Investigados em caso de desaparecimento em Vacaria passarão por detector de mentira - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Mistério em Vacaria05/12/2018 | 17h26Atualizada em 05/12/2018 | 17h27

Investigados em caso de desaparecimento em Vacaria passarão por detector de mentira

Empresário e dois pedreiros foram vistos pela última vez em abril deste ano

Investigados em caso de desaparecimento em Vacaria passarão por detector de mentira Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Propriedade rural de Eleandro Moraes onde os pedreiros trabalhavam ficava junto do rio. Foram feitas buscas na água e por terra com ajuda de helicóptero, mas nada foi achado. Um barco que estava à deriva também foi localizado Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Mais três investigados no inquérito sobre o desaparecimento de três moradores de Caxias do Sul serão submetidos a um detector de mentiras nesta quinta-feira em Vacaria. Um dos advogados dos investigados, Carlos Alberto Sandoval, diz que os clientes negam qualquer envolvimento com o sumiço do empresário Eleandro Aparecido Rodrigues de Moraes e dos pedreiros Nelson Jair Soares e Alexsandro do Amaral Correa. Outros quatro investigados já passaram pelo teste do aparelho formalmente conhecido como polígrafo.

Leia mais
Três moradores de Caxias estão desaparecidos no interior de Vacaria
Polícia suspeita que trio desaparecido em Vacaria tenha se afogado no Rio Pelotas
Bombeiros de Vacaria retomam buscas a trio desaparecido em propriedade rural do município
Desaparecimento de três homens em Vacaria completa 60 dias

Os moradores de Caxias do Sul foram vistos pela última vez no dia 3 de abril quando trabalhavam na construção de uma casa às margens do Rio Pelotas, interior de Vacaria. A moradia pertencia a Moraes. No início da investigação, a polícia trabalhou com a hipótese de afogamento, mas descartou a possibilidade e agora trata o caso como provável homicídio.

O polígrafo é composto por um conjunto de sensores que medem o ritmo da respiração, a pressão sanguínea, os batimentos cardíacos e o suor da pessoa examinada. O equipamento, que utiliza um software de fabricação israelense, é baseado na teoria de que as reações do organismo se alteram quando alguém mente.

Nelson Soares, Eleandro Moraes e Alexsandro Corrêa (da esquerda para a direita) moravam em Caxias do SulFoto: Divulgação

Leia também
Polícia investiga caso de mulher mantida em cárcere privado em Caxias do Sul
Motorista de aplicativo é feita refém por criminoso em Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros