Reforma do Postão de Caxias do Sul vai custar quase R$ 640 mil - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

SUS27/09/2018 | 10h33Atualizada em 27/09/2018 | 10h33

Reforma do Postão de Caxias do Sul vai custar quase R$ 640 mil

Empresa escolhida é a Técnica Construções Ltda

Reforma do Postão de Caxias do Sul vai custar quase R$ 640 mil Porthus Junior/Agencia RBS
Reforma tem o objetivo de transformar o Postão em uma Unidade de Pronto Atendimento Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

A empresa Técnica Construções venceu a licitação para a reforma e ampliação do Postão 24 Horas, no centro de Caxias do Sul. O custo da obra será de R$ 637,5 mil. Agora, a vencedora tem cinco dias para apresentar documentação que é exigida na licitação. Depois, se tudo estiver certo, a prefeitura convocará a empresa para assinar o contrato, que terá duração de 317 dias.

O custo para as intervenções ficou abaixo do estimado pela prefeitura que era um investimento de até R$ 698 mil. A reforma tem o objetivo de transformar o Postão em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) nível III e, com isso, buscar recursos para manutenção da estrutura junto aos governos federal e estadual. Hoje, o pronto atendimento é custeado apenas com verbas municipais. 

Com a reforma, a sala de urgência será ampliada, uma rampa de acesso exclusivo de macas à sala de urgência será construída e serão criados dois quartos individuais de curta duração. Serão realizadas também adequações de piso, forro e instalações em geral, além de pintura.

Leia mais
Licitação para reforma do Postão de Caxias tem apenas uma empresa habilitada
Sindicato dos Médicos de Caxias vai denunciar escalas do Postão no Ministério Público Federal 
Ex-diretor do Postão de Caxias contesta versão de que médicos faltaram serviço sem justificativa

Escalas dos profissionais

Em meio à licitação para definir a ampliação e reformas no prédio, o Postão também se tornou alvo de polêmica envolvendo as escalas de trabalho. A prefeitura promoveu a reorganização do trabalho dos profissionais, o que provocou as saídas dos coordenadores técnico e de enfermagem. 

No último último dia 16, o pronto atendimento ficou sem pediatras. Embora a prefeitura tenha dito que se tratou de um problema pontual, já que os médicos não teriam comunicado que faltariam, a versão foi contestada pelo ex-diretor técnico Tiago Perinetto. Na semana passada, Leone Ferreira Pereira saiu da coordenação de enfermagem. Segundo ele, a nova escala reduziria 40%, em média, o número de profissionais. 

A situação do Postão foi tema de reunião entre servidores e sindicato da categoria nesta semana. Segundo a presidente do Sindicato dos Servidores Municipais (Sindiserv), Silvana Piroli, existe uma tentativa de dialogar sobre as escalas com a administração municipal. Por isso, ela aguarda o agendamento de uma reunião com a secretária de Recursos Humanos, Vangelisa Lorandi.

Mesmo com a saída dos coordenadores, a prefeitura garante que há profissionais suficientes para garantir o atendimento no Postão. Porém, a presidente do Sindiserv discorda. Segundo ela, houve aposentadorias no ano passado sem reposição dos servidores. Ela afirma que isso gera insegurança no trabalho. Outra reclamação é a demora na disponibilização das escalas de trabalho, o que dificulta a organização pessoal dos servidores. 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros