Hospital de Gramado opera com déficit mensal de R$ 320 mil - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Sob intervenção06/09/2018 | 09h21Atualizada em 06/09/2018 | 09h21

Hospital de Gramado opera com déficit mensal de R$ 320 mil

Dívida de curto prazo é de R$ 6,4 milhões

Hospital de Gramado opera com déficit mensal de R$ 320 mil Felipe Nyland/Agencia RBS
No início da intervenção, em fevereiro de 2016, o decreto citou risco de fechamento da urgência, emergência e UTI do hospital Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Dois anos e meio após a intervenção do município no Hospital Arcanjo São Miguel, de Gramado, a situação financeira da instituição é complicada. O déficit mensal para a operação é de R$ 320 mil. Em dívidas de curto prazo, o hospital soma R$ 6,4 milhões - R$ 4 milhões em empréstimos, R$ 1,2 milhão em dívidas com fornecedores, R$ 200 mil recebidos como adiantamentos de planos de saúde e R$ 1 milhão em honorários médicos.

Conforme o interventor, Paulo Rogério Oliveira, são recorrentes os atrasos nos pagamentos. Em julho, os 90 médicos, que são contratados como pessoas jurídicas, receberam com 10 dias de atraso. O custo mensal com esses profissionais é de R$ 730 mil em média. 

Oliveira diz que outros fornecedores também vêm recebendo com atraso, mas garante que os funcionários têm salários em dia. Segundo ele, as dificuldades financeiras são resultado da necessidade de investimento em reformas e troca de equipamentos que estavam sucateados na época em que ocorreu a intervenção. Para amenizar o problema, a direção do hospital tenta renegociar contratos e melhorar o controle de compras. 

— Estamos entrando em contato com as empresas, na medida do possível, para que possamos alinhar e redefinir valores, procurando de maneira criteriosa fazer uma negociação dos valores para que sejam compatíveis com a nossa arrecadação  — diz Oliveira.

No final de agosto, a prefeitura prorrogou até 17 de fevereiro de 2019 a intervenção no hospital. Em nota, o prefeito João Alfredo Bertolucci, o Fedoca, disse que o município manterá o hospital enquanto não houver a venda do imóvel a uma "instituição idônea". 

No início da intervenção, em fevereiro de 2016, o decreto citou risco de fechamento da urgência, emergência e UTI do hospital. 

Leia também
Criminosos atacam caixa eletrônico em empresa de Bento Gonçalves
Cirurgia para tratar câncer de criança em Caxias é inédita no Estado
Metalúrgicos de Caxias convocam nova assembleia para discutir a convenção coletiva
"Tinha medo dele dirigir táxi" diz mulher de motorista morto por bandidos em Caxias   

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros