Novo entrave burocrático impede reencontro de haitiana moradora de Caxias com os três filhos - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Sonho adiado, novamente20/08/2018 | 07h00Atualizada em 20/08/2018 | 08h30

Novo entrave burocrático impede reencontro de haitiana moradora de Caxias com os três filhos

Radicada na cidade há cerca de cinco anos, Monette Esperance enfrenta desde 2016 empecilhos para conseguir trazer crianças para Caxias

Novo entrave burocrático impede reencontro de haitiana moradora de Caxias com os três filhos Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Falha em emissão de documento adia novamente sonho de reencontro entre Monette Esperance, 30 anos, e os três filhos que permanecem no Haiti Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Quando tudo parecia encaminhado para a haitiana Monette Esperance reencontrar os três filhos, o sonho da moradora de Caxias sofreu um novo revés. Recentemente, a documentação que havia sido remetida para confecção do vistos de uma das crianças retornou, pois o nome de Monette estava com a grafia errada na certidão de nascimento. Com isso, a viagem  para buscar Djodly, 11 anos, Adjy, 10, e Betchnaille, oito, foi novamente frustrada.

— Cada dia é uma novela diferente. É inacreditável. O pior é que tudo havia sido aprovado em dezembro ainda. Agora, na última hora, mandam o pedido de correção — comenta o advogado de migrações do Centro de Atendimento ao Migrante (CAM), Adriano Pistorelo.

Há mais de cinco anos Monette não vê os filhos, que permanecem no país caribenho, onde vivem com a avó. Há quase dois anos, ela luta para viabilizar a ida até o Haiti para buscar as crianças e retornar para Caxias. Em 2017, conseguiu angariar recursos por meio de uma vaquinha online que arrecadou cerca de R$ 24 mil para custear a vinda dos três filhos de Monette. Desde então, no entanto, diversos entraves impediram o reencontro.

Desta vez, Pistorelo explica que o problema foi tanto na emissão da certidão da criança quando ela nasceu, quanto no descaso do procedimento recente por parte da embaixada do Haiti.

— O governo do Haiti é uma bagunça. Já encaminhamos o pedido de correção via retificação judicial. Neste momento, aguardamos a chegada da nova documentação, que, inclusive, já deveria ter vindo em julho, mas até agora nada — acrescenta.

Contudo, ele garante que o valor arrecadado está seguro e será devidamente utilizado no momento que Monette tiver toda a documentação.

— O recurso arrecadado para as crianças está depositado em conta corrente e não foi mexido. As pessoas que doaram podem ficar tranquilas. Realmente são só esses transtornos burocráticos que estão trancando. Mas, uma vez expedido o visto, a viagem vai ser feita o quanto antes — garante o advogado.

Embora o histórico de empecilhos dificulte qualquer nova estimativa, a expectativa é de que nas próximas semanas o visto seja encaminhado e a viagem, enfim, agendada.

— Queria estar com os meus filhos, mas não está sendo possível. Não dá mais para aguentar, não tenho mais força. O que mais revolta é que eles ficaram um tempão com os documentos e disseram só na última hora que tinha erro. Por que não avisaram antes? — lamenta Monette.

Leia também     
Prática de jejum intermitente se popularizou, mas deve ser feita com cautela
Secretaria de Meio Ambiente de Caxias diz estar de mãos atadas diante das podas
Mais de 5 mil crianças são imunizadas em ação contra a polio e o sarampo em Caxias


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros