12% do efetivo dos bombeiros da Serra irão para o Litoral na Operação Verão - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 

Veraneio29/11/2018 | 08h00Atualizada em 29/11/2018 | 10h13

12% do efetivo dos bombeiros da Serra irão para o Litoral na Operação Verão

Número é 25% maior do que a edição anterior, quando 23 profissionais atuaram como como guarda-vidas na temporada

12% do efetivo dos bombeiros da Serra irão para o Litoral na Operação Verão Carlos Macedo/Agencia RBS
Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

A Operação Verão, antiga Operação Golfinho, começa no dia 14 de dezembro. Nesta edição, 29 bombeiros deixarão as suas corporações na Serra para trabalhar no Litoral. O número representam um aumento de 25% em relação à edição anterior, quando 23 servidores foram destacados.

Caxias do Sul é a cidade do 5º Batalhão de Bombeiros Militares (5º BBM) que mais perderá profissionais: 10. Depois, vem Bento Gonçalves, com nove, Vacaria, com quatro, Farroupilha e Gramado, com dois cada, e Canela e São Marcos, com um cada. Flores da Cunha e Veranópolis, que também têm quartéis, não enviarão bombeiros. Juntas, essas nove cidades atendem a 49 municípios da área de abrangência do 5º BBM.

Os militares já estão em preparação. Ou seja, não estão atuando nas suas unidades de origem. Com isso, o déficit de bombeiros que é de 37% em relação ao efetivo ideal para a região– há 238 e são previstos 379 profissionais – aumenta ainda mais. A redução no efetivo da Serra em função da operação é de 12% neste ano. 

– Está aumentando o número de bombeiros indo para o litoral, por causa das turmas novas... os soldados acabam fazendo os testes e sendo aprovados. A tendência é mesmo aumentar. Até porque, neste ano, estamos com menos guarda-vidas cedidos pela Brigada Militar e o esforço é maior para que tenhamos mais bombeiros militares participando – pondera o major Maurício Ferro Corrêa, que responde pelo 5º BBM, durante as férias do comandante, o tenente-coronel Julimar Fortes Pinheiro.

Para remediar a situação, o comando dos bombeiros no Estado tem disponibilizado, nos últimos anos, a realização de horas extras para os que ficam nos municípios.

– Nossa defasagem aumenta. O que tem ocorrido é que o comando-geral tem dado um aporte de horas extras maior. Isso tem garantido que permaneçamos com os quartéis abertos. Eventualmente, no final do mês, quando as cargas horárias já estão completas e não conseguimos mais encaixar pessoal (nas escalas), em Caxias do Sul, fechamos o quartel do Desvio Rizzo – comenta o major.

Hoje e amanhã, os candidatos a guarda-vidas civis fazem os testes de aptidão física. Esta é a segunda etapa do processo de seleção. Foram 3.690 candidatos inscritos na primeira fase, de avaliação de saúde. Destes, 493 (13,36%) foram aptos, 102 inaptos (2,76%) e 3.095 ausentes (83,87%).

Os locais onde haverá guarda-vidas ainda não foram determinados. Isso deve ocorrer após a formação dos profissionais. Destino de muitos caxienses, Arroio do Sal também vai esperar a definição do efetivo que caberá à cidade para decidir quais os locais terão guaritas. Elas são instaladas pela prefeitura após o anúncio da quantidade de profissionais. No ano passado, a praia de Camboim ficou sem guarda-vidas.

Leia também:
Quatro escolas estaduais de Caxias terão nova eleição de diretores na próxima semana
Colisão deixa uma pessoa morta e duas feridas em Garibaldi

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros