Atraso em projeto adia para outubro licitação para obras no Cristóvão de Mendoza, em Caxias - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Reforma e ampliação04/09/2018 | 16h36Atualizada em 04/09/2018 | 16h36

Atraso em projeto adia para outubro licitação para obras no Cristóvão de Mendoza, em Caxias

Bombeiros solicitaram adequações no PPCI

Atraso em projeto adia para outubro licitação para obras no Cristóvão de Mendoza, em Caxias Lucas Amorelli/Agencia RBS
Serão 3 mil metros quadrados de ampliação e outros 10 mil metros quadrados que passarão por reformas Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

A licitação para obras no Instituto Estadual de Educação Cristóvão de Mendoza, em Caxias do Sul, atrasou mais uma vez e só deve ser lançada em outubro. A previsão anterior era que o processo licitatório ocorresse em julho, o que já significaria um atraso em relação ao acordo inicial. Durante a ocupação de alunos em 2016, ficou definido que as intervenções começariam em meados de 2017. 

Segundo a secretária-adjunta  de Planejamento, Governança e Gestão do Estado, Melissa Custodio, o novo atraso é resultado da necessidade de ajustes no Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndios (PPCI). Os bombeiros pediram adequações que tiveram de ser encaminhadas para a empresa contratada para desenvolver o projeto de reforma e ampliação. De acordo com Melissa, essa fase tem de ser concluída até 17 de setembro. Depois, 10 técnicos da força-tarefa terão até 10 dias para analisar o projeto. A previsão, com isso, é que a licitação possa ser lançada até 5 de outubro.

Como a obra é considerada prioritária, Melissa afirma que haverá maior celeridade na tramitação interna. A projeção é ter uma empresa escolhida em até 45 dias se a licitação correr normalmente - sem recursos e com interessados. A secretária-adjunta afirma que, paralelamente, já estão em andamento pedidos de liberação da obra e de podas junto à prefeitura de Caxias do Sul. O objetivo é iniciar os trabalhos assim que houver a empresa licitada, sem que ocorram períodos de parada durante os trabalhos. 

Melissa explica que o principal motivo para os atrasos é a contratação de uma empresa para projetar a obra. As alterações têm de ser feitas pela terceirizada e avaliadas por técnicos servidores. Isso faz com que o projeto fique transitando entre os órgãos públicos e a iniciativa privada.

Serão 3 mil metros quadrados de ampliação e outros 10 mil metros quadrados que passarão por reformas. Ao todo, o prédio tem 25 mil metros quadrados. A obra está orçada em R$ 27 milhões. O Estado pretende usar verba do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird). Conforme Melissa, o contrato, que encerraria em fevereiro, foi prorrogado até maio. É o prazo para as obras. Ainda assim, a secretária afirma que o governo estadual também vai incluir as intervenções na escola no orçamento de 2019, com o objetivo de garantir os trabalhos.

O Cristóvão foi construído na década de 1960. A última vez que passou por reformas foi em 1991. O colégio estava incluído no extinto Plano de Necessidades de Obras (PNO), lançado em 2012. São essas as intervenções ainda pendentes. Inicialmente, o orçamento era de R$ 5 milhões. Depende dessa reforma a liberação do auditório, que está interditado desde 2013.

No próximo dia 15, uma audiência pública vai tratar da situação da escola. A reunião começa às 9h, no próprio instituto. 

Leia também:
Projetos educacionais do Fiesporte, em Caxias, terão que indicar gratuidade no material de divulgação

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros