Após cinco anos separados, Monette chega a Caxias com filhos que moravam no Haiti - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Final feliz30/11/2018 | 15h05Atualizada em 01/12/2018 | 08h31

Após cinco anos separados, Monette chega a Caxias com filhos que moravam no Haiti

Família chegou na casa do bairro Esplanada às 13h05min

Após cinco anos separados, Monette chega a Caxias com filhos que moravam no Haiti Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Rua Júlio Calegari, bairro Esplanada, 13h05min desta sexta-feira. Poucos caxienses assistiram à cena, mas os que passavam apressados para o trabalho, por exemplo, observavam com curiosidade o que acontecia ali. Naquele momento, a haitiana Monette Esperance, 30 anos, desembarcou em Caxias do Sul com os quatro filhos. 

Leia mais:
Vizinhos de haitiana que mora em Caxias do Sul comemoram a chegada da família após cinco anos
Monette Esperance embarca para buscar os filhos no Haiti
Monette Esperance viaja para buscar filhos que não vê há cinco anos 

Foram cinco anos de espera para que a mãe pudesse apresentar o novo lar — modesto e simpático — aos três filhos que viviam no Haiti. Monette chegou nesta sexta após uma maratona de viagens para buscar no país caribenho os filhos Djodly, 12 anos, Adjy, nove, e Betchnaille, oito, que não via há cinco anos, desde que veio morar em Caxias. Monalise, de três anos e nascida em Caxias, também viajou para conhecer os irmãos e o restante da família que vive naquele país.

— Minha família não sabia que eu estava indo lá. Quando desci do carro, todo mundo levou um susto. Ninguém acreditava, foi muito emocionante — detalha Monette.

A viagem de volta iniciou no fim da manhã da quinta-feira, por volta de 12h no Haiti, cerca de 15h daqui. O voo partiu de Porto Príncipe, capital e maior cidade do Haiti, e teve escalas no Panamá e no Rio de Janeiro. A família, enfim, desembarcou às 10h30min desta sexta, no Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre.

— Foi difícil porque trouxemos bastante bagagem. E com crianças, sempre é mais complicado — resumiu Monette.

Vizinhos do bairro Esplanada se organizaram para buscar a família na Capital. Na chegada em Caxias, as crianças demonstravam certa inquietação e estranhamento com o novo lar. Monette conta que, apesar dos esforços da mãe dela, Djodly, Adjy e Betchnaille viviam em condições bastante precárias. A fome, que deve ficar para trás neste novo capítulo que a família irá construir, segue assolando a vida dos parentes que restaram no Haiti. E é por isso que a sensação de alívio ao ver os filhos descobrindo os cantinhos da nova casa em Caxias não era completa.

— Minha mãe ficou muito triste quando viemos embora. Não é uma situação boa lá. Meus filhos não estavam bem vivendo lá também — afirmou.

Além de simbolizar a peregrinação de muitos imigrantes para rever familiares após tentarem vida nova no Brasil, Monette é exemplo da solidariedade dos caxienses. Foi por meio de contribuições de toda a comunidade que ela arrecadou o dinheiro para custear as passagens e os documentos necessários para a permanência dos filhos no Brasil. A vaquinha conseguiu arrecadar cerca de R$ 24 mil. 

— Agradeço a todo mundo que ajudou e apoiou nessa campanha. Um beijo a todo mundo, vou convidar todo pessoal para uma festa que quero fazer — diz, adiantando o desejo de celebrar os 13 anos de Djodly com uma grande comemoração em janeiro.

— Esta é uma conquista de muitos — resume irmã Maria do Carmo dos Santos Gonçalves, responsável pelo Centro de Atendimento ao Migrante (CAM), entidade que auxiliou Monette na vaquinha virtual e ofereceu suporte jurídico para a viagens das crianças.

Leia também
BM encontra criança desaparecida em Caxias do Sul
Jerry Smith é mais uma atração confirmada da Festa da Uva 2019

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros