Empresa avalia quais reformas são necessárias em prédio atingido por explosão em Farroupilha - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Recuperação02/01/2019 | 19h39Atualizada em 02/01/2019 | 19h39

Empresa avalia quais reformas são necessárias em prédio atingido por explosão em Farroupilha

Dois engenheiros civis e uma arquiteta vão elaborar projeto de reforma do edifício Vêneto

Empresa avalia quais reformas são necessárias em prédio atingido por explosão em Farroupilha Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

A empresa Verona Engenharia, de Farroupilha, começou nesta quarta-feira o levantamento detalhado de quais os reparos e reconstruções precisam ser feitos no edifício Vêneto, atingido por uma explosão seguida de incêndio em função de vazamento de gás no dia 24 de dezembro. O trabalho deve ser concluído entre este final de semana e o início da semana que vem.

Leia mais
Salas comerciais reabrem em prédio atingido por explosão em Farroupilha há uma semana
Bombeiros não têm escada Magirus em operação na Serra
"O carro não interessa, o que vale é a vida", diz dono de Corolla destruído por escombros
Vídeo: Confira o momento em que apartamento explode em Farroupilha 

Segundo o engenheiro Césio Verona, a avaliação é minuciosa. Cada apartamento, sala comercial ou área comum do prédio está sendo verificada novamente por dois engenheiros e uma arquiteta. Os dados servirão de base para a elaboração do projeto de reforma individual (com materiais e orçamento) que será entregue ao condomínio.

– É uma estrutura principal que vai até o forro da sobreloja e a partir desse pavimento é só paredes e lajes. A parte inferior que dá sustentação ao prédio não foi afetada. Afetou acima disso, mas localizado, porque a explosão gera deslocamento de ar, que causa impactos sobre as aberturas e vidros. Estamos analisando apartamento por apartamento para identificar os eventuais danos – explica Verona.

Conforme o engenheiro, a avaliação é visual e apontará desde pequenos reparos até obras maiores, como demolições e reconstruções nos três apartamentos interditados e que tiveram mais danos – o 302, onde ocorreu a explosão, o 202 (abaixo) e o 402 (acima). Depois de pronto o projeto, outra empresa deverá ser contratada para executar a obra. O serviço mais demorado poderá ser feito em cerca de 60 dias a partir do início, segundo avaliação da equipe.

No último sábado, a mesma empresa entregou laudo de avaliação de riscos que resultou na liberação parcial da edificação para moradores e lojistas, na manutenção do isolamento dos três apartamentos mais danificados e de parte das ruas Rui Barbosa e Independência para evitar vibração produzida pelo trânsito, que poderia causar mais danos. Cópia do laudo foi anexada ao Plano de Prevenção Contra Incêndios (PPCI) do imóvel, que tramita no 5º Batalhão de Bombeiro Militar. Outras cópias foram destinadas à prefeitura e ao Ministério Público.

A vítima mais grave do acidente, Maria Ana Zanetti  Mützenberg, 68 anos, permanece internada na UTI do Hospital Unimed. Ela teve queimaduras de segundo grau em 88% do corpo, passou por quatro cirurgias e seguia, nesta quarta, em respiração assistida e sob sedação. Ela também permanece fazendo sessões de hemodiálise. Na manhã desta quinta deve ser submetida a novo procedimento.

Leia também:
Empresa não se apresenta para operar Raio X do aeroporto de Caxias
Mortes no trânsito em Caxias caem 51% em oito anos

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros