Cirurgias eletivas de otorrino estão suspensas em Caxias - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

SUS04/09/2018 | 09h15Atualizada em 04/09/2018 | 09h42

Cirurgias eletivas de otorrino estão suspensas em Caxias

Fila de espera tem cerca de 500 pacientes

Cirurgias eletivas de otorrino estão suspensas em Caxias Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Mãe de Larissa Almeida Araújo, três anos, diz que a filha espera por cirurgia desde 2017 Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

As cirurgias de otorrinolaringologia estão suspensas na rede pública de saúde de Caxias do Sul. A fila acumula 500 pacientes à espera de procedimentos. São crianças, jovens e adultos que aguardam intervenções diversas. Entre elas, estão a retirada de amígdalas, cirurgias de adenoide e desvio de septo.

Leia mais
Descentralizar atendimento hospitalar é saída para desafogar a saúde pública na Serra
Fim da "ambulancioterapia" na Serra precisa ser prioridade da próxima gestão do Estado

Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, o motivo para a suspensão do serviço é o esgotamento de recursos. De acordo com o secretário Geraldo da Rocha Freitas Júnior, o município recebe mensalmente R$ 126 mil do governo federal e aplica outros R$ 32 mil para consultas, exames e cirurgias na área.  Ele alega que, desde 2009, quando iniciou o repasse federal, nunca houve reajuste. 

— Infelizmente, no mês de agosto chegou no limite do contratado para cirurgias eletivas. As cirurgias de urgência, a gente realiza com os recursos que o município dispõe para complementar essas situações. Mas as eletivas a gente cumpre fielmente o contrato com o prestador porque são procedimentos que a gente pode programar. Até o final de outubro, a gente tem uma previsão de retomar esse serviço.

Segundo o secretário, em setembro os recursos serão destinados para exames e consultas. O município diz que busca junto ao Estado recursos para o serviço. Freitas Júnior vai a Porto Alegre nesta terça-feira (3) para tratar novamente do assunto. Conforme a Secretaria Municipal da Saúde, as cirurgias fazem parte de um contrato relativo à saúde auditiva – exceto casos que precisam de aparelhos, que recebem uma verba adicional.

Já a titular da 5ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), Solange Sonda, confirma que existe uma negociação para repasse de R$ 40 mil mensais para procedimentos em geral relacionados à saúde auditiva, o que depende de aprovação interna. Mas, segundo ela, isso não inclui a cirurgias de otorrinolaringologia. A coordenadora afirma que Caxias não é referência para os 49 municípios da 5ª CRS para esse serviço. Por isso, conforme Solange, não existe justificativa para a liberação de recursos do Estado para a otorrinolaringologia.

Na espera por cirurgia

Entre os pacientes da lista de espera, está Larissa Almeida Araújo, três anos. A menina, que adora posar para fotos, também gosta de falar e brincar. Mas a demora na cirurgia traz prejuízos para que ela desenvolva atividades simples para outras crianças. Larissa não pode, por exemplo, mamar deitada porque isso provoca vômitos. A respiração é pela boca e, na hora de dormir, a menina costuma roncar.

Um exame realizado em abril mostra que ela tem aumento da adenoide e crescimento excessivo das amígdalas. Conforme a mãe, Greice Almeida, 32 anos, os médicos dizem ainda que Larissa tem desvio de septo nasal. De acordo com ela, a confirmação de que havia a necessidade de cirurgia veio em abril de 2017, quando a menina ficou hospitalizada. Esse foi um dos momentos de agravamento da doença, mas Larissa sofre diariamente com os sintomas. 

— Ela tem enfrentado problema para dormir, para comer, para falar. Já faz um ano e meio que nós estamos sofrendo com isso. Toda a gripe que ela tem, por mais fraquinha que seja, se agrava muito, porque ela ronca muito, ela não consegue respirar direito. Então, qualquer gripe, tenho que levar no médico porque a imunidade dela baixa muito — conta Greice.

Embora os procedimentos cirúrgicos suspensos não impliquem em risco de vida, as doenças prejudicam o bem-estar dos pacientes e acabam sobrecarregando o atendimento na ponta. Só neste ano, Larissa teve de ir duas vezes ao posto de saúde, uma ao Postão 24 Horas e outra ao hospital, por causa de complicações.

Além dos casos já diagnosticados, a fila é grande para quem espera por consulta. Conforme a Secretaria Municipal da Saúde, são cerca de 1.200 aguardando por um especialista.

Leia também
Museus estão fora de perigo, garante prefeitura de Caxias do Sul 
Óleo diesel está mais caro nas bombas de Caxias
Tá na Web: Candidatos repercutem incêndio que destruiu Museu Nacional
Natalia Borges Polesso: Brasil vil 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros