Memória: encontro da família Toigo na Vila Maestra - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Caxias antiga26/10/2018 | 07h30Atualizada em 26/10/2018 | 07h30

Memória: encontro da família Toigo na Vila Maestra

Descendentes de Amedeo Toigo e Anna Filingardi se reúnem no próximo dia 10  de novembro

Memória: encontro da família Toigo na Vila Maestra acervo de família / divulgação/divulgação
O casamento de Severino Toigo e Angelina Michelon, no antigo casarão da Vila Maestra, em 19 de junho de 1948 Foto: acervo de família / divulgação / divulgação

A numerosa descendência dos Toigo, espalhada por diversas cidades gaúchas, de Santa Catarina, Paraná e também em outros estados, volta a se encontrar em Caxias do Sul. A sexta edição do encontro ocorre no próximo dia 10 de novembro, tendo como local escolhido a Vila Maestra. Foi a comunidade onde, em 1876, estabeleceu-se o casal de imigrantes italianos Amedeo Toigo e Anna Filingardi, juntamente com seus filhos Vittore, Maria, Maria Elizabeta, Francesa, Andrea, Giusephina, Elizabetta, Angela Onesta e Angelo – este último nascido no navio, durante a travessia pelo Oceano Atlântico.

Proveniente da localidade de Artem, comuna de Fonzaso, na província de Belluno, o casal viu a família aumentar no Brasil, com o nascimento de mais três filhos: Marcos, Alexandre e Frederico. Além de Amedeo e Anna, outra integrante da primeira leva dos Toigo a aportar nos trópicos foi Maria Sero, viúva de Angelo Toigo, que migrou em 1882. Ela chegou por aqui com os cinco filhos, todos menores, estabelecendo-se no Travessão Victor Emanoel da Sétima Légua, hoje bairro Padancino.

A presença dos Toigo na região cresceu ainda mais a partir da década de 1920, com a chegada de várias outras famílias homônimas provenientes de Fonzaso. Entre elas, a do famoso engenheiro e construtor Silvio Toigo, que contribuiu de forma marcante com a arquitetura de Caxias a partir de 1922 – leia mais sobre as obras de Toigo abaixo.

Nas imagens desta página, alguns registros disponibilizados pela organização do encontro. Na foto que abre a matéria, o casamento de Severino Toigo e Angelina Michelon no casarão da familia Toigo, na Vila Maestra, em 19 de junho de 1948. Abaixo, a família de José Toigo e Angela Argenta Toigo, em 1946,  em São Gotardo. Em pé estão Olindo Toigo, Aurora Toigo Marini, Maria Toigo Cecconello, Victoria Toigo Marini e Victorio Toigo. Ladeando o casal, Carlin Toigo e Gema Toigo Cecconello. 

Por fim, a família de Marcos Toigo, casado com Joana Cavalli, na Vila Maestra, em 1938. Da esquerda para a direita, atrás, estão Amadeo, Antonio, Angelo, Adelino e Pedro. Sentados, Maria, Egide, o casal Marcos e Joana, e Amalia (à direita).

Leia mais:
Encontro da família Chies em Carlos Barbosa
Encontro da família Bernardi em Nova Pádua
Encontro da família Molon em Farroupilha
Família Motter celebra as origens em Caravaggio da Terceira Légua
Encontro da família Bussolotto em Nova Bassano
Encontro da família Soldatelli em São Marcos 

A família de José Toigo e Angela Argenta Toigo por volta de 1946, em São GotardoFoto: acervo de família / divulgação
A família do casal Marcos Toigo e Joana Cavalli em 1938. Atrás, Amadeo, Antonio, Angelo, Adelino e Pedro. Sentados, Maria, Egide, o casal e Amalia Foto: acervo de família / divulgação

O engenheiro Silvio Toigo

Nascido em 1889, o engenheiro Silvio Toigo chegou ao Brasil em 1922 e logo passou a assinar projetos encomendados pela então Intendência Municipal, administrada por Penna de Moraes. Naquele mesmo ano, surgia na Praça Dante Alighieri uma de suas primeiras obras: o pedestal da Estátua da Liberdade (obra de Michelangelo Zambelli), em comemoração ao centenário da Independência do Brasil.

Atuando até meados da década de 1950, Toigo foi responsável também pela consolidação do estilo art déco na cidade, acompanhando uma estética mais funcional verificada na Europa e Estados Unidos desde os anos 1920. Entram aí prédios como a Casa Magnabosco, o Cine Guarany, a fábrica 1 da Metalúrgica Abramo Eberle e a majestosa sede da antiga Revendedora Auto Palácio – de todas as citadas, a mais castigada e descaracterizada até hoje, na esquina das ruas Sinimbu e Guia Lopes.

Toigo também foi um dos integrantes da comissão responsável pela construção do Monumento Nacional ao Imigrante, inaugurado em  1954, 10 anos antes de sua morte.

Leia mais:
A Caxias moderna de Silvio Toigo
Caxias pelas lentes do fotógrafo Reno Mancuso
Auto Palácio e Rua Guia Lopes no Boletim Eberle em 1958
Família de Raimundo Magnabosco em 1946
Primórdios do Cine Teatro Guarany
Cine Teatro Guarany na década de 1930
Barbearia Goyer na Avenida Júlio em 1910

Programe-se:

:: O que: 6º encontro da família Toigo
:: Quando: dia 10 de novembro, com recepção, café da manhã, missa e almoço na igreja da comunidade
:: Contatos e reservas de ingressos: Adelar Toigo, pelo (54) 99944.5151

Participe da coluna 

Você possui fotos antigas de família ou está organizando algum encontro de descendentes? Envie as imagens em alta resolução, acompanhadas de um breve histórico, para o e-mail rodrigolopes33@gmail.com.

Leia mais:
Encontro da família Gedoz em Carlos Barbosa
Encontro da família Fachinelli em Garibaldi
Os 125 anos da família Tonus no Brasil
Encontro internacional da família Bigolin em Pinto Bandeira
Imigração italiana: Isidoro Bigolin e o brinco de ouro  

Confira outras publicações da coluna Memória
Leia antigos conteúdos do blog Memória  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros