O que faz com que crianças e adolescentes fiquem anos em acolhimento - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Adoção, vidas que se transformam13/10/2018 | 11h16Atualizada em 13/10/2018 | 15h48

O que faz com que crianças e adolescentes fiquem anos em acolhimento

Tentativas de retorno a família biológica ou extensa, procedimentos e processos de destituição são etapas a serem cumpridas até a adoção

O que faz com que crianças e adolescentes fiquem anos em acolhimento Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Gabriel, à esquerda, tem três anos e está no abrigo há dois em função das sequentes tentativas de colocação na casa de parentes Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Gabriel chegou a um abrigo de Caxias do Sul com um ano e seis meses, com  inúmeros hematomas pelo corpo, unhas dos pés e das mãos esmagadas, além de queimaduras e mordidas. 

Em seguida que ele chegou ao abrigo, as profissionais iniciaram as avaliações de familiares que poderiam cuidar do menino. Assim que um era descartado, outro se apresentava. Quatro se candidataram sucessivamente. A cada nova tentativa, toda a série de etapas que devem ser respeitadas recomeçava. Ele foi destituído do poder familiar há duas semanas, dois anos depois de ele ter sido acolhido.

Leia mais
Adoção transforma vidas de quem passa pelo sistema de acolhimento

Se existem tantas crianças e adolescentes nos abrigos e casas lares – em Caxias, são 181 – e se o índice de retorno às famílias de origem é tão baixo (foram 38 entre abril 2017 e setembro deste ano e outros 23 estão em tentativa, atualmente), por que os processos de destituição do poder familiar, necessários para o encaminhamento à adoção, demoram tanto tempo? Por vezes, anos?

No dia 9 deste mês, havia mais de 41 mil pessoas no Cadastro Nacional de Adoção. Em Caxias, são em torno de 300 pessoas habilitadas, enquanto a quantidade de crianças adotadas fica entre 25 a 30 por ano, de acordo com o Juizado da Infância e da Juventude de Caxias.

Na última quarta-feira, das quase duas centenas de acolhidos, somente seis já estavam destituídos e aptos a enfrentarem o processo de adoção. Outros 48 têm processos ajuizados de destituição. Também existem 14 que já têm sentença, conforme a Fundação de Assistência Social (FAS).

Para o juiz Leoberto Brancher, essa conta não fecha porque ela não é simples matemática.


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros