Memória: um revival agita o Colégio Emílio Meyer - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 

Caxias antiga28/11/2018 | 07h30Atualizada em 28/11/2018 | 07h30

Memória: um revival agita o Colégio Emílio Meyer

Encontro do último sábado mobilizou alunos que passaram pela escola nos anos 1980 e 1990

Memória: um revival agita o Colégio Emílio Meyer Edson Mohr / divulgação/divulgação
Encontro do último sábado reuniu professores e alunos que passaram pelo Emilio Meyer nos anos 1980 e 1990 Foto: Edson Mohr / divulgação / divulgação

Não é de agora que as redes sociais têm colaborado, e muito, para aproximar gente que não se vê há tempos. Quando as lembranças dizem respeito aos bancos escolares, a mobilização virtual não costuma falhar. Foi o que aconteceu com uma recente e despretensiosa postagem no Facebook. 

Ilustrada pelas imagens de uma turma do pré-escolar, em contraponto a uma do "terceirão", ex-alunos do Colégio Estadual Henrique Emílio Meyer conseguiram mobilizar mais de 150 estudantes, ingressos na instituição de ensino entre as décadas de 1980 e 1990. O objetivo? Reencontrar os antigos colegas e professores em uma confraternização movida pela nostalgia.

O "revival" ocorreu no último sábado (24) e contou com cerca de 80 pessoas, entre alunos e professores, que enfrentaram o tempo chuvoso para relembrar histórias e fatos engraçados (ou tensos) do dia a dia no ambiente escolar. Conforme Catiuscia Xavier, integrante da comissão, a ideia é que a atividade se torne anual, promovendo não só a proximidade com os ex-colegas mas também com a comunidade escolar, angariando doações de materiais e serviços para o colégio. 

— O próximo passo é a revitalização do parquinho dos Anos Iniciais, desativado há alguns anos. E isso é apenas o começo: vamos tentar devolver o que essa escola nos ofereceu em termos de ensino e convivência em sociedade — argumentou.

A iniciativa também foi saudada pela atual diretora da escola, Michele Biondo. 

— Encontros como esse proporcionam momentos de ótimas recordações, boas risadas e o reencontro de antigas amizades, cultivadas no tempo de escola — concluiu Michele.

Leia mais:
Colégio Murialdo e o Curso Normal Rural em 1968
Encontro de formandos de 1963 do Senai
Escola da Vinícola Luiz Antunes em 1943
Os 115 anos do Colégio São José
Formatura de Datilografia do Ginásio São Carlos em 1945

O prolongamento da Rua Vereador Mário Pezzi, onde estão situados os prédios do SEnai e do Grupo Escolar Henrique Emílio Meyer, e da Rua Treze de MaioFoto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

A origem 

O Colégio Estadual Henrique Emílio Meyer teve origem em 1931, nas aulas ministradas pela professora Ida Zanellato, em sua residência, situada na esquina das ruas Sinimbu e Treze de Maio. Devido a um vendaval que praticamente levou a pequena escola “pelos ares”, Ida passou a bater de porta em porta para reerguer o estabelecimento de ensino, até que o comerciante Alberto Diligenti, comovido com a persistência da "mestra", ofereceu metade do estábulo que possuía em sua casa; a outra metade, destinava-se ao pouso dos tropeiros que vinham dos Campos de Cima da Serra.

Com o número de alunos crescendo, Ida solicitou ao intendente municipal Miguel Muratore que fosse cedido um local mais apropriado para as aulas, ao que foi atendida. Em 1º de maio de 1933, num prédio alugado na então rua Júlio de Castilhos, quase na esquina com a rua Vereador Mário Pezzi, surgia o "Grupo Escolar Dr. Júlio Prates de Castilhos".

Já com cerca de 300 alunos, em 1936, o então prefeito Dante Marcucci pleiteou a estadualização da instituição, concedida em outubro daquele ano — foi quando Wanda Zanellato, filha da fundadora, assumiu a direção. Porém, após dois anos, o mesmo problema pairou sobre a escola: muitos alunos e falta de espaço. Ida, junto à mobilização da comunidade, reivindicou, então, a construção de uma escola à altura da demanda.

A insistência culminou com a doação de um terreno localizado à Rua Vereador Mário Pezzi por parte do governo municipal e a posterior construção do prédio, iniciada pelo governo estadual em 1939 — a partir de um projeto do construtor Silvio Toigo. O Grupo Escolar Henrique Emílio Meyer foi inaugurado em 2 de setembro de 1940. O nome foi uma sugestão da comunidade caxiense para homenagear o professor que dedicou 51 anos de sua vida à educação do Rio Grande do Sul.

Na imagem acima, o prolongamento da Rua Vereador Mário Pezzi, onde estão situados os prédios do Senai e do Grupo Escolar Henrique Emílio Meyer, e da Rua Treze de Maio. À direita, na área rebaixada do terreno, vê-se o local onde seriam construídas as primeiras fundações da Maesa.

Leia mais:
Formatura do Magistério do Colégio São Carlos em 1965
Formatura do ginásio do Colégio Santo Antonio em 1966
Primórdios da Escola de Belas Artes de Caxias do Sul em 1950
Escola de Belas Artes de Caxias em 1958
Calouros, bixos e lembranças de antigos vestibulares
Formandos de Contabilidade do Carmo em 1965
Formatura das alunas-mestras do Colégio São José em 1936  

Professoras do Grupo Escolar Henrique Emílio Meyer em 1941.Foto: Studio Geremia / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação
Em 1965: Integrantes do Coro Orfeônico do Grupo Escolar Henrique Emílio Meyer. Ao fundo, vê-se Naura Rigon, diretora da instituição.Foto: Studio Beux / Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami, divulgação

A estrutura

Dimensionada para 500 alunos, a instituição foi considerada escola modelo, devido aos projetos de incentivo à leitura, prática de esportes e educação cívica. Foram integrados à instituição o Jardim de Infância, em 1946, o Ginásio do Bairro Guarany, em 1966, e o Colégio Comercial de Segundo Grau, em 1968, que funcionavam junto ao Grupo Escolar. 

O prédio original, então, foi ampliado com o passar do tempo, adotando a grade curricular nos três turnos (manhã, tarde e noite). Em 1976, as três entidades foram unificadas em uma só, sob a denominação de Escola Estadual de 1º e 2º Graus Henrique Emílio Meyer.

Na foto abaixo,  uma vista aérea do bairro Exposição. Vê-se as edificações da Fábrica 2 da Metalúrgica Abramo Eberle S.A. (Maesa), a área do parque Monteiro Lobato e os prédios do Grupo Escolar Henrique Emílio Meyer e do Senai, além dos prolongamentos das ruas Tronca, Dom José Barea, Plácido de Castro, Santos Dumont, Treze de Maio, Vereador Mário Pezzi e Andrade Neves.

Leia mais:
Praça Monteiro Lobato, ao lado da Maesa, em 1953
Memória da Maesa: lembrando o passado, projetando o futuro
Um abraço para ficar na história da Maesa
Maesa e as portas de bronze da Basílica de Belém do Pará em 1959
Maesa: um presente para Caxias do Sul
Nos primórdios da Maesa 

Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / divulgação

Leia mais:
Formandas da Escola Normal Duque de Caxias em 1957
Formatura das normalistas de 1964
Formandos do Científico do Carmo em 1964
Colégio La Salle: uma história de 80 anos
Os 75 anos do Colégio Clemente Pinto
Primórdios do Museu Municipal nos anos 1950
Formandos de Contadores do Carmo em 1948

Parceria

Informações sobre a trajetória do colégio foram disponibilizadas pelo Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami.

Leia mais:
As cores e as horas do relógio do Eberle
Time de bolão Garra de Ferro, do Recreio Guarany, em 1958
Setor de gravação da Maesa em 1958
Maesa e as portas da Basílica de Belém do Pará
Alvis Fiedler e as réplicas da Basílica de Belém do Pará
Eberle: o jubileu de prata de Hugo Seidl em 1952  

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros