Abordagem sobre violência sexual é tabu em escolas de Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Caso Naiara21/03/2019 | 11h15

Abordagem sobre violência sexual é tabu em escolas de Caxias do Sul

Em 2018, 111 crimes sexuais foram registrados contra crianças e adolescentes na cidade

Abordagem sobre violência sexual é tabu em escolas de Caxias do Sul Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

A diretora da Escola Municipal Renato João Cesa, onde Naiara Soares Gomes estudava, vê uma preocupação maior dos pais em não deixarem os filhos sozinhos. Segundo Vanessa Reis dos Santos , outra mudança é que crianças do 1º e 2º ano do Ensino Fundamental só podem sair acompanhadas da escola, no bairro São Caetano, em Caxias do Sul. A instituição passou a trabalhar também sobre o tema do autocuidado, com os alunos e os pais, ensinando a não conversar com estranhos e a não deixar outros tocarem o corpo delas. 

No entanto, tratar do tema com os pequenos permanece como um tabu. É o que explica a coordenadora da Comissões Internas de Prevenção de Acidentes e Violência Escolar (Cipave), professora Marivane Carvalho ao indicar que pais costumam se opor à abordagem da violência sexual com crianças. 

Leia mais
"Parece que a vida está normal, mas não está", diz presidente de bairro onde Naiara morava
Funcionários e professores recordam momentos de convivência com Naiara, em Caxias
Homenagem para Naiara desaparece aos poucos em Caxias 
Memorial para menina morta há um ano em Caxias recebe homenagens no Cemitério
Um ano depois da morte de Naiara, mobilização enfraqueceu em Caxias 

—  O que a gente está fazendo um trabalho agora de orientar os pais para fazerem esse trabalho com os filhos. Converse com seu filho. Então, já que muitos não conseguiram (abordar o tema pela Cipave), eles estão fazendo o contrário. Estão fazendo assim: converse com seu filho sobre quem pode tocar no corpo dele, como é corpo dele. Então, está devolvendo para a família para ela trabalhar. Infelizmente, não são todos que trabalham.  

Nesse sentido, psicólogos vão atuar voluntariamente em parceria com a Cipave para orientar os pais sobre o assunto. Para se ter uma ideia, no ano de 2018, 111 crimes sexuais foram registrados em Caxias do Sul contra crianças e adolescentes com menos de 17 anos, segundo a Secretaria de Segurança Pública. Quase metade deles foi contra crianças menores de 12 anos. 

Cipaves vão trabalhar com os pais 

Segundo a coordenadora da Cipave da 4ª Coordenadoria Regional de Educação (4ª CRE), com sede em Caxias do Sul, Marivane Carvalho Rosa, sempre que um acontecimento ou ato de violência impacta a sociedade, como o caso de Naiara, a equipe que trabalha na Cipave aproveita para trabalhar o assunto no ambiente escolar.

— Pensamos bastante, vimos com as escolas como elas estavam trabalhando, propomos algumas ações, mas ainda temos um certo tabu na sociedade. Como trabalhar a questão do abuso sexual? É muito complicado. É muito delicado. Apesar de entendermos que a forma de prevenção é tranquila. Quando trabalhamos a prevenção é como você é naturalmente. Ninguém está instigando a nada. Esta é a função da escola, mostrar a prevenção para o aluno — explica Marivane.

A Cipave foi informada por algumas escolas sobre pais que manifestaram contrariedade diante da abordagem desse assunto nas escolas com os filhos.

— Ninguém está ensinando algo que seja errado. Estamos falando do corpo, o cuidado com o corpo e que esse corpo é da pessoa e ninguém pode tocá-lo. É algo natural e precisa ser tratado de forma natural, não pejorativa. Temos que tratar com seriedade, com zelo — reforçou a coordenadora do programa.

Mas para que o trabalho alcance o resultado desejado, é preciso a participação de todos os atores do processo: aluno, pais e escola. Daí, a importância do entendimento e aceitação por parte dos pais. Por isso, neste ano, a Cipave vai mudar a proposta. A comissão vai trabalhar com os pais, para que eles tenham um olhar mais atento sobre os filhos, cuidem os indicativos dentro de casa. Também haverá atividades e capacitações com os professores para que enxerguem com mais clareza os indícios e também sobre formas de abordar a prevenção com as crianças e adolescentes.

Na prática, serão palestras com rodas de conversa com professores e orientações aos pais sobre que medidas tomar diante do comportamento dos filhos. Para escolas, já é de conhecimento de todos que é dever da instituição comunicar ao Conselho Tutelar caso suspeitos.

 Leia mais
Tribunal de Justiça mantém júri popular no caso Naiara
Autor confesso de estupro e morte de Naiara irá a júri popular em Caxias do Sul
Quem é o homem que confessou ter matado Naiara em Caxias
"A gente não está a favor dele", diz irmã de homem que confessou morte de Naiara
Como a polícia chegou ao suspeito de ter raptado Naiara
Vídeo: O que mostram as câmeras do caminho onde menina desapareceu em Caxias  
Caso Naiara: por que defesa e acusação têm ressalvas diante do júri popular em Caxias
Caso Naiara: as versões da defesa e da acusação no julgamento do autor dos crimes em Caxias  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros