Número de acidentes com morte caiu pela metade desde 2010 em Caxias do Sul - Geral - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Trânsito17/08/2018 | 06h00Atualizada em 17/08/2018 | 06h00

Número de acidentes com morte caiu pela metade desde 2010 em Caxias do Sul

Fiscalização e ações educativas teriam ajudado na redução de ocorrências fatais

Número de acidentes com morte caiu pela metade desde 2010 em Caxias do Sul Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Ainda que 19 pessoas tenham perdido a vida em acidentes de trânsito em Caxias do Sul neste ano, estatisticamente esse é o menor número dos últimos 12 anos. Quando comparada a 2010, por exemplo, a diminuição chega a 55%. A combinação de mais fiscalização e ações educativas promovidas pelos órgãos de trânsito nesse período teriam ajudado nessa redução porque influenciam diretamente no comportamento dos motoristas. 

Leia mais
Placas de velocidade são instaladas em ponto que terá cercamento eletrônico em Farroupilha
Motorista embriagado e sem habilitação colide carro em poste em Caxias

Sabendo que o motorista reduz o excesso de velocidade quando tem noção de que é monitorado, a Secretaria de Trânsito, Transportes e Mobilidade, por exemplo, tem apostado nas operações com radar móvel nas ruas de Caxias. Se antes eram feitas de uma a duas operações na semana, o número passou para até quatro ações semanais. 

— Agimos como um pai na educação dos filhos: se dá certo determinada atitude, vemos que está surtindo efeito, insistimos nela. E é assim com o uso do radar móvel. É o que altera mesmo o comportamento do motorista, é o que tem mudado o trânsito daqui — destaca o titular da secretaria, Cristiano de Abreu Soares.

Os reflexos desse endurecimento na fiscalização também são revelados pelos números: entre agosto do ano passado e julho de 2018, 7.073 motoristas foram flagrados acima do limite de velocidade. De agosto de 2016 a julho de 2017, foram 5.012, um crescimento de 39,9%. Com os radares, os fiscais também comprovaram o mau comportamento  motoristas, que colocam a si e aos outros em perigo: nas perimetrais de Caxias, entre dezembro de 2017 e junho deste ano, pelo menos seis pessoas foram flagradas dirigindo acima de 112 km/h (o limite da via é de 60 km/h). 

Um dos condutores chegou a 140 km/h, superior ao dobro permitido na Perimetral Norte, no bairro São José. 

Outro trecho citado pelas autoridades de trânsito como crítico para a imprudência é a pequena Rua Jacó Brunetta, no bairro Santa Catarina: num trecho onde a velocidade máxima é de 40 km/h, vários motoristas chegam a mais de 70 km/h. Nesses casos, quando a velocidade é superior à máxima em mais de 50%, o motorista comete infração gravíssima, que implica em suspensão imediata do direito de dirigir, sete pontos na carteira de habilitação e multa de quase R$ 900. 

Bebida e direção

Criadas para coibir a ingestão de álcool por motoristas — outro comportamento de risco que é causa de muitos acidentes com morte —, as blitze do Balada Segura, que contam com participação da Brigada Militar e Guarda Municipal, também revelam imprudência: 1.016 motoristas bêbados foram flagrados dirigindo neste ano. Só no último fim de semana, mais de 23% dos condutores abordados estavam alcoolizados e no volante.

— Há muita gente que acha que o 13º salário do fiscal de trânsito é pago com dinheiro das multa, que eles têm meta para multar tantos carros por mês... Mas não é assim: esse dinheiro só pode ser investido em educação, sinalização com engenharia e fiscalização de trânsito, que é exatamente o que estamos fazendo — explica o secretário.

Meses sem mortes

Um estatística recente orgulha a Secretaria de Trânsito: desde 2007, quando se iniciou controle de acidentes, foi a primeira vez que não houve mortes durante um mês inteiro, como nos casos de janeiro e maio. 

Educação no trânsito é a melhor aposta

A aposta na educação segue nos planos da Secretaria de Trânsito, Transportes e Mobilidade de Caxias. Uma nova campanha será lançada em setembro e trata de um tema que cresce cada vez mais: o uso do celular ao volante. De janeiro a julho deste ano, 1.716 pessoas foram flagradas fazendo uso do aparelho enquanto dirigiam. Esse poderia ter sido, inclusive, o motivo de um acidente que resultou na morte de um idoso, em julho. Conforme o boletim de ocorrência, policiais militares que estavam próximos ao trecho e prestaram o primeiro atendimento informaram que a condutora da caminhonete admitiu ter se distraído com o celular pouco antes de perder o controle da direção. 

É para evitar que atitudes como essa se repitam que a Escola de Trânsito forma novos agentes a cada mês. Pelo menos 6 mil alunos de escolas públicas e particulares participaram de palestras, encontros com fiscais de trânsito e outras iniciativas que têm por foco mudar o comportamento. 

Além disso, os fiscais de trânsito fazem o diagnóstico da necessidade dos colégios visitados para implantação de ações práticas após um estudo técnico. Exemplo: a Escola Estadual de Ensino Médio São Caetano, no bairro Bom Pastor, está formando cerca de 20 pessoas, entre pais, alunos e professores. Todos participaram de uma qualificação na secretaria e têm a missão de perpetuar o conteúdo. O intuito? Que a cultura da paz do trânsito saia do papel e invada as ruas do bairro.

— Nós vamos trabalhar no âmbito da natureza, das ciências humanas, em diversos pontos o assunto trânsito. E tudo tem mudado: alunos que gostavam mais de briga, confusão, estão mais calmos, mais centrados. E tivemos resultados práticos após a visita dos agentes, como a troca de estacionamento dos ônibus, que era uma demanda nossa — comenta a diretora Roberta Moraes. 

Além de crianças e adolescentes, a Escola de Trânsito também atua entre os motoristas. Conforme a fiscal Sandra Santos de Oliveira, o projeto Condutor Cidadão, que existe há cerca de 10 anos, promove encontros nos centros de formação de condutores (CFCs) com motoristas em primeira habilitação como forma de reforçar a importância de observar as normas de trânsito.

— É só por meio da educação que conseguiremos mudar o mau comportamento dos motoristas — afirma. 

Vitimas fatais no trânsito em Caxias do Sul

Vítimas no trânsito em Caxias
Foto: Arte Pioneiro / Agência RBS

Ação combate ultrapassagens 

A ultrapassagem é uma das maiores causas de acidentes graves registrados no Estado. Com a intenção de conscientizar os motoristas do risco de ultrapassar em locais proibidos, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) realizou ontem uma ação coordenada de combate às ultrapassagens no RS. Na Serra, as equipes atuaram no km 158 da BR-116, em Caxias do Sul, e no km 127da BR-285, em Vacaria. Durante duas horas de fiscalização, nove motoristas foram autuados por ultrapassagem em local proibido, em pontos considerados críticos nas rodovias. 

No trecho caxiense, conforme a PRF, uma motorista ultrapassou em local proibido (faixa contínua), obrigando o condutor que seguia no sentido oposto a desviar para o acostamento para evitar a colisão frontal. Nesse caso, ela recebeu duas autuações: uma por ultrapassar em local proibido e outra por forçar ultrapassagem.

As multas vão de R$ 1.467,35, por ultrapassar em local proibido, até R$ 2.934,70, no caso do veículo que forçar ultrapassagem. A prática pode, inclusive, resultar em suspensão da CNH. A motorista autuada duas vezes ontem à tarde dirigia um Fiat Punto vermelho emplacado em Passo de Torres (SC). 

Leia também
Audiência pública vai discutir situação das agroindústrias de Caxias do Sul
TSE registra mais de 23 mil candidatos às eleições de outubro

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros