Decreto de emergência por temporal em Caxias ainda depende de levantamentos - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Não confirmado16/04/2019 | 13h53Atualizada em 16/04/2019 | 13h53

Decreto de emergência por temporal em Caxias ainda depende de levantamentos

Segundo secretário de Segurança Pública, Ederson Cunha, é preciso analisar a gravidade dos danos em cada caso

Decreto de emergência por temporal em Caxias ainda depende de levantamentos Lizie Antonello / Agência RBS/Agência RBS
Município ainda faz levantamento da gravidade dos danos nas casas atingidas Foto: Lizie Antonello / Agência RBS / Agência RBS

O decreto de emergência após o temporal de granizo que atingiu Caxias do Sul no último sábado ainda depende de levantamentos dos danos no município. Embora a Defesa Civil já saiba que pelo menos 523 casas tiveram problemas no telhado, sem contar as propriedades rurais, é preciso avaliar a gravidade de cada caso.

Leia mais
Prefeitura de Caxias vai decretar emergência após temporal
Chuva desta terça-feira agrava situação de moradores com casas destelhadas pelo temporal em Caxias
Defesa Civil contabiliza distribuição de lonas para 500 casas em Caxias do Sul
UBS do bairro Desvio Rizzo, em Caxias, reabre no início da tarde desta segunda 

Conforme o secretário de Segurança Pública e Proteção Social, Ederson Albuquerque Cunha, a estimativa da prefeitura é receber os relatórios com a identificação dos danos em várias áreas da cidade até quinta-feira (18). Somente depois da análise da documentação é que o município vai decidir se, de fato, decreta emergência ou não, o que precisa ocorrer em até 15 dias.

— É uma tendência, mas vai depender da consistência desses relatórios. Não necessariamente destelhou todas as casas. Temos o quantitativo, mas o qualitativo é mais difícil de obtermos. É preciso o qualitativo para ver o que precisa de material de construção — afirma Cunha.

Para que o decreto de emergência se justifique, é preciso que haja comprovação dos danos e informações a respeito do proprietário de cada imóvel. Para que o município receba a ajuda, o Estado e a União precisam homologar o decreto após ele ser publicado.

Na manhã desta segunda-feira (15), o município ainda não cogitava decretar emergência. A hipótese foi considerada apenas à tarde, em uma reunião entre o município, a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros. Segundo Cunha, a elaboração dos relatórios foi alinhada no encontro.

Por volta das 9h desta terça-feira (16), a Secretaria da Habitação havia realizado 50 atendimentos de pessoas que haviam tido a casa danificada no sábado e ainda não haviam sido cadastradas. Parte desses moradores também sofreu com a chuva desta terça.

O decreto de emergência permite a dispensa de licitação na compra de materiais como telhas para distribuição às famílias atingidas. Os produtores rurais também conseguem obter o seguro rural mais facilmente nesses casos. 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros