado
Confira o desempenho das empresas da Serra de capital aberto neste ano

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros