No passado, lideranças promoviam conflitos violentos pelo poder em Caxias - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Raízes da violência18/12/2018 | 14h15Atualizada em 18/12/2018 | 14h15

No passado, lideranças promoviam conflitos violentos pelo poder em Caxias

Disputa entre igreja e maçonaria eclodiu em 1897

No passado, lideranças promoviam conflitos violentos pelo poder em Caxias reprodução/Livro a História de Caxias do Sul de João Spadari Adami
Padre Pedro Nosadini foi espancado e escapou de ser executado por rivais em Caxias Foto: reprodução / Livro a História de Caxias do Sul de João Spadari Adami

Caxias do Sul parecia tranquila e não registrava um grande quantidade de crimes no final do século 19. Mas não era uma comunidade pacífica, pois ocorriam crimes frequentes e até mesmo as lideranças estavam envolvidas em confusões grandiosas. Uma delas marcou a conturbada formação da cidade. A chegada do padre italiano Pedro Nosadini, em 1896, deu início a uma série de conflitos entre a Igreja Católica e o governo municipal composto por integrantes da maçonaria. 

A corrente ultracatólica defendia a prioridade da igreja em tudo e fazia críticas aos administradores públicos locais especialmente pelo envolvimento com a maçonaria . Conforme historiadores, Nosadini se tornou um líder e uniu os católicos, o que provocou grande desconforto na intendência. 

A tensão entre as lideranças culminou num atentado contra o religioso em 1897. A casa paroquial, atualmente conhecida como Catedral Diocesana, foi invadida por um bando armado. Nosadini foi espancado e levado para longe da vila, onde havia sido sentenciado à morte, mas acabou poupado e expulso da comunidade. Ele voltaria meses depois com o aval do presidente do Estado, Júlio de Castilhos, após a intervenção do bispo do Rio Grande do Sul. 

A paz durou pouco e os conflitos continuaram entre o padre e o intendente José Cândido de Campos Júnior. Os rivais inclusive usavam dois jornais para tecer acusações e versões. O Caxiense atendia aos interesses republicanos, no caso, a intendência. O Il Colono Italiano, fundado por Nosadini, se dizia representante dos imigrantes e era escrito em italiano, mas tinha o objetivo de fortalecer a influência da Igreja na cidade. Numa história nunca comprovada, Campos afirmava ter escapado de um atentado a tiros cometido por apoiadores do padre. Após muita pressão, o padre foi removido de Caxias em 1898 e voltou para Itália. 

 Leia mais sobre a série Raízes da Violência
História mostra que a polícia sempre foi refém da falta de recursos e de efetivo em Caxias do Sul
O que o primeiro grande crime da história de Caxias do Sul diz sobre a violência atual
A difícil relação entre autoridades e imigrantes nos primórdios de Caxias do Sul
Morte de italiano é um dos primeiros assassinatos insolúveis de Caxias do Sul 

Desarmamento no tempo antigo

A polêmica em torno do Estatuto do Desarmamento parece atual, mas já era tema discutido no passado. Com fim da Revolução Federalista em 1894, não houve recolhimento ou entrega espontânea de espingardas ou revólveres, embora o Código Penal da época proibisse o uso para quem não fosse militar ou policial. Logo, homens circulavam armados especialmente na zona rural e não havia muitos guardas ou as chamadas blitze para identificar os infratores.

— As pessoas andavam extremamente armadas  — conta o historiador e oficial da reserva da Brigada Militar Manoelito Savaris.

Mas se não ocorriam crimes como assaltos, por que os moradores de Caxias precisavam se proteger?

— O colono tinha a arma para proteger sua terra, sua propriedade — complementa a socióloga e historiadora Vania Herédia.

Embora parecesse normal e fossem usadas também para a caça, as armas estimulavam os rompantes de macheza e os acertos de contas entre rivais. Na esteira, ocorriam tragédias familiares, o que começava a atemorizar as pessoas. Em abril 1904, uma menina de cinco anos morreu com um tiro ao manusear a espingarda deixada pelo pai atrás de uma porta. Na mesma notícia, o semanário O 14 de Julho chamou a atenção para os inúmeros casos parecidos que ocorriam na região.

Em janeiro de 1910, o delegado de Polícia, Francisco Januário Salerno, publicou um edital no jornal O Brazil alertando para a proibição do uso de armas de fogo sem licença expressa. A desobediência resultaria em prisão. O próprio Salerno usava a determinação com conhecimento de causa, afinal havia liderado a revolta armada dos colonos em 1891. Onze meses depois, o novo delegado de polícia reiterou novamente a lei e o armamento já era usado de forma discreta, sem ostentação. 

A legislação que regulamentaria ainda mais a fabricação e o uso de armas no Brasil só seria promulgada 20 anos depois no governo de Getúlio Vargas. As medidas, porém, não seriam suficientes para impedir contendas, duelos e vinganças. Pelo contrário, o suposto controle das autoridades sobre o comportamento da população seria testado ao longo do tempo com muitos tiros e vidas perdidas.

x
Preocupada com a grande quantidade de armas em circulação, polícia alertava população sobre desarmamento em 1910Foto: Reprodução / Jornal O Brazil - dezembro de 1910


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros