Lei que institui Semana de Combate ao Mosquito Borrachudo é sancionada - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias06/11/2018 | 16h00Atualizada em 06/11/2018 | 16h00

Lei que institui Semana de Combate ao Mosquito Borrachudo é sancionada

Atividades de conscientização serão realizadas no início do mês de outubro a partir de 2019

Lei que institui Semana de Combate ao Mosquito Borrachudo é sancionada Bárbara Lipp/ Divulgação/
Aplicações do larvicida contra borrachudo são feitas em riachos de propriedades rurais Foto: Bárbara Lipp/ Divulgação

Foi sancionada, pelo prefeito Daniel Guerra, nesta terça-feira (6), a lei que institui em Caxias do Sul a Semana Municipal de Combate ao Mosquito Borrachudo. O objetivo é intensificar as atividades de prevenção aos males causados pela expansão do borrachudo e promover orientações para reduzir a proliferação do inseto, principalmente na zona rural do município. A partir do ano que vem, a semana será promovida nos primeiros dias do mês de outubro de cada ano. 

A Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal da Saúde tem em uma das linhas de frente a atuação contra a proliferação do mosquito. O coordenador do setor, Rogério Poletto, explica que são dez agentes de campo que percorrem todos os distritos e áreas mais afastadas do município realizando o trabalho de conscientização e orientando os agricultores que possuem propriedades a aplicarem o larvicida biológico (BTI) para evitar a disseminação das larvas, que surgem principalmente em beiras de arroios e rios.  

— Temos uma demanda muito elevada, que é superior a nossa capacidade, mas fizemos sempre o possível para atingir a meta. A nossa região de relevo acidentado dá condições para o surgimento das larvas nas encostas dos rios, onde existem pedras em que as larvas ficam na parte submersa, se alimentando de matéria orgânica — ressalta. 

Ainda de acordo com Poletto, a realização da Semana de Prevenção e Combate ao Borrachudo no início de outubro é propícia por conta de estar situada em um período que antecede o verão, fase em que existe a maior propagação do mosquito e o índice mais elevado de transmissão de doenças. 

A picada de borrachudo também provoca a transmissão da febre oropouche e da oncocercose, doenças que podem causar febre alta, dores articulares e musculares, meningite, lesões na pele e até cegueira. O setor de Vigilância Ambiental realiza trabalhos de campo para orientar e aplicar os larvicidas nas propriedades rurais. As solicitações podem ser feitas por meio do telefone (54) 3202-1438. 

Orientações para a prevenção  

- Não jogue lixo ou restos de comida nos rios   
- Prefira as roupas de algodão fino e de mangas compridas
- Use telas nas portas e janelas de casa
- Faça uso de repelentes ou cremes perfumados nas partes descobertas do corpo, como mãos, pernas e pés, principalmente em locais ao ar livre
- Evite o desmatamento de áreas próximas aos rios, que abrigam pássaros e insetos que se alimentam dos borrachudos

Leia também:
Hospital de Bento convida região para participar de teste que investiga câncer de intestino
Encontro em Nova Petrópolis reúne empresários para debater gestão contábil

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros