Marco zero da construção de Caxias é furtado da Praça Dante - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Patrimônio público06/08/2018 | 20h07Atualizada em 06/08/2018 | 20h31

Marco zero da construção de Caxias é furtado da Praça Dante

Trabalhadores notaram ausência de placa de bronze nesta segunda

Marco zero da construção de Caxias é furtado da Praça Dante Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Mais um item valioso do patrimônio público de Caxias do Sul foi furtado de uma praça pública. Desta vez, trata-se da Rosa dos Ventos da praça Dante Alighieri, o marco zero da construção da cidade. A peça de bronze ficava na metade da Rua Marquês do Herval, entre a Rua Sinimbu e a Avenida Júlio de Castilhos. O furto foi notado na tarde desta segunda por agentes que cuidam da praça. A Secretaria Municipal do Meio Ambiente, responsável pela manutenção das praças públicas, irá se pronunciar na terça-feira sobre o assunto. Há duas semanas, outra placa de bronze foi furtada da mesma praça Dante, do monumento Gigia Bandera _ Instinto Primeiro, localizado em à Casa da Cultura. 

Leia mais:
Placa de bronze é furtada do monumento Gigia Bandera, em Caxias do Sul

De acordo com o Arquivo Histórico de Caxias, a Rosa dos Ventos fica no lado leste da praça. A partir daquele ponto, os agrimensores (pessoas que faziam as medições de terra) determinavam as léguas, quadras e distâncias da cidade. Este marco sempre teve seu destaque: primeiro foi construído em madeira. Posteriormente, a demarcação foi fixada em azulejo. Em 1975, o marco foi substituído por uma placa de bronze, que indicava a longitude e altitude na Rosa dos Ventos.

Assim como os trabalhadores da prefeitura, Fátima Regina Brustolin dos Reis, 57 anos, também notou o sumiço da placa especial na tarde de ontem. Como já trabalhou em banca de revista e em outros estabelecimentos das redondezas, conhece cada detalhe da praça Dante. Por isso, lamentou mais uma perda do patrimônio caxiense:

— Podemos dizer que até durou bastante tempo, né? Ultimamente, cada dia some uma coisa diferente da praça — opina.

Proprietária de um dos estabelecimentos mais conhecidos da praça, Ana Maria Brustolin Furlan, 67 anos, é a dona da Banca da Ana. São quase cinco décadas vivendo em meio aos livros e acompanhando o vai e vém apressado das pessoas. Ela está em casa, se recuperando de uma cirurgia, mas lembra bem que a Rosa dos Ventos servia como atrativo principalmente para os estudantes. Acompanhou, inclusive, o dia que a prefeitura depositou páginas de jornal e outras memórias naquele pedaço de calçada, com o intuito de criar uma espécie de cápsula do tempo. Teria sido em 1975, quando o ponto transformou-se em bronze. A ideia era abrir daqui a bastante tempo e reviver o que fora guardado ali. Com a ação dos vândalos, o desejo tornou-se impossível.

— A prefeitura perguntou ao meu esposo onde era o marco zero, e foi ele que indicou qual era a pedra exata. Tinha uma estrela em cima, era de bronze. Quando a gurizada ia fazer trabalho, ia até a pedra e estudava sobre o marco zero da cidade. Era bem importante — opina.

 Leia também:
Prefeitura de Caxias anuncia mudanças no texto da lei do Financiarte
Vinte motoristas são flagrados sob efeito de álcool no final de semana, em Caxias 

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros