Amesne confirma reunião com prefeito de Caxias para tratar de cirurgias de traumato-ortopedia - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

SUS03/11/2018 | 10h30Atualizada em 03/11/2018 | 10h30

Amesne confirma reunião com prefeito de Caxias para tratar de cirurgias de traumato-ortopedia

Maior município da Serra quer deixar de ser referência para procedimentos de urgência e emergência nesta área

Amesne confirma reunião com prefeito de Caxias para tratar de cirurgias de traumato-ortopedia Porthus Junior/Agencia RBS
Hospital Pompéia é referência atualmente para 49 municípios da Serra Gaúcha Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

A Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste (Amesne) confirmou que vai se reunir com o prefeito de Caxias do Sul, Daniel Guerra, no dia 20 de novembro para tratar do pedido do maior município da Serra para que o Hospital Pompéia deixe de ser referência para cirurgias de urgência e emergência de traumato-ortopedia para 34 municípios que integram a 5ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS). Caxias seguiria como referência para outras 15 cidades.

O presidente da Amesne e prefeito de Veranópolis, Waldemar de Carli,  diz que parte do recurso destinado ao hospital por parte do Estado e União serve para atender a pacientes dos 34 municípios. Por isso, ele diz que a proposta é que o Pompéia continue atendendo aos moradores de todas as cidades. O presidente da Amesne também afirma que a entidade está mobilizada para buscar habilitação de novos hospitais para o serviço: o São Carlos, de Farroupilha, e o Virvi Ramos, de Caxias. 

A justificativa da prefeitura de Caxias para reduzir o serviço seria a capacidade instalada do município, o recurso financeiro disponível para os atendimentos, a demanda reprimida e o tempo médio de espera para cirurgia.  A superintendência do Hospital Pompéia concorda com a iniciativa da prefeitura de Caxias. 

O comunicado ao Estado foi feito no dia 11 de outubro, mesmo dia em que os municípios tentavam remanejar os atendimentos para que o Hospital Pompéia voltasse a oferecer cirurgias eletivas de traumato-ortopedia para as regiões de saúde 25, Vinhedos e Basalto, e 26, Uvas e Vales. Esses procedimentos estão suspensos desde 2015 para essas duas regiões, que englobam os 34 municípios afetados com o pedido para que a urgência e emergência também seja transferida. 

GaúchaZH tentou confirmar a agenda com o Gabinete do Prefeito Daniel Guerra, por meio da assessoria de imprensa, mas não obteve retorno. Conforme a associação de municípios, caso a divergência não seja resolvida com diálogo, existe a possibilidade da entidade levar a situação para o Ministério Público Federal.

Leia também
Relógios devem ser adiantados em uma hora à 0h de domingo
Círculo comemora 84 anos cuidando de 120 mil vidas
Comissão informa prejuízos com granizo para governo federal considerar no cálculo do preço da uva
Lei quer inibir as feiras itinerantes em Carlos Barbosa

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros