Laboratório de Pesquisa em HIV em Caxias estuda vírus em gestantes de todo Estado - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Mês de Luta Contra a Aids06/12/2018 | 09h00Atualizada em 06/12/2018 | 16h27

Laboratório de Pesquisa em HIV em Caxias estuda vírus em gestantes de todo Estado

Conheça estudos desenvolvidos no laboratório que é referência no país

Laboratório de Pesquisa em HIV em Caxias estuda vírus em gestantes de todo Estado Claudia Velho/Divulgação
Foto: Claudia Velho / Divulgação

Importante espaço de descobertas sobre a doença, o Laboratório de Pesquisa em HIV/Aids da Universidade de Caxias do Sul (UCS) é responsável por fomentar no país estatísticas sobre o avanço da doença e características dos públicos que contraem e convivem com o vírus. A partir do próximo ano, com a possível ampliação, o laboratório deve aprofundar pesquisas desenvolvidas em parceria com universidades, instituições governamentais, privadas e agências nacionais e internacionais. Desde a inauguração da unidade, em 2002, a equipe já conduziu 23 projetos de pesquisa, envolvendo mais de 100 mil participantes.

 Leia mais
"Não fiquei chocada": conheça histórias de pacientes que vivem com HIV em Caxias
Medicação destinada a evitar a contaminação do HIV começará a ser distribuída em Caxias
"40% das pessoas que têm o vírus HIV não foram diagnosticadas", alerta diretor de entidade mundial 

— Um dos diferenciais dele é que pacientes que participam dos projetos têm acesso a novos esquemas terapêuticos, medicamentos e métodos diagnósticos antes que estejam disponíveis na rede privada ou pública — defende Rosa Dea Sperhacke, coordenadora do laboratório.

O projeto mais recente desenvolvido pelos profissionais é chamado de Parturientes RS, que tem como missão verificar a prevalência do HIV e sífilis em mulheres que estão em trabalho de parto ou tiveram bebê há pouco tempo. O resultado será apresentado na próxima semana, em um seminário em Porto Alegre que integra a campanha Zero Discriminação às Pessoas Vivendo com HIV/Aids, promovido pelo governo do Estado. 

Demanda do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis (DIAHV), do Ministério da Saúde, a pesquisa tem um fundamento importante: segundo boletim epidemiológico divulgado no fim de novembro, o Rio Grande do Sul ocupa o 1º lugar no ranking dos Estados com a maior taxa de detecção de HIV em gestantes. Quando o assunto é sífilis, o Estado ocupa a 5ª colocação. Até agora, a pesquisa contemplou 14,3 mil mulheres, que passaram pelas 66 maternidades das sete macrorregiões gaúchas.

O assunto terá continuidade, já que o laboratório desenvolverá também, ao longo de 2019, o projeto Parturientes Brasil. Desta vez, o estudo será nacional e deve estimar as taxas de prevalência do HIV, hepatite B e C e HTLV (vírus linfotrópico da célula humana) em mulheres atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).  

Militares também foram estudados

Já finalizado e com resultados apresentados, o Laboratório de Pesquisa em HIV/AIDS da UCS foi responsável também pelo estudo epidemiológico sobre a prevalência da infecção por sífilis, HIV, hepatites virais B e C de membros das Forças Armadas. O teste foi feito em parceria com o Ministério da Saúde. Participaram 37.282 jovens do sexo masculino, de 17 a 22 anos, que se apresentaram às Juntas de Serviço Militar (JSM). Os resultados mostraram que 0,12% dos jovens inscritos em todo o país estavam contaminados pelo HIV. A região Norte foi a que apresentou maior amostra do total (0,24%), seguida das regiões Nordeste (0,15%), Centro-Oeste (0,13%), Sul (0,10%) e Sudeste (0,07%). 

Outros dados são bastante reveladores: a prevalência de HIV em homens que fazem sexo com homens, público chamado de HSH, é 10 vezes maior que a obtida na população em geral. 

— Os fatores associados à infecção pelo HIV neste grupo foram ser HSH e ter mais de 10 parceiros na vida. Nossas descobertas confirmam a necessidade de ampliar a prevenção combinada do HIV no Brasil para homens jovens, especialmente para a população HSH — afirma Rosa Dea. 

PRÓXIMAS PESQUISAS

:: Na esfera municipal, o laboratório realizará a pesquisa Acessa, que irá avaliar a atitude, o comportamento sexual e o conhecimento sobre infecções sexualmente transmissíveis (IST) e substâncias anabolizantes nos estudantes da Universidade de Caxias do Sul (UCS);

:: Também ocorrerá um estudo da evolução clínica da infecção pelo HIV em adolescentes e adultos jovens. Eles devem estar em atendimento no Serviço de Infectologia da Secretaria Municipal da Saúde de Caxias do Sul. O projeto se chamará Adole.

:: Junto com a Coordenação Estadual de IST/HIV/AIDS, o laboratório irá participar do projeto de Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas (PCAP) relacionada à DST, Aids e hepatites virais da população do Rio Grande do Sul. Nesta edição, está prevista a realização de teste de sangue para o diagnóstico de HIV e sífilis.

:: O laboratório também iniciará o projeto Parturientes Brasil, cujo objetivo é estimar as taxas de prevalência da infecção pelo HIV-1/2, sífilis, hepatite B e C e HTLV- 1/2 em parturientes atendidas pelo SUS.

CURIOSIDADES

:: Em Caxias do Sul, há 2.847 pessoas vivendo com HIV/Aids, segundo dados da Vigilância Epidemiológica. Neste ano, de janeiro a outubro, foram diagnosticados 185 novos casos no município, a maioria homens (64%). No mesmo período, ocorreram 19 óbitos por esta causa, sendo 14 de pacientes do sexo masculino e cinco mulheres.

:: Iniciou nesta segunda-feira, em Caxias do Sul, o fornecimento da Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PREP). Trata-se do uso de medicamentos antirretrovirais por indivíduos que não estão infectados pelo HIV, mas que se encontram em situação de risco para a infecção.

:: Conforme protocolo técnico do Ministério da Saúde, a PREP é indicada apenas àqueles que integram as populações-chave (como transexuais, travestis, homens que fazem sexo com homens, gays, trabalhadores do sexo) e que frequentemente deixam de usar camisinha em suas relações sexuais, ou que fazem uso repetido da PEP (Profilaxia Pós-Exposição, o uso de medicamentos antirretrovirais por pessoas após terem tido um possível contato com o vírus HIV em até 72 horas), ou que apresentam episódios frequentes de infecções sexualmente transmissíveis; e para pessoas que têm relações com alguém diagnosticado com HIV e que não faz o tratamento.

:: Em ação feita pela Secretaria Municipal da Saúde na Praça Dante Alighieri, na UCS e no Hospital Geral (HG) na semana passada, 811 pessoas se submeteram a testes rápidos de HIV. Destes, um resultou positivo para o HIV, 35 para sífilis e um para Hepatite C. O teste está disponível no Setor de Infectologia, que fica junto ao Centro Especializado de Saúde (CES), na Sinimbu. 

Leia também
O que falta para Caxias ter um deputado federal
Câmara de Bento Gonçalves aprova projeto para incluir símbolo do autismo em placas de atendimento prioritário
Depósito da antiga UPI Voges permanece indefinido





 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros