Prédio atingido por explosão seguida de incêndio passa por nova perícia na quinta-feira em Farroupilha - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Serra Gaúcha26/12/2018 | 18h14Atualizada em 26/12/2018 | 18h18

Prédio atingido por explosão seguida de incêndio passa por nova perícia na quinta-feira em Farroupilha

Imóveis do entorno não precisaram ser interditados

Prédio atingido por explosão seguida de incêndio passa por nova perícia na quinta-feira em Farroupilha Lucas Amorelli/Agencia RBS
Apartamento foi atingido por incêndio na manhã desta quarta-feira Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

 O Instituto Geral de Perícias (IGP) realiza nesta quinta-feira (27) uma nova análise na estrutura do prédio atingido pelo incêndio seguido por explosão no centro de Farroupilha na manhã de quarta-feira (26). Conforme o diretor do IGP em Caxias do Sul, Airton Kraemer, a perícia permitirá avaliar se os moradores poderão retornar para os apartamentos. O comandante do 5º Batalhão de Bombeiro Militar (5º BBM), tenente-coronel Julimar Fortes Pinheiro, diz que aguardará laudos de engenheiros responsáveis pelo edifício e da prefeitura para desinterditar o prédio.

Leia mais
Provável causa de incêndio em Farroupilha alerta para cuidados com uso de gás de cozinha
Mulher queimada em incêndio em Farroupilha ouviu explosão ao acender a luz do apartamento
Confira o antes e depois do prédio que explodiu em Farroupilha 

 Os imóveis do entorno não foram interditados. Porém, as ruas Independência e Rui Barbosa estão com fluxo interrompido e sem previsão de liberação. Com a explosão, escombros ficaram nas vias. As linhas de ônibus urbanas, que têm como principal ponto de embarque e desembarque a Praça da Matriz, em frente ao apartamento onde aconteceu o incêndio, foram deslocadas para a Praça da Prefeitura. 

O Hospital São Carlos, de Farroupilha, recebeu 14 pacientes. Nenhum deles permanece internado na instituição. Treze foram liberados porque não tiveram ferimentos graves, mas Maria Ana Zanetti, 68 anos, foi transferida para um hospital de Caxias do Sul. A filha dela, Andreia Mutzemberg Cenci, diz que o quadro de saúde de Maria é grave, porque teve mais de 80% do corpo comprometido com as queimaduras. Ela está internada na UTI. 

A principal suspeita para a causa do incêndio é um vazamento de gás

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros