"O carro não interessa, o que vale é a vida", diz dono de Corolla destruído por escombros - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Estragos27/12/2018 | 17h56Atualizada em 27/12/2018 | 17h56

"O carro não interessa, o que vale é a vida", diz dono de Corolla destruído por escombros

Comerciante não tinha seguro do carro atingido por explosão

"O carro não interessa, o que vale é a vida", diz dono de Corolla destruído por escombros Felipe Nyland/Agencia RBS
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Entre os ansiosos moradores dos apartamentos e donos e locatários das salas comerciais do edifício Vêneto, em Farroupilha, está Primo Marmentini. Dono de uma lancheria há 19 anos no térreo do condomínio, o comerciante teve um Corolla destruído por concreto e tijolos na manhã de quarta-feira. Nesta quinta-feira, o homem passou boa parte do dia monitorando o trabalho dos peritos e da empresa responsável pela instalação de palanques de sustentação entre o piso do terceiro andar e o teto do quarto andar, área onde a parede caiu por completo. O carro estava estacionado na frente da lanchonete de Marmentini, na Avenida Independência, e não tinha seguro. O prejuízo incomoda, é claro, mas o comerciante garante estar tranquilo por saber que a amiga Maria Ana Zanetti Mützenberg sobreviveu à explosão e ao incêndio.

 Leia mais
Escombros do edifício que sofreu explosão em Farroupilha são retirados, nesta quinta, com guincho
"Parecia uma cena de guerra", disse moradora do prédio onde houve explosão em Farroupilha
Confira o antes e depois do prédio que explodiu em Farroupilha
PPCI de prédio atingido por explosão e incêndio em Farroupilha está em andamento
Prédio atingido por explosão seguida de incêndio passa por nova perícia na quinta-feira em Farroupilha
Lei estadual permite botijões em prédios com central de gás  

— Eu havia saído para comprar pão para a lancheria e ouvi o estouro, foi muito forte. Quando voltei, meu carro estava assim. Sempre deixei o Corolla ali na frente, não fiz seguro porque não é um carro visado e ficava sempre de olho. Mas a perda do carro não me interessa, o que vale é a vida dela (Maria Ana Zanetti Mützenberg) — resigna-se Marmentini.

Durante o dia todo, moradores e ocupantes das salas comerciais se revezaram em busca de notícias com as equipes que trabalhavam no prédio. Ao lado deles, curiosos acompanharam a movimentação das esquinas e da Praça da Matriz. Parte dos moradores ainda está em viagem e só soube da explosão pelo noticiário, outros chegaram nesta quinta-feira a Farroupilha. Um segurança está de prontidão para impedir o acesso às salas e moradias. A desinterdição do imóvel dependerá de um laudo de engenheiro comprovando que o prédio não oferece riscos de desabamento. 

— Precisamos muito desse laudo para liberar a ocupação segura do prédio. Estamos indo atrás, mas não sabemos quando teremos o documento —adianta o coordenador da Defesa Civil de Farroupilha, Gilberto do Amarante.

Vizinhos de porta de Maria, Edemar Basso, sua esposa e dois filhos acordaram com o estrondo na manhã de quarta-feira. Ao olhar pela janela, Basso viu moradores de outros prédios gritando sobre o desabamento. Imediatamente, ele pegou os filhos e a mulher e abandonou o edifício às pressas. Só conseguiu retornar na tarde de quarta-feira para buscar algumas roupas. Desde então, estão abrigados na casa de parentes em Caxias do Sul, a exemplo das outras famílias.

— Íamos sair de férias hoje (quinta-feira). A intenção era ir para a praia. Mas agora está tudo cancelado — diz Basso.

Leia também:
Pepe Vargas participa da vigília Lula Livre, em Curitiba

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros