Família quer encontrar dentista para confirmar identidade de vítima de incêndio, em Caxias - Geral - Pioneiro

Versão mobile

 

Busca27/08/2018 | 18h00Atualizada em 27/08/2018 | 18h00

Família quer encontrar dentista para confirmar identidade de vítima de incêndio, em Caxias

Filhos acreditam que homem que morreu na madrugada do domingo seja Orestes Ramos da Silva, 51 anos

Família quer encontrar dentista para confirmar identidade de vítima de incêndio, em Caxias Reprodução /
Foto: Reprodução
Pioneiro
Pioneiro

A família de Orestes Ramos da Silva, 51, acredita que ele seja o homem que morreu em um incêndio que destruiu uma moradia no bairro Belo Horizonte, em Caxias do Sul, no início da madrugada deste domingo. Conforme o filho de Orestes, Jackson Paim da Silva, o pai dele morava na casa que queimou. No entanto, a perícia só poderá identificar a vítima com um exame de DNA, cujo resultado demora cerca de um mês. 

Leia mais
Incêndio deixa uma pessoa morta no bairro Belo Horizonte em Caxias

— Depois do que aconteceu, a gente não pode nem sepultar ele — lamenta Silva.

Para acelerar o processo, a família busca encontrar o dentista de Orestes para realizar a identificação por meio da comparação da arcada dentária da vítima. De acordo com Silva, Orestes usava aparelho dentário, mas a família não sabe qual profissional o atendia. A responsável pelo Posto Médico Legal (PML) de Caxias, Estela Costa, explica que caso os peritos tenham acesso às radiografias de Orestes, é possível comparar os exames com as características da vítima do incêndio. Essa é a esperança de Silva. 

— Ele nunca falou onde era (o dentista), então estamos procurando com vários dentistas daqui para ver se conseguimos liberar o corpo e ter uma confirmação. Muita gente conhecia ele, se alguém souber, pedimos que entre em contato conosco — declara o filho.

Silva relata que Orestes sempre morou na casa de madeira na Rua dos Tanoeiros que incendiou. O pai também trabalhava como garçom em uma lancheria na Rua Visconde de Pelotas, no Centro, em frente à escola Presidente Vargas. 

— O importante é a gente conseguir uma resposta. A gente está desesperado, não sabe para onde vai, o que faz — reforça.

Informações podem ser repassadas diretamente para Jackson da Silva, pelo telefone (54) 99160-1260.

Leia também
Após geadas, possíveis estragos na agricultura serão avaliados em até 15 dias
Operação combate pornografia infantil em Caxias e outras sete cidades do RS

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros