Soama completa 20 anos de atividades em Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Proteção animal31/08/2018 | 07h42Atualizada em 31/08/2018 | 07h49

Soama completa 20 anos de atividades em Caxias do Sul

Em 2016, após uma série de denúncias, a ONG deixou a administração da chácara e hoje voluntárias se dedicam a projetos de conscientização em escolas

Soama completa 20 anos de atividades em Caxias do Sul Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

Quem se dedica à proteção animal é movido por um sentimento forte: a vontade de mudar uma vida. O amor aos animais motiva voluntários e protetores independentes a se levantar, todos os dias, e seguir adiante na causa animal, mesmo quando o desânimo toma conta. Assim descreve Corina Libera Pivotto Meletti, 79 anos. Uma das fundadoras da Sociedade Amigos dos Animais (Soama), a senhora simpática e de sorriso franco não lembra exatamente das datas, mas guarda na memória a maioria dos cães e gatos que passaram pela chácara ao longo dos primeiros anos. 

A Soama nasceu em 31 de agosto de 1998, no lugar da Associação Riograndense de Proteção aos Animais (Arpa). O terreno localizado em São Virgílio da 6ª Légua pertencia à prefeitura e foi doado à  Arpa pelo então prefeito Pepe Vargas (PT). Após conversas, os voluntários decidiram criar a Soama, que seria uma entidade caxiense de proteção ao bem-estar animal. Dois anos depois, a ONG firmou convênio com o município, após solicitar ajuda ao Ministério Público para manter os cães e gatos que eram recolhidos ou abandonados nos portões da chácara. 

Para Corina, o maior desafio era conscientizar as pessoas que os animais têm sentimentos, dor, medo, e precisam de atenção e carinho, não apenas de comida e água:

— Se hoje é difícil, imagina há 20 anos. Para poder alimentar os animais que mantínhamos na chácara, íamos aos restaurantes buscar restos de comida, cozinhávamos arroz e pedaços de frango. Ração era algo que sonhávamos em ter, mas não tínhamos dinheiro para comprar.

Há 20 anos, a área da chácara era ainda mais afastada da cidade, e para abrigar os animais era preciso construir casinhas. Corina conta que, com madeiras doadas, o marido dela, Adarcy Meletti, 80, a acompanhava na missão de cuidar dos bichinhos. 

— Íamos todos os dias até São Virgílio. Não tínhamos sábados, domingos ou feriados. Na época, poucos veterinários nos ajudavam, então, às vezes, me diziam o que fazer, como medicar, e nos virávamos. Perdemos algumas vidas, mas salvamos muitas outras. Passamos muito trabalho, sofremos muito, mas eu sou feliz por cada vida que conseguimos mudar — afirma. 

A diretora de marketing da Soama, Natasha Oselame Valenti, 41, é filha de outra fundadora e que continua na entidade: Dinamara Maria Oselame Valenti, 66. Ela lembra as dificuldades enfrentadas:

— Meu maior orgulho é a minha mãe, que está na Soama desde o início. Muitas pessoas passaram pela entidade e contribuíram pelo bem dos animais. Eu lembro de acompanhar a minha mãe e a dona Corina. O desespero delas para conseguir recursos para comprar alimentos, remédios, dedicando todo o tempo para mudar a vida dos bichinhos. Ninguém nos atendia, éramos visto como pessoas que não tinham o que fazer. Nos mandavam lavar uma louça e nos diziam: "Bicho é bicho" — lembra.

Após deixar administração da chácara, Soama precisa se reinventar 

Soama comemora 20 anos em defesa aos animais
Hoje voluntários se dedicam a projetos de conscientização em escolasFoto: Acervo Pessoal / Divulgação

Até outubro de 2016, a prefeitura repassava uma verba mensal à Soama. Naquele ano, surgiram denúncias de maus-tratos, houve protestos e o Movimento Gaúcho de Defesa Animal (MGDA) entrou com ação civil pública contra a entidade. A Comissão Temporária Especial de Proteção e Defesa dos Direitos dos Animais, da Câmara de Vereadores, apresentou um relatório sobre a Soama. As denúncias começaram em maio e se intensificaram ao longo dos meses. Em agosto, um cachorro foi retirado da chácara por ordem judicial. Em 1º de setembro, um dia após a Soama completar 18 anos, a direção decidiu deixar a administração da chácara onde estavam 1,2 mil cães e gatos. 

Natasha lembra que, nesses 20 anos, a Soama teve conquistas, mas também enfrentou uma série de adversidades: 

— Enfrentamos resistência para adotarem animais adultos, mais velhos, e cães de médio e grande porte, porque a cultura de comprar um bichinho ainda é muito forte. Pela falta de dinheiro, a maioria dos animais ficava em casinhas, presos em correntes.

A chácara chegou a ser conhecida como "Cãodomínio" e "A Favela de Cães do Brasil". Não era o sistema o ideal, admite Natasha, acrescentando ter ouvido críticas como a de que manter o abrigo não era ajudar, mas sim acostumar a cidade a abandonar seus cães e gatos.

— Nós sabíamos que era a hora de não recolher mais e de fechar às portas, mas fomos levando, porque eles precisavam de nós. Todos que nos criticaram não se dão conta de que assumimos a responsabilidade de uma cidade inteira, de quem abandonou, não cuidou e não castrou — lamenta. 

Há dois anos, desde que deixou a administração da chácara, a entidade tem se dedicado a ações de conscientização. Ela ressalta que quatro voluntárias resolveram se reinventar para seguir na defesa dos animais: 

— Não vamos abandonar a proteção animal, porque é uma missão de vida. Desde 2009 temos o projeto Plantando Sementes e intensificamos as palestras: mais de 43 mil sementes já foram plantadas. São 43 mil crianças e adultos que participaram dos encontros, nos quais instigamos a mudança de concepção e o cuidado com os animais.

As crianças que participam recebem uma carteirinha de protetor. A Soama também continua com atendimento pelas redes sociais, divulgação de animais perdidos e para adoção, campanha de castração gratuitas e com preço de custo com verba do Bazar de Usados Mi-Au. Mantém ainda ajuda veterinária, doação de ração e projetos como as campanhas #SomosTodosViralatas e a campanha Identifique seu Amigo. 

LUTAS E CONQUISTAS 

- Contra a criação de um Centro de Controle de Zoonoses, que iria sacrificar animais abandonados.
- Pela criação da Lei Estadual 13.193, que proíbe animais abandonados de serem mortos pelo Estado, inspirados em lei aprovada em SP.
- Castração de mais de 17 mil cães e gatos.
- Cultura da microchipagem na cidade.
- Contra a castração química que iria mutilar e causar sofrimento aos cães e gatos machos.
- Conscientização da UCS para não usar cães nas aulas práticas.
- Resgate e abrigo de mais de 10 mil cães e gatos, além de pombas, urubus, galos e cavalos.
- Doação de mais de 9 mil animais.
- Averiguação de maus-tratos.
- Campanhas a favor do veganismo e do vegetarianismo e contra a exploração animal.
- Criação da Gatinha Preta da Sorte, para acabar com o preconceito para com os gatos pretos.
- Campanhas de conscientização na mídia, exposições, personagens super-heróis, tirinhas.
- Distribuição de cartilhas educativas para tentar combater o abandono e os maus-tratos.

Leia também
Após acidente com Lamborghini em Gramado, condutora de 28 anos passa bem
Cachorros são recuperados em ação da Polícia Civil, em Caxias
Campanha ajuda família que perdeu casa em incêndio em Caxias

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros