Prefeitura de Caxias suspende concorrência para ocupação de bancas fora da Praça Dante Alighieri - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Após liminar10/04/2019 | 14h56Atualizada em 10/04/2019 | 14h56

Prefeitura de Caxias suspende concorrência para ocupação de bancas fora da Praça Dante Alighieri

Três espaços na área central da cidade seriam destinados a novos concessionários após saída dos atuais

Prefeitura de Caxias suspende concorrência para ocupação de bancas fora da Praça Dante Alighieri André Fiedler/Agência RBS
Banca da Ana,que funciona na praça há mais de 50 anos, foi uma das notificadas a deixar o espaço Foto: André Fiedler / Agência RBS

A concorrência pública que seria realizada para selecionar novos permissionários de três bancas de revistas está suspensa pela prefeitura de Caxias do Sul. A decisão foi tomada após os atuais ocupantes dos espaços entrarem com uma ação na Justiça, juntamente com a proprietária de uma das bancas da Praça Dante Alighieri.

Leia mais:
Liminar suspende retirada de bancas na Praça Dante Alighieri, em Caxias
Bancas de revistas da praça Dante Alighieri, em Caxias, ganham mais tempo para desocupar espaços
Faz sentido retirar as bancas da Praça Dante Alighieri, em Caxias?
Praça Dante Alighieri, em Caxias, ganhará carregadores de celular e bancas de jornais serão retiradas
Praça Dante Alighieri, em Caxias, será fechada parcialmente para revitalização no segundo semestre
Praça Dante sofreu diversas mudanças ao longo do século 20, em Caxias do Sul
Prefeitura de Caxias lança consulta online a respeito de três praças da área central 

Em 28 de fevereiro, o município notificou os estabelecimentos a deixarem os quiosques em 30 dias sob a alegação de irregularidades. A intenção era demolir os espaço da praça, mas abrir concorrência para concessão dos demais. O grupo entrou com um recurso administrativo contra a decisão, que acabou negado pela prefeitura e agora pede mais tempo para a desocupação.

O processo foi protocolado por volta das 16h30min desta terça-feira (9), pouco mais de uma hora após os donos das revistarias serem avisados de que precisariam liberar os espaços até as 6h desta quarta-feira (10). Quem não cumprisse a determinação teria o material retirado e encaminhado a um depósito da Secretaria de Habitação. A decisão da juíza Maria Aline Vieira da Fonseca, da 2ª Vara Cível Especializada em Fazenda Pública, impedindo a ação do município saiu por volta das 18h30min, quando alguns proprietários já encaixotavam a mercadoria. Uma quinta banca, que participou do recurso administrativo, não fez parte da ação e está fechada nesta quarta. Ela fica na Praça Dante, junto à Avenida Júlio de Castilhos.

Conforme a secretária do Urbanismo, Mirângela Rossi, a decisão de suspender a concorrência ocorreu após as bancas que ficam na Praça João Pessoa, na Rua Marechal Floriano e na Rua Alfredo Chaves se unirem às da Dante para entrarem com os recursos. Caso o município reverta a decisão, os espaços vão ficar fechados até que uma decisão definitiva seja tomada.

— No momento em que os cinco atuam da mesma maneira, não podemos tratar de formas diferentes — afirma.

Mirângela também descarta alterações no projeto de revitalização da Praça Dante, que não contempla a venda de revistas. Segundo ela, o município vai recorrer da liminar, mas os próximos passos serão definidos até o fim da semana.

— Em primeiro lugar, dois estabelecimentos fazendo a mesma coisa no mesmo lugar é desnecessário. Em segundo lugar, eles estão irregulares. E em terceiro lugar, temos projeto para outro tipo de uso da praça. A questão não é ser contra ou a favor. É uma irregularidade que vem de muitos anos. Estamos estudando a ocupação dos espaços públicos desde 2017. Fizemos uma avaliação de todas as licenças para usos de espaços públicos da cidade e descobrimos uma série de irregularidades — afirma.

Os donos das revistarias questionam as alegações da prefeitura de que não estão de acordo com a lei. Ana Maria Brustolin Furlan, proprietária da Banca da Ana, por exemplo, afirma que precisa renovar o alvará anualmente. Mirângela, porém, diz que o alvará não é válido desde 1988 e que o documento não é emitido para espaços públicos.

No entendimento do advogado Adir Ubaldo Rech, que representa as revistarias, o município só pode retirar a mobília e a mercadoria se tiver autorização judicial.

— É uma arbitrariedade notificar às 16h para desocupar às 6h. Eles confundem retomada do espaço público com irregularidades. Retomada se dá de outro jeito — defende.

Além da manutenção das bancas, a liminar determina a realização de uma audiência de conciliação no próximo dia 24, às 16h30min, para tentar um consenso entre os envolvidos. 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros