Em quase cinco anos, prefeitura de Caxias flagrou 2,6 mil infrações à lei de poluição visual - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Placas fora dos padrões20/11/2018 | 13h52Atualizada em 20/11/2018 | 13h52

Em quase cinco anos, prefeitura de Caxias flagrou 2,6 mil infrações à lei de poluição visual

 Dados são da Secretaria de Meio Ambiente

Em quase cinco anos, prefeitura de Caxias flagrou 2,6 mil infrações à lei de poluição visual Duda Mangoni/Divulgação
Autuação ao Magnabosco no final de outubro causou indignação Foto: Duda Mangoni / Divulgação

 Desde janeiro de 2014, quando iniciou a fiscalização, cerca de 2,6 mil infrações à lei de poluição visual foram flagradas em Caxias do Sul. Os dados são da Secretaria de Meio Ambiente (Semma), considerando autos de infração e notificações. A legislação regra a utilização de meios de publicidade no município. As normas estabelecem limites de dimensão para placas de fachada e define quando é permitido o uso de banners, cartazes e faixas. 

Segundo a Secretaria de Meio Ambiente, a maioria das empresas costuma se adequar à lei. Mais de mil autorizações e isenções para comunicação visual foram emitidas nos últimos anos. Conforme a diretora de Gestão Ambiental, Andressa Pianegonda, as autorizações são necessárias para placas maiores e custam mais caro, enquanto as isenções são para menores.

As autuações são feitas a empresas que desrespeitem as normas. Inicialmente, é realizada a advertência para a retirada, mas o documento também informa qual será a multa aplicada em caso de continuidade do descumprimento. Essa multa varia entre 10 e 250 valores de referência municipal (VRMs), que hoje é de R$ 32,18 — portanto, a multa pode chegar hoje a mais de R$ 8 mil.  

O fiscal analisa a situação e define qual será a autuação. Caso permaneça irregular, além de cobrar a multa, a Secretaria de Meio Ambiente encaminha o processo para a Procuradoria Geral do Município para avaliar outras medidas que podem ser tomadas.  

A diretora de Gestão Ambiental considera que a lei e a fiscalização têm sido eficientes em deixar a cidade com uma estética mais agradável.

— Principalmente o centro histórico, tu percebes que está mais limpo, que tu consegues visualizar melhor as fachadas — comenta Andressa.

A prefeitura não tem o levantamento de quanto já foi arrecadado com multas aplicadas. O recurso vai para o Fundo Municipal do Meio Ambiente.  

Polêmica no Magnabosco

No final de outubro, a prefeitura notificou o Magnabosco por um banner colocado na fachada da loja no centro de Caxias. A publicidade já tinha sido retirada quando o auto de infração chegou para a empresa.  A situação gerou polêmica na cidade e o diretor do Magnabosco, Pedro Horn Sehbe, reagiu dizendo que considerou a ação inflexível. Na época, a diretora de Gestão Ambiental da Semma explicou que a legislação aprovada em 2012 permite que banners sejam utilizados apenas para anúncios institucionais com viés de utilidade pública. 

Leia também
Maioria dos médicos cubanos já deixou as unidades básicas de saúde em Caxias
"A nossa cultura subvaloriza o negro", afirma historiador
Conselho da Comunidade Negra de Caxias registra até seis ocorrências de racismo por mês 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros