Nova escola é erguida no Case em Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Socioeducação26/11/2018 | 13h27Atualizada em 26/11/2018 | 13h29

Nova escola é erguida no Case em Caxias do Sul

Obra faz parte de política da Fase de investir em ressocialização

Nova escola é erguida no Case em Caxias do Sul Porthus Junior/Agencia RBS
Previsão é de que nova estrutura da escola esteja pronta em abril do ano que vem Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Aos poucos, o novo prédio da Escola Estadual de Ensino Médio Paulo Freire, que atende o Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Caxias do Sul, vai surgindo no terreno ao lado da atual estrutura. Ainda há pouco o que se ver. A empreiteira de Encantado, vencedora da licitação, atualmente trabalha nas fundações. Porém, para professores, alunos e direção, o mais importante é o que a obra representa: uma aposta na qualidade de ensino, por meio do investimento na melhoria do ambiente escolar como agente de ressocialização dos adolescentes e jovens infratores que cumprem medida socioeducativas no local. A escolarização faz parte da medida deles.

– Teremos salas mais arejadas, com estrutura para dar uma qualificação maior para os meninos e para os professores também. A Fase tem investido muito em socioeducação – elogia o diretor do Case, José Luiz Plein Filho.

A nova escola terá cinco salas de aula, a mesma quantidade que tem hoje. Mas será um prédio onde ficarão concentrados todos os departamentos, como biblioteca, laboratório de informática, banheiros, copa e sala para materiais pedagógicos, além da área administrativa. O valor da obra é de R$ 742,4 mil. O recurso é proveniente de um convênio com a Secretaria Estadual de Educação. A previsão é de conclusão em abril do ano que vem. Quando o novo módulo escolar ficar pronto, as salas atuais serão utilizadas para cursos de profissionalização.

– Passaremos a ter um espaço todo dedicado à escola. Hoje ela é fragmentada. A expectativa é de um lugar melhor. Os professores estão empolgados – comenta a diretora da escola, Thais Enara Velho.

O número de professores (10) e de funcionários (uma secretária e uma pessoa que faz a limpeza e a merenda) – servidores da Secretaria da Educação do Estado – também não deve mudar. Além de Ensino Médio e Educação para Jovens e Adultos (EJA), é ofertado o Ensino Fundamental àqueles que não têm a idade mínima para ingressar no EJA. A maioria dos alunos está no 8º ano do Ensino Fundamental aos 16 e 17 anos de idade, o que caracteriza um alto índice de distorção idade/série.

– O adolescente não consegue se enquadrar nas rotinas (escolares) lá de fora. Aqui, o ambiente é todo organizado para isso. Então, ele consegue, ele cria uma disciplina – pondera a diretora.

Um dos jovens que cumpre medida na unidade diz que as atividades proporcionadas pela escola ajudam a manter os internos ocupados. 

– Sendo excluso da sociedade, a gente acaba achando que vai perder esse tempo aqui dentro. E não. A gente aproveita para estudar e sair com uma formação no currículo. Se torna mais fácil arrumar um emprego lá fora. Hoje em dia, se não se tem um currículo bom, pelo menos com o Ensino Médio concluído, não se consegue praticamente nenhuma vaga de trabalho. Pretendo colocar em prática tudo que aprendi até aqui. Vim para este lugar para me socioeducar, cumprir uma medida e aprender a conviver novamente na sociedade. Então, vou procurar colocar isso em prática e mostrar que o trabalho do pessoal aqui dentro, dos professores e agentes, não será em vão – disse o jovem.

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 13/11/2018. Estão em andamento as obras do prédio da Escola Estadual de Ensino Médio Paulo Freire, que fica dentro do Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Caxias do Sul. O espaço fica anexo ao Case e terá cinco salas de aula, laboratório de informática, sala de professores, biblioteca, secretaria, sala da direção, banheiros e copa. A previsão de término é para abril de 2019 e o custo R$ 742.404,24, de um convênio com a Secretaria Estadual de Educação. (Porthus Junior/Agência RBS)
Nova escola terá mesmo número de salas (5), porém, mais com ambientes mais adequados para alunos e professoresFoto: Porthus Junior / Agencia RBS

Parcerias propiciam profissionalização de internos

Além de aprender coisas básicas, como lavar e dobrar as próprias roupas, os internos do Case têm a oportunidade de participar de cursos profissionalizantes ofertados pelo Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE). As vagas de aprendizagem são viabilizadas por meio de um convênio com a Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase) no modelo do programa Jovem Aprendiz.

Os adolescentes e jovens participam no turno inverso ao escolar. Em Caxias, são 30 vagas no curso de ocupações administrativas, com duração de 24 meses. Nele, os internos aprendem sobre controle de estoque e almoxarifado, educação financeira e a elaborar currículos. Além da qualificação, quem participa da iniciativa recebe meio salário mínimo por mês e sai com carteira de trabalho assinada e os direitos trabalhistas garantidos. Do total de vagas, atualmente, 25 estão ocupadas.

– A ideia é que eles saiam mais preparados para o mercado de trabalho. É o início, a profissionalização – explica a pedagoga do Case, Tanisa Fernanda Benati.

Uma outra modalidade é desenvolvida com os adolescentes que estão em internação com possibilidade de atividade externa (ICPAE), ou seja, podem sair aos finais de semana e para atividades fora do Case. Nesses casos, eles recebem a parte teórica do CIEE e são encaixados em serviços em empresas na comunidade. Além da escolarização exigida, são critérios para seleção dos internos o bom comportamento e o tempo em que ele vai permanecer no Case. Têm preferência aqueles que conseguirão fazer todo ou boa parte curso na instituição. 

Também em parceria com o CIEE, a Fase mantém o Programa de Oportunidades e Direitos (POD), destinado a adolescentes que vão para a semiliberdade ou liberdade assistida (quando devem ser acompanhados pelas rede de assistência) ou desligados do sistema. O programa oferece vagas em cursos profissionalizantes e meio salário por mês para quem participar. O requisito é estar frequentando a escola regular. Mas, a participação é espontânea, ou seja, é preciso que o egresso se candidate a uma vaga.

Depois da qualificação, é preciso enfrentar a resistência do mercado. Nesse sentido, a equipe do Case desenvolve o Fórum de Aprendizagem, em que as empresas e entidades são convidadas a visitar a unidade e conhecer o trabalho desenvolvido. O objetivo é, além de oferecer oportunidades de trabalho para quem sai, conseguir voluntários para promover oficinas na instituição.

Leia mais:
Parada Livre termina em protesto na frente da prefeitura de Caxias do Sul
Encontro reúne voluntários de quatro cidades do projeto Mão Amiga 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros