Produto à base de inhame criado por alunos da FSG, de Caxias, aumenta duração de frutas - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Inovação05/09/2018 | 08h30Atualizada em 05/09/2018 | 08h30

Produto à base de inhame criado por alunos da FSG, de Caxias, aumenta duração de frutas

O projeto segue em fase de testes, mas já ganhou destaque na instituição

Produto à base de inhame criado por alunos da FSG, de Caxias, aumenta duração de frutas Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Um produto desenvolvido por três estudantes do Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG) pretende aumentar a durabilidade de frutas em mais de 20 dias por meio de uma película orgânica que não causa prejuízos para a natureza. O projeto segue em fase de testes, mas já ganhou destaque na instituição. No final do mês passado, os acadêmicos de Engenharia Mecânica João Victor Restelatto, Michael Jonathan Capelletti e Ramon Ribeiro venceram o Desafio FSG, que premiou os melhores trabalhos desenvolvidos ao longo do semestre.

O produto criado pelo trio foi idealizado à base de inhame. Os testes com peras apontaram que a fruta com a película orgânica teve duração de 30 dias, enquanto uma pera comum, sem a película, iniciou o processo de apodrecimento após uma semana. 

Na proposta dos estudantes, após a colheita, a fruta é envolvida pelo material em estado líquido _ por imersão ou borrifação _ e está apta a ser comercializada. A substância, que não é visível, sai com água. O processo de lavagem é o mesmo como o realizado com qualquer outro alimento. 

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 03/09/2018Projeto película orgânica: João, Ramón e Michael desenvolveram o projeto película orgânica a base de inhame e promove maior durabilidade das frutas. (Lucas Amorelli/Agência RBS)
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Conforme a professora Luciane Calabria, coordenadora do curso de Engenharia de Produção e que orientou o projeto, os testes foram realizados em peras, mas a película conservadora pode ser usada em outras frutas, como a maçã. 

— Quando a fruta está em processo de amadurecimento, ela libera uma substância que vai promovendo a maturação. A película orgânica evita a troca dessa substância entre as frutas, criando uma barreira. Na prática, podemos dizer que a pera, por exemplo, terá maior durabilidade na prateleira do mercado, o que beneficia o produtor e o consumidor — explica. 

— Foi interessante, porque sabemos que na nossa região a produção de frutas é bastante forte, e a película ajudaria o produtor — avalia o estudante João Victor. 

A possibilidade de comercialização da película orgânica ainda precisa ser avaliada e depende de mais testes, segundo os alunos. No entanto, a docente garante que já houve interesse de empresas da região para colaborar com a experimentação. 

— Temos de aumentar as escalas de testes e avaliar a toxicidade da película. Mas, como sabemos que a base é o amido do inhame, não há problemas, uma vez que isso já faz parte da nossa alimentação — diz Luciane. 

O trabalho também será apresentado no Salão de Iniciação Científica (SIC) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul  (UFRGS), que ocorre em outubro.

Leia também:
Projetos educacionais do Fiesporte, em Caxias, terão que indicar gratuidade no material de divulgação
Atraso em projeto adia para outubro licitação para obras no Cristóvão de Mendoza, em Caxias



 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros