Pioneiro 70 anos: os incêndios da Câmara de Vereadores e do Cine Ópera - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

70 Anos05/11/2018 | 08h32Atualizada em 05/11/2018 | 15h39

Pioneiro 70 anos: os incêndios da Câmara de Vereadores e do Cine Ópera

O jornal dedicou ampla cobertura e acompanhamento de mobilizações da comunidade decorrentes dos incêndios na Câmara de Vereadores e do Cine Ópera. Neste segundo caso, também antes da destruição pelas chamas

Pioneiro 70 anos: os incêndios da Câmara de Vereadores e do Cine Ópera Gilmar Gomes/Agencia RBS
Foto: Gilmar Gomes / Agencia RBS

O início dos anos 1990 foi marcado por dois episódios dramáticos na vida de Caxias: os incêndios da Câmara de Vereadores e do Cine Ópera. O primeiro, em 1992, e o outro, dois anos depois. No caso do Legislativo, foi uma surpresa. Instalada há quatro anos no terceiro piso do Centro Administrativo, a sede foi consumida pelas chamas um dia antes da abertura do ano legislativo, em 17 de fevereiro. 

— Até hoje a gente se pergunta o que aconteceu — diz Adir Rech, vereador naquela legislatura. 

No caso do Ópera, a tragédia era anunciada. O teatro, que viveu momentos de glória entre as décadas de 1950 e 1970, passava por um período de decadência nos últimos anos. A má conservação do prédio e a exibição de filmes pornográficos eram exemplos do fim da era de ouro. Antes do incêndio, em 24 de dezembro de 1994, o Ópera já vinha sendo demolido internamente, às escondidas. 

— Foi uma perda lamentável para Caxias — expressa Juventino Dal Bó, historiador. 

 Leia mais
Os anos de ouro do futebol caxiense
O fim dos aos racionamentos de água em Caxias
Quando Caxias virou Capital da Cultura
A chegada da TV a cores 

Nos dois acidentes, as “consequências” foram diferentes. Com o incêndio da Câmara, se retomou a construção do prédio próprio, parada em 1986. Até a conclusão da obra, três locais serviram de sede provisória: prédio da Codeca, que ficava em frente à prefeitura; CTG Rincão da Lealdade; e Galeria Comercial Jotacê. A nova sede, onde funciona até hoje o Poder Legislativo, foi inaugurada em 1996.

Já o Ópera, na esquina das ruas Pinheiro Machado e Dr. Montaury, que ainda serve de ponto de referência para os caxienses “mais antigos”, acabou virando uma garagem de carros. O prédio também abriga algumas lojas e lanchonetes.

Destino traçado, história perdida

Cine Ópera em 1993, um ano antes do incêndio que destruiu o prédio. Abraço do Ópera mobilizou a comunidade da época
Foto: Tatiana Sager / Banco de dados/ Pioneiro

Para quem acompanhou o descaso com o Ópera, o destino já estava traçado. Quando o fogo consumiu o teatro, ele estava abandonado. O prédio foi declarado de utilidade pública em 1985, mas nunca chegou a ser tombado. A proprietária Gilse Muratore não se opunha ao funcionamento do cinema, desde que o poder público o assumisse. 

— O poder público ficou indiferente. Nem prefeitura nem universidade se envolveram. A família não tinha como arcar (com os custos)  — destaca Juventino Dal Bó, um dos ativistas pela manutenção do Ópera. 

A sala encerrou as atividades antes do incêndio, em 1993. Naquele ano, a jornalista Ivanete Marzzaro descobriu que a área interna já estava sendo demolida. 

— Infelizmente, se optou por uma garagem. Se derrubou um teatro. É bem simbólico — lamenta Juventino.

Ano perdido

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 01/11/2018Ex vereador Luiz Carlos dos Santos, na prefeitura na parte onde foi a câmara de vereadores. (Lucas Amorelli/Agência RBS)
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

O ex-vereador Luiz Carlos dos Santos estava chegando de Porto Alegre quando avistou o fogo. Correu para ver o que era e deparou com o prédio da Câmara, junto à prefeitura, em chamas. Não sobrou nada. Nenhum documento, inclusive os registros das discussões da elaboração da Lei Orgânica, da qual Santos foi relator. De recordação, restaram apenas algumas cópias de trechos que o vereador guardou em casa.  

— Se perdeu um ano, foi uma legislatura de três anos. Poderia ter sido uma legislatura mais produtiva — lamenta.

Colega de Santos, Adir Rech lembra que foi um dos últimos a deixar o prédio da Câmara de Vereadores naquele dia, por volta de 19h. Como o gabinete dele era o último do corredor, passou por todos os outros e não viu nada de anormal. Quando chegou em casa, recebeu uma ligação avisando do incêndio.

A sessão do dia seguinte, a primeira do ano legislativo, foi realizada de forma improvisada, em um quiosque perto do galpão da Codeca, próximo à prefeitura.

Curiosidades
::
O Ópera foi inaugurado em 1º de janeiro de 1921 como Cine Theatro Apollo.
:: Todo em madeira, sofreu o primeiro incêndio em 28 de maio de 1927. Foi reinaugurado um ano depois. Eram três pavimentos e 1,2 mil lugares. O Apollo funcionou até o início dos anos 1950.
:: Em 1952, sob a direção de Julio Ribeiro Mendes, foi inaugurado o novo Cine Teatro Ópera. 

 Leia mais
UCS: formação acadêmica e transformação cultural
Seu Armando cresceu com a cidade e com o jornal
Marcia elegeu Caxias para construir sua vida
Com o Pioneiro nos altos e baixos
As mudanças de Rodrigo
Nathalia integra a geração digital
As duas décadas de Rubens
Por um futuro mais tolerante 

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros