Para Polícia Civil, não há responsáveis pela explosão em prédio de Farroupilha - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Investigação07/05/2019 | 16h24Atualizada em 07/05/2019 | 18h44

Para Polícia Civil, não há responsáveis pela explosão em prédio de Farroupilha

Inquérito foi encaminhado na tarde desta terça-feira à Justiça sem indiciamento

Para Polícia Civil, não há responsáveis pela explosão em prédio de Farroupilha Antonio Valiente/Agencia RBS
A sacada da sala e da suite do 302 demonstram a destruição causada pela explosão do dia 24 de dezembro Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

O delegado Rodrigo Veiga Morale, titular da Delegacia de Polícia de Farroupilha, encaminhou na tarde desta terça-feira à Justiça o inquérito sobre a explosão seguida de incêndio no Edifício Veneto ocorrida em dezembro do ano passado naquele município. Segundo o delegado, não foi possível apontar responsáveis pelo que aconteceu. Com isso, o caso foi remetido sem indiciamentos.

Leia mais
Empresa avalia quais reformas são necessárias em prédio atingido por explosão em Farroupilha
Salas comerciais reabrem em prédio atingido por explosão em Farroupilha há uma semana
Bombeiros não têm escada Magirus em operação na Serra
"O carro não interessa, o que vale é a vida", diz dono de Corolla destruído por escombros
Vídeo: Confira o momento em que apartamento explode em Farroupilha   

Ainda conforme Morale, um dos fatores que basearam a conclusão foi o laudo do Instituto-Geral de Perícias (IGP) de Caxias do Sul. Os peritos avaliaram o apartamento 302 onde a explosão ocorreu, dando início ao fogo, e determinaram que a origem foi um vazamento de gás de cozinha e que a ignição se deu pelo acionamento do interruptor de luz da peça. Porém, não conseguiram apontar a origem do vazamento, se do sistema de gás central ou se de botijões de gás que a moradora mantinha no interior do imóvel.

Assim que receber o caso, o Ministério Público pode pedir o arquivamento ou solicitar mais diligências, ou seja, mais informações, provas ou depoimentos. Uma das últimas pessoas a ser ouvida foi a moradora do apartamento, Maria Ana Zanetti Mutzenberg, de 68 anos, quando ainda estava internada no Hospital Unimed, na semana passada. Ela teve queimaduras em 90% do corpo e, desde a última quinta-feira, se recupera na casa da filha Andreia Mutzenberg Cenci. Ela recebe atendimento domiciliar de equipe do hospital nas áreas de enfermagem para troca diária de curativos, fisioterapia para retomar os movimentos e nutrição, já que ficou muito tempo entubada. Foram 127 dias de internação, cerca de 90 deles na UTI.

Na última quinta, ao voltar ao Edifício Veneto – Andreia mora em outro apartamento no mesmo prédio – a filha conta que dona Maria Ana sentiu pânico de ter que retornar para aquele mesmo ambiente. Abalada, ela não quis falar com a reportagem. Segundo Andreia, a mãe fala com dificuldade, se desloca por meio de uma cadeira de rodas e recebe alimentação em função de limitação de movimentos dos braços e mãos. Ela passou por diversas cirurgias para colocação de enxertos nas áreas queimadas e terá uma reavaliação em 15 dias para apontar a necessidade ou não de novos procedimentos.

Na manhã do dia 24 de dezembro de 2018, Maria Ana, chegou a cozinha, acionou o interruptor de luz, o que, segundo especialistas na área, deu ignição à explosão já que havia gás no ambiente. Após a explosão, seguiu-se um incêndio. A moradora conseguiu deixar o apartamento e o prédio, que fica na Avenida Independência, e, por conta própria, buscou socorro no hospital São Carlos. Chegou caminhando, consciente. Falou com a filha Andreia e perguntou como ela e os netos estavam.

– Ela lembra da hora em que levantou e acendeu a luz da cozinha. É a parte que ela lembra até o momento da explosão. A partir dali, ela não lembra de nada. Por ela ser muito religiosa, ela aceitou essa força de todo mundo, pessoas que fizeram orações por ela, e conseguiu dar a volta. Ela tem muito ânimo de querer viver, continuar aqui, de ter muita coisa para fazer ainda. Ela chegou em casa na quinta-feira e deu pânico de estar voltando para aquele ambiente. Ela achou que não teria força de entrar e de ficar ali, mas já conseguiu superar isso – relatou Andreia.

Durante esse tempo, Andreia conta que o pai e marido de dona Maria Ana, Romeu Mutzenberg, voltou a tocar a fruteira do casal. A família ainda não sabe se retornará ao apartamento, cuja reforma começou na semana passada e deve ser concluída em 90 dias. O imóvel era segurado pelo condomínio e pelo financiamento feito pela família para compra junto à Caixa Econômica Federal.

– Entramos lá (no apartamento) e não conseguimos acreditar no que vemos... em como ela conseguiu sair e estar em casa de volta. Não conseguimos entender – pondera Andreia.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros