Pesquisa quer desvendar câncer de intestino na Serra, terceiro tumor que mais mata na região - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Hospital Tacchini18/08/2018 | 11h00Atualizada em 18/08/2018 | 11h00

Pesquisa quer desvendar câncer de intestino na Serra, terceiro tumor que mais mata na região

Destinação de imposto de renda dá fôlego à pesquisa

Pesquisa quer desvendar câncer de intestino na Serra, terceiro tumor que mais mata na região Hospital Tacchini/Divulgação
Foto: Hospital Tacchini / Divulgação

O Instituto Tacchini de Pesquisa em Saúde (ITPS) centra as atenções em descobrir por que o câncer de intestino é uma das doenças que mais matam na Serra. Chamado de Projeto Piloto de Rastreamento de Tumores Intestinais, a pesquisa busca entrevistar milhares de moradores dos municípios atendidos pelo Hospital Tacchini, em Bento Gonçalves, e detalhar o que leva essa doença a avançar na região. Para isso, o projeto busca o incentivo de pessoas jurídicas e físicas para que destinem o Imposto de Renda Devido e ajudem a arrecadar o valor que será destinado à pesquisa, que deve custar mais de R$ 1,5 milhão.

— Além de fazer a pesquisa, nós queremos promover a conscientização e os cuidados na população, focando em projetos de responsabilidade social. Se em 2005 nós tínhamos 10 casos por mês, hoje notamos que chegam até 25 pessoas a cada mês com essa doença — resume a biomédica Juliana Giacomazzi, gerente do Instituto Tacchini de Pesquisa em Saúde.

Para se ter ideia da necessidade de um estudo aprofundado sobre o tema, sabe-se que, em 10 anos, o ITPS registrou aumento de 140,4% no número de casos do câncer de intestino. Outra estatística chama a atenção: 15% das vítimas têm menos de 50 anos. Além disso, 30% delas morrem em menos de cinco anos após o diagnóstico, o que reforça o estágio avançado em que se recebe o tratamento. Não é sabido ainda se há algum comportamento do morador da Serra que possa contribuir para o aparecimento da doença. Nessa pesquisa, serão realizados rastreamentos de tumores de intestino por pesquisa de sangue oculto nas fezes das pessoas de 60 a 75 anos em Bento Gonçalves. Serão 6 mil pessoas entrevistadas. 

— Iremos aprofundar todas as questões, como alcoolismo, fumo, sobrepeso, se toma sol, se faz atividades físicas e a questão do consumo de produtos com agrotóxicos. Será um estudo de caso dos que têm câncer e dos que não têm o tumor. O que percebemos, até agora, é que após os 55 anos, esse tipo de câncer passa por um boom — lamenta a biomédica.

Além desse projeto, que precisa do suporte financeiro da comunidade para sair do papel, outros dois já estão em andamento pelo instituto. Um deles é sobre avaliação de fatores de risco para câncer, em que será feita uma avaliação genética, com cerca de 2,2 mil pessoas. O outro é o projeto de detecção de tumores colorretais em pessoas com sintomas da doença da região atendida pelo Tacchini, com idade superior a 18 anos. 

A DOENÇA*

O que é câncer colorretal (intestinal)?

:: O câncer colorretal consiste em tumores que acometem o intestino grosso, que é subdividido em cólon e reto. Podem ser considerados fatores de risco uma dieta rica em carnes vermelhas, processadas (salsichas, mortadelas, etc) e gorduras, a falta de pratica de exercícios físicos, a obesidade, o tabagismo e o alcoolismo, entre outras questões. Quanto mais precoce o tratamento, menores a agressividade e o tempo de tratamento, proporcionando melhor qualidade de vida ao paciente.

Quais são os sinais e sintomas?

:: O sangramento ao evacuar é o sinal mais comum. Anemia sem causa aparente, principalmente em pessoas com mais de 50 anos, alterações no hábito intestinal (diarreia ou intestino preso), desconforto abdominal com gases ou cólicas, permanência da vontade de evacuar mesmo após a evacuação, igualmente chamam a atenção. Emagrecimento intenso e inexplicado, fraqueza, fezes pastosas e escuras, e sensação de dor na região anal também podem estar relacionados com tumores. Caso apresente algum desses sinais e sintomas, procure um médico.

Como é o tratamento?

:: O tratamento nos tumores iniciais geralmente é menos agressivo, através da retirada de pólipos e lesões pela colonoscopia ou por cirurgias com ressecções locais dos tumores. Nos tumores maiores do cólon há necessidade de cirurgia (convencional, laparoscópica ou robótica). Nos tumores do reto pode haver necessidade de radioterapia e quimioterapia antes da cirurgia. 

O tratamento envolve radioterapia, quimioterapia e/ou cirurgia, dependendo do local, do tamanho e extensão da doença no cólon ou em outros órgãos no caso de existirem metástases (aparecimento do tumor em outro órgão como fígado ou pulmão, por exemplo). Quanto mais precoce o tratamento, menor a agressividade e o tempo de tratamento, proporcionando melhor qualidade de vida ao paciente.

* Fonte: Hospital do Câncer de Barretos

COMO AJUDAR

Quem pode destinar e utilizar incentivos fiscais?

:: Pessoa Jurídica: empresas tributadas com base no lucro real. Limite: até 1% do imposto devido em cada período de apuração.

:: Pessoa Física: quem faz declaração de Imposto de Renda através do modelo completo. Limite: até 6% do imposto devido em cada exercício.

Quando realizar a destinação?

:: Pessoa Jurídica: a doação ao Fundo Municipal do Idoso deve ser realizada durante o período de apuração do IRPJ. O incentivo é aproveitado conforme a opção de tributação do IRPJ pela empresa (Trimestral, Estimativa e Suspensão ou Redução).

:: Pessoa Física: a doação deve ser realizada em qualquer mês do ano. O incentivo fiscal é aproveitado quando há a apresentação da declaração de ajuste anual no ano seguinte ao da doação. Atualmente, até o último dia do mês de abril.

Como realizar a destinação?

:: Entre em contato com o ITPS pelo e-mail responsabilidadesocial@tacchini.com.br ou pelo telefone (54) 3455-4333, no ramal 1125.


Leia também
Ônibus da Guarda Municipal retorna à Praça Dante Alighieri em Caxias
Homem sofre tentativa de homicídio no loteamento Oriental em Caxias

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros