Jovens de 18 anos que deixam abrigos sem ser adotados terão lar provisório a partir de fevereiro - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Solidariedade08/01/2019 | 11h49Atualizada em 08/01/2019 | 13h16

Jovens de 18 anos que deixam abrigos sem ser adotados terão lar provisório a partir de fevereiro

Casa de Acolhida Papa Francisco oferecerá moradia para 15 pessoas, até completarem 21 anos

Jovens de 18 anos que deixam abrigos sem ser adotados terão lar provisório a partir de fevereiro Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

Uma nova esperança para jovens que completam 18 anos e deixam os abrigos sem serem adotados deve ser lançada em fevereiro. É a Casa de Acolhida Papa Francisco que os abrigará até os 21 anos. O espaço, administrado inicialmente pelo projeto Mão Amiga, terá capacidade para até 15 moradores em uma casa no bairro São Caetano. 

A listagem daqueles que residirão na casa está sendo feita por meio de um levantamento junto aos abrigos do município. O espaço receberá homens e mulheres. 

— Com 18 anos, eles não têm uma estrutura emocional e econômica para locar um espaço para residir. Eles se perdem na sociedade. É uma dor vê-los sair dos abrigos sem rumo — explica o frei Jaime Bettega, coordenador do Mão Amiga e que está à frente da causa. 

Segundo o frei, inicialmente, os jovens receberão todo o suporte com gastos de alimentação e despesas da casa. Mas, assim que eles estiverem estabilizados economicamente, os gastos serão partilhados com todos os moradores. 
A intenção é que, durante o dia, os moradores do lar estudem e trabalhem. À noite, uma pessoa auxiliará na administração do espaço. 

— Eles vão assumir as tarefas da casa, lavando a própria roupa e fazendo o que for necessário, inclusive a alimentação. Mas vamos ter voluntários que vão supervisionar o andamento da casa — afirma frei Jaime.

O imóvel que abrigará os novos moradores está passando por reformas. Neste sábado, a casa deve receber um mutirão para pintura das paredes. As equipes são formadas por voluntários que se sensibilizaram com a causa. 

A ideia é que futuramente a Casa de Acolhida Papa Francisco tenha também parceria com o poder público, que pode ceder, por exemplo uma equipe técnica para acompanhar os trabalhos. 

Casa foi doada pela comunidade

O imóvel que receberá a Casa de Acolhida Papa Francisco foi doado ao projeto Mão Amiga pela Associação de Moradores do Bairro (Amob) São Caetano e pelo Clube de Mães da mesma comunidade. Conforme Frei Jaime, o terreno abrigou uma escola de educação infantil que foi desativada. O dono do terreno doou à Amob, mas solicitou que o espaço fosse utilizado para uma causa social. 

— O Clube de Mães e a Associação de Moradores nos procuraram, porque eles estavam com dificuldades com a manutenção do prédio. Por meio de uma assembleia, eles passaram o prédio aos cuidados do Mão Amiga — explica frei Jaime.

Mas para que a casa entre em pleno funcionamento, o projeto Mão Amiga está solicitando a doação de alguns itens. As doações podem ser combinadas com o voluntário Altair Vaiteroski de Lima pelo número (54) 99953-6547 ou com a Lefan, pelo 3220-9580. 

Objetos e eletrodomésticos que estão em falta:
1 fogão de seis bocas
1 botijão de 13kg
1 geladeira
1 freezer
1 panela de pressão 7 litros
1 micro-ondas 
1 forno elétrico 
1 torradeira
1 batedeira
1 liquidificador 
2 máquina de lavar 16Kg
1 secadora de 10kg
1 armário para estoque de alimentos 
1 armário para guardar itens de cozinha 
40 pratos cada (fundos, rasos sobremesa)
40 xícaras
40 copos
40 facas
40 garfos
40 colheres
40 colheres de sobremesa 
5 jarras de 1,5 litros
2 conchas
3 pegadores de massa
5 bacias de plástico grande
5 bacias de plástico média
5 bacias de plástico pequenas
3 formas de inox 3 mesas de oito lugares
40 cadeiras
2 sofás 
2 televisões
4 chuveiros 
4 roupeiros de seis portas
40 cobertores 30 travesseiros

Leia também
Mais de mil mulheres buscaram atendimento no Centro de Referência, em Caxias, em 2018
 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros