Novo projeto de ocupação do Parque do Palácio, em Canela, descarta centro de convenções - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Em busca de consenso11/12/2018 | 12h20Atualizada em 11/12/2018 | 13h35

Novo projeto de ocupação do Parque do Palácio, em Canela, descarta centro de convenções

Proposta será apresentada nesta terça (11) e foi elaborada após prefeitura dar prazo de três meses para a criação de alternativas de uso do espaço

Novo projeto de ocupação do Parque do Palácio, em Canela, descarta centro de convenções Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Estado cedeu área ao município em 2010 Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Os debates em torno da ocupação do Parque do Palácio, em Canela, que se arrastam desde o início do ano, devem ganhar um novo desdobramento a partir desta terça-feira (11) com a apresentação de um novo projeto. A proposta foi elaborada pela Associação Amigos do Parque do Palácio, após o prefeito, Constantino Orsolin (PMDB), determinar um período de três meses para a criação de uma solução alternativa à concessão da área, que era defendida pelo município. Os detalhes do novo projeto serão apresentados às 19h30min na Câmara de Vereadores.

Leia mais
Prefeitura de Canela retira da Câmara projeto de concessão à iniciativa privada do Parque do Palácio
Alternativas para Parque do Palácio, em Canela, devem ser encaminhadas em três meses
Prefeitura de Canela diz que pretende conceder, no máximo, dois hectares do Parque do Palácio

Prefeitura de Canela planeja conceder Parque do Palácio à iniciativa privada
Associação contrária a centro de eventos em parque de Canela diz que interesse coletivo deve prevalecer

De acordo com Sônia Guimarães, integrante da associação, 10 pessoas, incluindo arquitetos e antropólogos, trabalharam no projeto, que ela define como inovador.

— Vamos ter um parque ecológico, com atrações, mas com função social, oferecendo cursos de capacitação. O resultado final do projeto é que o parque vai se transformar num grande centro de eventos. Muita coisa vai acontecer ali, sejam atividades esportivas ou culturais. O parque terá gestão compartilhada, envolvendo prefeitura, empresas apoiadoras e a Associação Amigos do Parque do Palácio — explica Sônia.

Embora não adiante os detalhes, a integrante da associação afirma que não há previsão de centro de convenções na nova proposta.

— Tem que ser em outro lugar, com estacionamento. É uma área grande, que se fosse ocorrer dentro do parque iria simplesmente acabar com ele — sentencia.

Relembre o caso

A polêmica teve início após a prefeitura realizar, em fevereiro, uma licitação para conceder a área, que fica no entorno do Solar das Hortênsias, residência de verão do governo do Estado. A proposta era que empresa vencedora construísse e administrasse um centro de convenções no espaço, em troca da manutenção do parque para uso público. A implantação do centro de convenções foi uma condição do governo do Estado para repassar a área ao município em 2010.

A associação, no entanto, foi contrária à concessão por entender que a exploração privada geraria riscos à preservação do espaço, que conta com araucárias e vegetação típica dos Campos de Cima da Serra. Em agosto, um abaixo-assinado e uma campanha chegaram a ser realizadas para impedir a medida. Diante da repercussão, a votação do projeto de lei que autorizava a concessão foi adiado de 9 de julho para 13 de agosto. Três dias antes da sessão que analisaria o texto, porém, o município retirou a proposta, e a prefeitura deu prazo de três dias para que a comunidade apresentasse um novo projeto de ocupação.

Leia também
Visate sugere passagem em Caxias do Sul a R$ 4,46
Mesmo com homologação de decretos de emergência, municípios da Serra não recebem recursos

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros